A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos História

Oldsmobile Banshee: o muscle car transformado em carro de rali de James Garner, o astro de “Grand Prix”

James Garner, que morreu em 2014, aos 86 anos de idade, é mais conhecido por ser o astro de “Grand Prix”. O filme de 1966, dirigido por John Frankenheimer, até hoje é considerado um dos que representam de forma mais realista o circo da Fórmula 1.

Contracenando com pilotos profissionais do calibre de Jack Brabham, Dan Gurney e Graham Hill, James Garner foi o protagonista Pete Aron – e dedicou-se de forma integral ao papel. Ele levou a sério as aulas de pilotagem e demonstrou muito talento durante as gravações, dispensando dublês em boa parte das cenas, e recebendo elogios daqueles que ganhavam a vida acelerando carros de corrida.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Mas o envolvimento de James Garner com o automobilismo não se limitou a pilotar monopostos no cinema. Depois do filme, em 1967, ele se tornou sócio de uma equipe chamada American International Racing (AIR), que disputou provas de longa duração na Europa e nos EUA até 1969 – incluindo as 24 Horas de Le Mans, as 24 Horas de Daytona e as 12 Horas de Sebring. E, na virada dos anos 70, Garner competiu em provas de off-road com um dos carros de rali mais curiosos já feitos. Ou melhor, dois.

James Garner começou a disputar provas de resistência off-road já em 1968. Não foi exatamente uma opção dele: a questão é que, sendo um astro de Hollywood, Garner precisava ter um seguro de vida – como uma garantia de que, caso algo lhe acontecesse e ele não pudesse concluir as gravações, a produtora receberia uma compensação em dinheiro. Por razões óbvias, as seguradoras não gostavam muito da ideia de emitir uma apólice de seguro a um ator que pilotava carros de corrida em provas da SCCA e da FIA. Como não podia abrir mão do seguro, James Garner decidiu participar de categorias “menos perigosas”.

A primeira prova off-road que ele disputou foi a Stardust 7-11, corrida criada pela National Off Road Association (NORRA) em um percurso fora-de-estada de 711 milhas (1.144 km) para carros e motos. Garner conduziu um buggy Myers Manx com motor Porsche e gostou da brincadeira, inscrevendo-se para a Baja 1000 Mexico daquele ano – um dos rally raids mais importantes do planeta – com um Ford Bronco. Sua participação foi registrada no documentário The Racing Scene, lançado em 1970.

Não há muitas informações precisas a respeito, mas acredita-se que foi a partir de 1969 que James Garner começou a disputar regularmente edições da Baja 500 e da Baja 1000 com um carro inesperado – não era um buggy, nem uma picape, e muito menos um jipe. Era o Oldsmobile Cutlass.

O primeiro Olds usado por Garner em 1969 era patrocinado pela Goodyear, e por isto ficou conhecido como “Goodyear Grabber”. James Garner procurou o projetista Vic Hickey, especializado em veículos 4×4 para provas fora-de-estrada, para construir um chassi com tração nas quatro rodas sob medida para a carroceria de um Oldsmobile 442. O carro era movido por um V8 General Motors 350 (5,7 litros) todo feito de alumínio que não durou muito tempo, sendo logo substituído por um motor de 410 pol³ (6,7 litros) montado pelo hot rodder Dale Smith, capaz de entregar 500 cv.

O Oldsmobile foi usado por Garner por quatro anos, entre 1969 e 1972, em pelo menos cinco competições – incluindo a Baja 1000 Mexico. James Garner era conhecido por ser um cara bastante acessível, comportando-se como “só mais um dos pilotos” quando estava competindo. Apesar disto, ele era um cara bem conhecido e ajudou a aumentar consideravelmente a popularidade das corridas off-road no período.

Garner trocou de carro em 1973. A diferença é que o novo carro, batizado Banshee, não era exatamente um Oldsmobile, embora seja até hoje chamado assim. Novamente o chassi do carro foi construído por Vic Hickey, mas a carroceria era uma criação de fibra de vidro feita por George Barris – o famoso construtor de carros para a TV e o cinema, incluindo o primeiro Batmóvel – inspirada pelo Cutlass 442. A dianteira era muito parecida, mas o entre-eixos era bem mais curto, e as caixas de roda eram verdadeiros arrombos na carroceria, que era feita sob medida. Não havia portas: era preciso entrar pela janela. E só uma pessoa cabia lá dentro…

… porque o motor ficava absurdamente recuado, praticamente dentro do habitáculo, ocupando o lugar que geralmente é reservado para o navegador nos carros de rali. Era um V8 Oldsmobile 455, também montado por Dale Smith, acoplado a uma transmissão TH400 de três marchas. A peça vermelha em cima do “calombo” é um filtro de ar.

O motivo? Segundo George Barris, o principal benefício era o equilíbrio na distribuição de massas: posicionado próximo ao centro do carro e ao lado do piloto, o motor ajudaria a manter o carro estável ao decolar em uma rampa, por exemplo.

James Garner competiu com o Banshee por pouco tempo: o entre-eixos era curto demais e, por isto, o Olds era quase incontrolável – conta-se que Garner capotou pelo menos cinco vezes com ele apenas na primeira sessão de treinos. Por sorte, a estrutura tubular trazia uma gaiola de proteção integrada, e a carroceria de fibra de vidro era fácil de ser reparada: era só levar o carro de volta a George Barris.

Ainda nos anos 1970, James Garner se viu forçado a abandonar as provas de off-road, também – era impossível dedicar-se ao automobilismo como queria e, ao mesmo tempo, seguir atuando no mesmo ritmo.

Os dois carros sobreviveram. Ambos foram vendidos no fim dos anos 1970. O primeiro, o Goodyear Grabber, passou 34 anos desaparecido e só emergiu em 2008, quando um entusiasta americano chamado Ron Johnson topou com um Olds off-road anunciado no site de classificados Hemmings. Ele só se deu conta de que aquele era o carro de Garner depois que o veículo chegou em sua oficina – e, imediatamente, deu início a um processo de restauração.

Já o Banshee foi comprado por um homem chamado Ray Swift, que era piloto de rali e disputou provas com o Olds por décadas. Hoje o Banshee está sob os cuidados de seu filho e também foi totalmente restaurado há alguns anos, com direito à troca do motor original por um V8 LS3 moderno, com injeção eletrônica. O carro participa de eventos históricos e, recentemente, apareceu no programa de Jay Leno no Youtube.

Matérias relacionadas

Alfa Romeo Diva: o elo perdido entre o 33 Stradale e o 4C

Dalmo Hernandes

Lotus Cortina: quando Colin Chapman transformou um Ford barato em um monstro

Dalmo Hernandes

Como o Countach salvou a Lamborghini com uma asa em V e para-lamas alargados

Leonardo Contesini