A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Opel GT: este raro clássico alemão está à venda no Brasil

Alguns clássicos das décadas de 1960 e 1970 são relativamente comuns no Brasil, em especial os carros norte-americanos – os muscle cars, que tem apelo universal e duradouro entre os entusiastas (e até os que não são entusiastas). Mas existe uma boa variedade de esportivos bacanas, de todos os tamanhos e origens, feitos naquela época. Carros como o Opel GT, clássico alemão baseado no Opel Kadett – ele é menor, tem um motor de quatro-cilindros e parece um mini-Corvette C3. E é bem raro no Brasil.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O Opel GT surgiu em 1965 como um exercício de design — o Opel Experimental GT, apresentado no Salão de Frankfurt de 1965. Três anos depois, o modelo de chegava às ruas com visual bem semelhante ao do conceito, porém com proporções e linhas um pouco mais conservadoras.

A base do Opel GT é o Kadett B, segunda geração do modelo, lançada na década de 60 — o que significa que o GT tem motor dianteiro de quatro cilindros e tração traseira. O motor que vinha de série tinha 1,1 litro e entregava 67 cv a 6.000 rpm, mas quase ninguém comprava o carro com este motor, preferindo o 1.9 opcional que entregava 102 cv a 5.200 rpm. Este motor fazia parte da família CiH (Cam-in-Head, ou “comando no cabeçote” em inglês), que permaneceu em linha entre 1965 e 1998 – à qual tambem pertencia o motor 3.0 do Omega na época do lançamento).

Nos EUA, ele só tinha este motor — porém com taxa de compressão reduzida e 90 cv. A partir de 1970, quase 90% da produção do Opel GT ia para os EUA. Americano ou europeu, porém, o Opel GT tem ótima dirigibilidade e, pesando apenas 845 kg, também é um carro bastante ágil e divertido de guiar. Suas características de condução e o estilo o renderam o apelido de poor man’s Corvette nos EUA.

O Opel GT tinha algumas características curiosas, como os faróis escamoteáveis: em vez de abrir para cima, como se via no próprio Corvette, por exemplo, eles giravam sobre seu próprio eixo longitudinal, ambos para o mesmo lado. Além disso, ele não tinha uma tampa traseira para o porta-malas – o compartimento de carga só era acessível de dentro do carro. A suspensão usava braços superiores triangulares e uma mola semi-elíptica transversal na dianteira (outra semelhança com o Corvette) e eixo rígido com barra Panhard na traseira (igual à do Opel Kadett e, por extensão, à do nosso Chevette).

O exemplar anunciado no GT40 é um Opel GT 1970 europeu, como nota-se pelos piscas com lentes brancas. De acordo com o anunciante, João Siciliano, o cupê só teve um dono e está completamente original – pintura, tapeçaria e acabamentos internos e externos, para-choques e rodas. Ele diz que todos os equipamentos do carro funcionam perfeitamente, incluindo os curiosos faróis escamoteáveis. O motor é o 1.9, e a mecânica também está em ordem (mas, como dizemos sempre, nunca é má ideia revisar um carro antigo depois da compra).

Existem pouquíssimos exemplares do Opel GT no Brasil, o que de certo modo justifica o valor pedido – o mesmo que custam alguns muscle cars americanos da época no Brasil. O Opel GT, porém, é um carro de nicho mais específico – um esportivo europeu à moda antiga, feito para quem buscava um carro compacto, econômico e divertido nas curvas.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos do vendedor.


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Entenda a evolução e o atual sistema de nomes da Mercedes-Benz (e AMG)

Leonardo Contesini

Porsche 935: quando o 911 venceu as 24 Horas de Le Mans

Dalmo Hernandes

Dez carros de rua que usam motores desenvolvidos para corridas

Leonardo Contesini