A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Os carros mais vendidos em junho, Dodge Durango ganha versão Hellcat de 720 cv, Audi e-Tron ganha versão esportiva e mais!

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Os carros mais vendidos em junho de 2020

Vejam só como uma crise pode virar as coisas de cabeça para baixo: o ranking dos carros mais vendidos em junho tem nada menos que três crossovers entre os cinco primeiros colocados. Sim: dos cinco carros mais vendidos em junho, três são crossovers.

A ponta da tabela não mudou: o Chevrolet Onix continua lá, intocado, mas desta vez o segundo colocado, o Hyundai HB20, ficou perigosamente próximo do rival. Foram vendidas 6.234 unidades do Chevrolet e 5.792 unidades do Hyundai — uma diferença de apenas 442 unidades.

O resultado pode ter sido influenciado pelos reajustes da GM anunciados em maio aparentemente foi influenciado pelos reajustes da GM, que elevaram o preço do Onix de entrada (Joy) de R$ 50.150 para R$ 52.150, tornando o renovado HB20 mais interessante, uma vez que ele tem duas versões posicionadas abaixo do valor do Joy.

Para piorar a situação do Onix, a GM anunciou mais um reajuste que levará o preço do Joy para R$ 55.000, o que o colocará muito próximo do HB20 com motor 1.6. Considerando a situação do Ford Ka, que despencou mais uma vez e agora é apenas o nono modelo mais vendido no Brasil, podemos ver uma virada da Hyundai a partir deste mês.

 

Depois dos intocáveis Onix e HB20, tivemos os três crossovers mencionados anteriormente: eles foram o T-Cross, o Renegade e o Tracker. Os três acabaram embolados nesse final do Top 5: o T-Cross se saiu melhor com 5.463 unidades — por pouco não encostou no HB20 —, enquanto Renegade vendeu 4.092 unidades e o Tracker 4.075 unidades. Surpresa mesmo é ver como o Renegade, mesmo sem motor turbo e sem grandes novidades desde o facelift, ainda é desejado pelo público. Aqui vale observar que são três modelos impulsionados fortemente pelo segmento PCD, que chega a corresponder a quase metade do volume de vendas. Mesmo assim, são reflexos da instabilidade desta pandemia.

Outro carro que se manteve estável nas vendas foi o Volkswagen Gol, que vendeu 3.908 unidades e ficou em sexto lugar, pouca coisa a mais que a picape Fiat Strada, que teve 3.830 unidades vendidas em junho. A picape, aliás, acaba de ganhar a nova geração mas manterá a geração anterior em produção, o que deve ajudar a engrossar o volume de vendas. Não se surpreenda se, de repente, ela subir para o top 5.

O oitavo mais vendido em junho foi o Renault Kwid, que caiu da quarta posição mesmo vendendo quase o dobro do mês anterior. Atrás dele está o Ford Ka, que caiu da sexta para a nona posição com 3.404 unidades. Fechando o top 10, está o Hyundai Creta, com 3.277 unidades vendidas. (Leo Contesini)

 

Dodge Durango também ganha motor Hellcat e se torna o SUV mais potente do mundo

Ainda bem que temos a Dodge para tomar decisões pouco racionais neste mercado cada vez mais asséptico dos carros modernos. Depois de colocar o motor mais politicamente incorreto da história em um sedã familiar e em um Jeep Grand Cherokee, agora chegou a vez da Dodge Durango ganhar o V8 Hellcat — e se tornar o SUV mais potente do mundo no processo.

Apesar de ser o mesmo motor usado no Grand Cherokee Trackhawk, no Dodge Durango o pessoal da SRT foi mais generoso, e deu a ele 3 cv a mais que o primo da Jeep. Com isso, o Durango passa a contar com 720 cv para levar seus sete passageiros. Parece um ótimo investimento de longo prazo: você vende carros de 720 cv para pais de família, as crianças aprendem a ir para a escola em carros de 720 cv que vão de zero a 100 km/h em 3,5 segundos e chegam aos 290 km/h e, quando crescerem, podem até querer um SUV, mas ao menos será um SUV de 720 cv.

Além do motor o Durango SRT Hellcat (esse é seu nome completo) também ganhou o pacote de maldades da SRT: discos de freio de 401 mm na dianteira e 350 mm na traseira, beliscados, mordidos e alicatados por pinças Brembo de seis pistões na dianteira e dois pistões na traseira. Vindo a 100 km/h o Durango SRT Hellcat precisa de apenas 35 metros para frear completamente. Acho que nem uma parede poderia frear o carro mais rapidamente.

Os pneus, claro, têm desempenho igualmente superlativo: Pirelli Scorpion Zero, calçados em rodas de 20 polegadas de diâmetro e 10 polegadas de largura. Sim: tala 10. Nas quatro rodas. Porque o Durango tem tração em todas elas.

Até mesmo a aerodinâmica ganhou um pouco da atenção da SRT. Apesar de ser um grande bloco de metal, vidro, couro e borracha, o Durango usa o vento a seu favor para reduzir a sustentação na dianteira com um splitter embutido nas tomadas dianteiras, onde normalmente ficariam os faróis de neblina (é… ele não tem, mas você não vai reclamar, vai?), e há um spoiler traseiro capaz de produzir 180 kg de downforce a 290 km/h. Só para evitar aquela balançada na traseira.

Infelizmente ele não tem a menor chance de ser vendido por aqui — a Dodge, aliás, vende apenas o Journey (lembra dele?) no Brasil. Mas isso não significa que ninguém irá trazê-lo de forma independente. Quem fizer isso, por favor escreva para [email protected] (Leo Contesini)

 

Audi abre pré-venda para RS6 Avant, RS7, RSQ3 e RSQ8 no Brasil

Conforme anunciado no final de junho, a Audi dá início à pré-venda dos novos RS6, RS7, RSQ8 e RSQ3 no Brasil. Todos eles já podem ser configurados no site da Audi, mas ainda vão levar um tempo para serem entregues.

As entregas do RS6, do RS7 e do RSQ8 começam no último trimestre de 2020, enquanto o RSQ3 – tanto a versão normal quanto o Sportback – chegam no início de 2021.

Relembrando: a perua RS6 Avant, o cupê de quatro portas RS7 Sportback e o SUV RSQ8 utilizam todos o mesmo motor – o V8 biturbo TFSI de quatro litros com 600 cv e 81,6 kgfm de torque, ligado a um câmbio automático de oito marchas.

Dos carros com motor V8, a RS6 Avant é o mais “barato”: RS 793.990. O RS7 Sportback sai por R$ 839.990, e o RSQ8 custa R$ 902.990.

Já o Audi RSQ3 é movido por um cinco-cilindros turbo de 2,5 litros, com 400 cv e 48,9 kgfm de torque, mais câmbio de dupla embreagem e sete marchas. Ambas as versões levam 4,5 segundos para ir de zero a 100 km/h. O RSQ3 tracidional custa R$ 435.990 e o RSQ3 Sportback sai por R$ 465.990. (Dalmo Hernandes)

 

Audi e-tron ganha versão esportiva S

Apostando nos carros elétricos – como quase toda fabricante está fazendo, na verdade – a Audi também anuncia novidades na Europa. Mais precisamente, a versão esportiva S do SUV e-tron.

Oferecido nas variantes normal e Sportback, o e-tron S aposta em um motor elétrico extra no eixo traseiro. Ou seja, ele tem três motores. Com isto, entrega 503 cv – quase 100 cv a mais que o e-tron “de entrada” – e 99,2 kgfm de torque, que se mostram suficientes para ir de zero a 100 km/h em 4,5 segundos e continuar acelerando até os 209 km/h. É quase 1 segundo mais rápido que o e-tron não-S, e 10 km/h mais veloz.

Em um esforço para mostrar que seus elétricos terão a mesma pegada esportiva que os carros com motor a combustão interna, a Audi deu ao e-tron S novas molduras nos para-lamas, que aumentam a largura total do SUV em 50 mm, uma nova grade e um difusor mais avantajado na traseira.

Tanto o e-tron S quanto o e-tron S Sportback são alimentados por baterias de 95 kWh, suficientes para atingir autonomia de aproximadamente 360 km. (Dalmo Hernandes)

 

Mitsubishi Outlander Sport é lançado no Brasil por R$ 120.000

A Mitsubishi apresentou ontem (2) o novo Outlander Sport no mercado brasileiro. O SUV já está à venda, custando a partir de R$ 119.990. Mas tem um detalhe: o Outlander Sport não é exatamente uma novidade no Brasil.

Isto porque, em outros mercados, o Outlander Sport é nada menos que o veterano Mitsubishi ASX reestilizado, incorporando a identidade que a fabricante inaugurou com o Eclipse Cross. Contudo, o ASX antigo – aquele com a dianteira inspirada pelo Lancer Evolution – segue como opção de entrada da Mitsubishi, custando R$ 112.990 na versão única GLS.

Ambos usam o mesmo motor 2.0 de 170 cv e 23 kgfm, e o mesmo câmbio CVT que simula seis marchas. Mas é verdade que o Outlander Sport possui um design bem mais atual, e também traz molduras nos para-lamas e suspensão aparentemente mais alta. O ASX tem uma pegada mais parecida com a de um hatchback alto, com vocação urbana.

O Outlander Sport custa R$ 119.990 na versão GLS 2WD, equipada com DRLs em LED, aletas para “trocas de marcha”, cruise control, controles eletrônicos de estabilidade e tração, assistente de frenagem de emergência, central multimídia com tela de sete polegadas, câmera de ré e volante multifuncional. As versão HPE 2WD, que custa R$ 132.990, acrescenta bancos dianteiros com aquecimento, banco do motorista com regulagem elétrica, partida sem chave, central multimídia com tela de 9 polegadas, sete airbags e rodas diamantadas. Já o HPE AWD custa R$ 138.990 e traz o mesmos itens, mais sistema de tração nas quatro rodas. (Dalmo Hernandes)

 

 

 

 

 

Matérias relacionadas

Estes são alguns dos Volkswagen mais legais anunciados no GT40

Dalmo Hernandes

Você sabe os nomes corretos destas rodas da Volkswagen?

Dalmo Hernandes

Um documentário sobre Emerson Fittipaldi, Porsche lança 911 e Boxster Black Edition, um Bugatti esquecido por 40 anos e mais!

Leonardo Contesini