A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Games Top Zero a 300

Os games de corrida mais legais da era 32-64 bits – parte final

Bem-vindos a mais uma trip de nostalgia do FlatOut. Há alguns dias, inspirados pelo clássico Gran Turismo 2, perguntamos a vocês quais eram os melhores games de corrida da era 3D – a sexta geração de consoles domésticos, com sistemas de 32 bits e 64 bits. Ou seja, basicamente o Sony PlayStation, o Nintendo 64 e o Sega Saturn.

Há uma penca de jogos de carro excelentes lançados nesta época, que compreendeu a segunda metade da década de 1990 e os primeiros anos da década de 2000. Por isto, nada mais justo que haver uma terceira parte da lista com as sugestões de vocês. As duas primeiras partes você pode conferir aqui e aqui!

 

Mario Kart 64, 1996

Sugerido por: Filipe

Com o lançamento do Nintendo 64, finalmente Mario e seus amigos entraram no mundo tridimensional, começando por Super Mario 64, um dos melhores games de plataforma do console, e um sucessor mais que digno para Super Mario World. Em Mario Kart 64, porém, os cenários eram 3D (coloridos e bem modelados, por sinal, pois o N64 tinha capacidade gráfica superior), mas os personagens eram sprites pré-renderizados em três dimensões, convertidos para 2D. Isto permitia que os bonecos e carros do jogo fossem melhor detalhados e definidos, embora fizesse de Mario Kart 64 um game parcialmente tridimensional. De qualquer forma, os gráficos 3D permitiam que os circuitos fossem muito mais diversificados e desafiadores, com muros, ladeiras, depressões e abismos.

 

Pergunta: isso importa? Resposta: não! Mario Kart 64 era absurdamente divertido, trazendo tudo o que havia feito de Super Mario Kart um sucesso, com visual melhor, mais pistas, mais modos de jogo e, talvez mais importante, a possibilidade de jogar entre quatro amigos. Os personagens jogáveis ainda eram oito, os power ups ainda estavam lá, mas agora a treta era maior. Como não amar?

 

Driver, 1999

Sugerido por: Away

Lançado em 1999, Driver causou uma revolução nos games de perseguição policial. O jogo da Infogrames te colocava ao volante de um carro em uma cidade (Miami, Los Angeles, San Francisco e New York), que você podia explorar livremente, só cumprindo as missões dadas ao policial John Tanner se realmente quisesse. A música, os carros e toda a atmosfera do jogo remetiam aos filmes de perseguição da década de 1970, e era preciso habilidade para perseguir bandidos, entregar pacotes e deter outros carros sem perder o seu próprio. E, como você estava agindo à paisana, ser preso era uma possibilidade real.

Driver 2, lançado já no ano seguinte, trouxe um recurso importante, que mudaria por completo o modo como se encararia os games de carro de mundo aberto: você podia sair do carro e explorar as ruas a pé, roubando outro carro caso fosse necessário – e não havia carregamento entre uma ação e outra, o que era impressionante para a época. Era a primeira vez que isto acontecia em um game tridimensional. Aconteceu, inclusive, antes de GTA.

 

Grand Theft Auto, 1997

Sugerido por: ThePulsides

O primeiro Grand Theft Auto é um clássico, mas definitivamente não se parece com os títulos atuais da fraquia. Dito isto, o game de perseguição para PlayStation era um dos mais criativos de seu tempo pois, apesar de aparentemente limitado pela visão aérea (que era um charme a mais, para muita gente), trazia uma boa história, controles de fácil assimilação e uma bela trilha sonora.

Por mais que a história do game não tivesse a ver com os que vieram depois, locações como Liberty City, Vice City e San Andreas já estavam presentes, bem como a possibilidade de ir para qualquer lugar do cenário e de sair do carro (em 2D, claro). Além disso, a sonoplastia trazia efeitos sonoros muito realistas e convincentes para a época, uma boa dublagem (com direito a palavrões) e personagens carismáticos, mesmo de tão longe. Era o primeiro passo na saga de games que se tornou uma das maiores do planeta.

 

Wipeout, 1995

Sugerido por: Renzo Bruno Tyson

Era 1995, 22 anos atrás. O PlayStation havia acabado de ser lançado, e a Sony apostava todas as suas fichas no console que lia CD-Roms em vez de cartuchos. Foi, também, o ano em que WipEout foi lançado. Assim mesmo, com o E maiúsculo.

Um dos grande sucessos do Super Nintendo foi F-Zero, game de corrida de naves em um mundo futurista que era um dos cartões de visita do console de 16 bits. A Sony precisava de algo à altura, mas queria mostrar uma abordagem diferente, mais adulta. Assim, os cenários e veículos eram mais plausíveis (até onde naves de corrida que flutuam, passam dos 300 km/h e atiram lasers contra outras naves de corrida podem ser), e a trilha sonora era composta por artistas importantes na cena da música eletrônica, como The Chemical Brothers, The Prodigy e Leftfield. Mesmo a identidade visual do jogo foi levada bastante a sério, sendo toda desenvolvida pelo renomado estúdio de design britânico The Designers Republic, que também ficou responsável por toda a campanha publicitária de WipEout.

WipEout foi um dos títulos de lançamento para o PlayStation. O game e sua sequência, WipEout 2097, de 1996, são frequentemente citados em listas do tipo “best of” para o console da Sony.

 

Need for Speed: Porsche Unleashed, 2000

Sugerido por: GermanioBR

Quinto game da saga Need for SpeedPorsche Unleashed foi o primeiro e único título monomarca da franquia seu modo de jogo principal, Tournament consistia em correr com modelos da Porsche fabricados desde 1950, em ordem cronológica, para liberá-los e avançar. Ao completar o game, você tinha liberado diversos modelos emblemáticos da Porsche nas ruas e nas pistas, como o 917K de Le Mans, o 550 Spyder, o 911 Turbo e o supercarro 959. No total, eram 70 carros diferentes, considerando todas as versões – variedade que reflete a oferta de diferentes versões dos modelos da Porsche no mundo real.

A versão para Windows era bem diferente, com outras pistas e utilizava uma engine mais avançada

Interessante também era o modo Factory Driver, que te punha na pele de um piloto de testes da Porsche e te fazia cumprir desafios como manobras em 360º, pistas de obstáculos, slalom e hot laps. Os circuitos eram sempre baseados em locações reais da Europa, em vias públicas ou fechados. NFS Porsche foi o primeiro game da colocou uma ênfase maior na simulação, e também o responsável pelo monopólio dos carros da Porsche por parte da Electronic Arts, que só acabou há alguns meses, com o fim do contrato entre as duas empresas.

 

 

 

Side by Side Special 2000, 1999

Sugerido por: Dalmo Hernandes

Esta sugestão pessoal do FlatOut é uma verdadeira pérola escondida. No ocidente, a série Side by Side é mais conhecida como Battle Gear, mas só está disponível em inglês a partir dos jogos para PlayStation 2O game para o primeiro PlayStation só foi lançado em japonês, o que é uma pena – ele poderia ser mais conhecido.

Totalmente nipônico, Side by Side Special é um arcade baseado nas touges japonesas, as estradas nas montanhas onde, há décadas, acontecem competições ilegais de drift. E a física é surpreendente para a época, com derrapagens controladas até que convincentes e uma curva de aprendizado amigável para iniciantes, porém a opção de aumentar dramaticamente a dificuldade para os mais experientes. A seleção de carros, embora pequena, é impecável: Mazda RX-7 FD, Nissan Skyline GT-R R33 e Silvia, Toyota Supra e Celica, Honda NSX, Mitsubishi Lancer Evolution e Subaru Impreza.

Sendo um clássico arcade japonês dos anos 1990, Side by Side Special 2000 une bons gráficos tridimensionais e coloridos com uma interface totalmente datada, com menus chamativos e poluídos, letras grandes e cheias de efeitos o tempo todo na tela e músicas simples, com instrumentos sintetizados que não fazem questão de esconder que são sintetizados. É uma verdadeira viagem no tempo, e vale a pena experimentar.

Matérias relacionadas

Renault Sandero RS flagrado no Brasil, Pato Donald multa carros nos EUA, Canyonero de Simpsons ganha versão híbrida e mais!

Leonardo Contesini

A história das motos BMW, parte 2: a quase falência, a recuperação e a volta como uma das maiores do mundo

Dalmo Hernandes

Por que o vencedor das 500 Milhas de Indianapolis bebe leite e não champanhe?

Leonardo Contesini