A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Os melhores hot hatches do universo: Renault 5 Turbo

Como já dissemos, a França parece ter um carinho especial por hot hatches e não faltam exemplos disso. Desde que começamos a falar sobre os melhores hot hatches do universo, criações francesas apareceram duas vezes: o Peugeot 205 GTI e o Renault Clio Williams e V6. Agora é a vez de outro Renault: o R5 Turbo, contemporâneo do 205 GTI e ancestral do Clio V6.

O Renault 5 Turbo é um daqueles carros que nos fazem apreciar ainda mais a engenharia envolvida no projeto de um carro, pois para criá-lo a Renault basicamente pegou um ótimo carro popular, o virou do avesso e o transformou em um ótimo esportivo sem tirar sua identidade. E mais: pelo bem de seus esforços no automobilismo.

renault_5_maxi_turbo_8

O Renault 5 Turbo nasceu para que a Renault tivesse um carro competitivo no WRC — motivada, mais especificamente, pelo sucesso da Lancia e da Fiat na década de 70. Era quase uma questão de honra, visto que o primeiro título do WRC, concedido em 1973, foi justamente para a Alpine-Renault com seu A110.

Na virada da década de 80, quando o rali ainda não era dominado pelos carros de tração integral — isso só veio a acontecer em 1982, com o início do reinado do Audi Quattro no Grupo B —, a receita era motor central-traseiro e tração traseira, e o carro de rali da Renault não poderia ser diferente. Mas em vez de criar um projeto totalmente novo, a fabricante francesa decidiu fazer como quase todo mundo na época: pegar um dos carros de rua e transformá-lo em um bólido de competição.

O carro escolhido foi o pequeno Renault 5. O hatch havia sido lançado em 1972 com a missão de substituir tanto o Renault 4 quanto o Renault 8, os dois menores e mais baratos veículos da linha que ainda eram sucesso de vendas, mas já sentiam o peso dos dez anos de idade nas costas (o R4 acabou sendo produzido até 1992 como alternativa ainda mais barata ao R5).

r5t (11)

Desde o início o R5 havia se mostrado um carro versátil — ainda que, na contramão das tendências mais modernas da época, usasse motor longitudinal, ele tinha todas as características de um bom popular: era surpreendentemente espaçoso para seu tamanho, tinha motores econômicos de 0,7 a 1,1 litro e sua suspensão com barras de torção dava a ele um rodar confortável pelas irregulares vias francesas. O design minimalista e funcional também colaborou para sua boa aceitação, e em pouco tempo passou a ser considerado até chic.

A Renault tratou logo de dar ao R5 uma versão mais apimentada. O primeiro hot hatch nascido dele foi o Renault 5 Alpine, lançado em 1976. Modificado pela empresa de mesmo nome (que também construía seus próprios carros), ele tinha suspensão mais firme e baixa e transmissão manual de cinco velocidades. O motor era uma versão modificada do quatro-cilindros Sierra da Renault.

r5t (13)

Com 1,4 litro, comando no bloco, um novo cabeçote do tipo crossflow e câmaras de combustão hemisféricas, o motor de 1,4 litro era capaz de entregar 93 cv — o dobro da potência do motor mais potente da linha R5 —, o suficiente para ir de 0 a 100 km/h em 9,7 segundos com máxima de 168 km/h. Suas modificações estéticas incluíam rodas de liga leve e faróis auxiliares, e muitos o consideram o primeiro hot hatch da história — vindo antes mesmo do Golf GTI. A afirmação é controversa mas, se não foi o hot hatch original, o Renault 5 Alpine se tornou a base para um dos mais legais que já existiram.

Foi naquele mesmo 1976 que Marc Deschamps, designer do estúdio Bertone, deu ao vice-presidente da Renault Jean Terramorsi a ideia de fazer um Renault 5 com motor central-traseiro inspirado no Lancia Stratos. Terramorsi adorou a ideia e a aprovou imediatamente, porque aparentemente era assim que as coisas funcionavam na França. Bom para o mundo que, dois anos depois, ganhou o Renault 5 Turbo.

Quer dizer, quase — o carro foi anunciado no Salão de Paris daquele ano, mas levou ainda dois anos para que o carro ganhasse as ruas em julho de 1980.

r5t (14)

 

O protótipo apresentado no Salão de Paris de 1978

Por fora, o Renault 5 Turbo partia da carroceria de um R5 normal, porém com para-lamas bem mais largos para acomodar a bitola traseira ampliada em 25 cm e as entradas de ar para o motor, que passou a ocupar o lugar do banco traseiro. As modificações foram desenhadas por Marcello Gandini, famoso por projetar o Lamborghini Countach.

A ideia inicial era usar um chassi tubular e um motor V6, mas os recursos financeiros não eram suficientes para tanto e a Renault optou pelo 1.4 do Renault 5 Alpine. Equipado com um turbocompressor Garrett T3 operando a 0,9 bar e um intercooler em um dos para-lamas traseiros, o motor agora entregava 160 cv a 6.000 rpm. No carro de rali, a potência ultrapassava os 300 cv.

r5t (7)

Tão importante quanto o motor turbo eram as modificações na suspensão que, na traseira, era totalmente nova e usava molas helicoidais e braços sobrepostos do tipo duplo-A — algo necessário pelo novo posicionamento do motor e da transmissão, que impedia o uso das barras de torção e, de quebra, tornava o comportamento dinâmico do carro bem mais afiado. O espaço no compartimento traseiro era bem apertado, e o tanque de combustível foi deslocado para a porção central do carro. O interior era exclusivo, com um painel mais refinado e melhor acabado, além de usar cores vivas nas forrações, como azul e vermelho.

r5t (9)

Faltou só umas linhas amarelas para ficar mais anos 80…

Contudo, o Renault 5 não era um carro perfeito: mesmo com painéis de alumínio na carroceria, ele ainda pesava 970 kg — em 2014 ele seria um peso-pena, mas em 1980 ele estava 170 kg acima da média. Para melhorar a distribuição deste peso, a Renault optou por manter o estepe, a bateria e o radiador na dianteira, o que garantiu uma divisão de 40/60. A aerodinâmica também não era das melhores — seu coeficiente aerodinâmico (Cx) era elevado 0,44.

O desempenho, por outro lado, era digno de muitos elogios. Em agosto de 1981, a revista Car and Driver chegou aos 100 km/h em sete segundos, com máxima de 203 km/h, enquanto publicações europeias conseguiam números ainda melhores com a versão equipada com kit RenaultSport, de 180 cv — a média era de 6,5 segundos, algo impressionante para um carro lançado há mais de três décadas.

r5t (6)

Seu maior trunfo, porém, era o comportamento dinâmico: sua suspensão firme e os pneus mais largos, além do entre-eixos curto e da distribuição de peso, tudo somado à entrega repentina de potência do turbo, faziam do Renault 5 Turbo uma máquina arisca, que perdia a traseira e rodava com facilidade caso fosse subestimado — mas sob o comando da pessoa certa, ele era simplesmente sublime.

Em 1982, depois de vender mais de 1.800 unidades do R5 Turbo, a Renault apresentou uma versão atualizada de seu hot hatch de motor central. O chamado Turbo 2 tinha o mesmo motor 1.4 turbo de 160 cv, mas a Renault quis torná-lo mais barato dispensando o uso de alumínio na carroceria e utilizando o painel do Renault 5 Alpine — que, naquele ano, também ganhou um caracol no motor (que continuava na dianteira) e passou a entregar 110 cv.

r5t (2) r5t (8)

Ao longo de quatro anos, o Renault 5 Turbo 2 vendeu cerca de 3.100 unidades até 1986 quando, junto do Alpine Turbo, deixou de ser fabricado.

Sua história nas pistas foi mais curta: embora tenha acumulado algumas vitórias importantes nas pistas — incluindo o Rally de Montecarlo em 1981 —, a chegada dos bólidos de tração integral tornou o R5 Turbo obsoleto antes do tempo. A vitória de sua derradeira versão de corrida — o Renault 5 Maxi Turbo, com motor 1.5 de 350 cv — na Tour de Corse de 1985 foi o canto do cisne.

Renault 5 Maxi Turbo, Tour de Corse, 1986

Nada disto, porém, apaga o brilho do carro de rua — pelo contrário, o pedigree de competição do Renault 5 Turbo e inegável, e ele é tão importante para a história da Renault que a companhia lançou um “sucessor espiritual” anos depois: o Renault Clio V6 (leia tudo sobre ele aqui!). São motivos mais do que suficientes para que ele seja, para nós, um dos melhores hot hatches do universo.

 

Matérias relacionadas

Os melhores hot hatches do universo: Ford Festiva SHOgun

Dalmo Hernandes

Os incríveis (e meio perturbadores) carros elásticos de Chris Labrooy

Dalmo Hernandes

Um dos lendários Castrol Tom’s Supra GT foi encontrado (e vai ser restaurado!)

Dalmo Hernandes