A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Top

Os melhores programas de TV sobre carros que não são Top Gear

Neste último fim de semana perguntamos aos leitores qual é o melhor programa de TV sobre carros que não é Top Gear — já que, neste exato momento, Top Gear não existe mais da forma que conhecemos (ao menos por enquanto). Depois de quase 500 comentários, aqui estão as respostas.

Como havíamos dito, o formato de Top Gear elaborado por Jeremy Clarkson e Andy Wilman em 2002 mudou a forma de mostrar os carros ao público da televisão. Sim, nós sabemos que Top Gear é de 1977 e foi transmitido ininterruptamente até 2001, mas até então ele era um programa de carros comum, com avaliações comuns, matérias bastante factuais sobre eventos e culturas automotivas e nada muito além disso. Quando o programa acabou, dois de seus apresentadores — Wilman e Clarkson — decidiram criar um novo formato e o resto da história todos conhecemos.

Mas foi a partir de 2005 que Top Gear despontou para o sucesso mundial e atingiu uma audiência que, nem mesmo os 24 anos do programa somados poderiam superar. Foi quando surgiu o YouTube, o serviço de streaming de vídeo que se tornou tão popular e habitual que está presente em praticamente tudo que tem uma tela. No começo, os vídeos eram limitados a 10 minutos de duração e, coincidentemente, era esta a duração dos quadros e blocos de Top Gear. Como resultado o programa começou a se popularizar na internet, depois nos sites de torrents, canais de TV por assinatura e, finalmente, no Netflix.

Essa popularização de Top Gear impulsionada pela internet, curiosamente, marca uma característica que também percebemos na hora da seleção dos nomes mais citados: houve muitos votos em programas de internet, quase tantos quanto nos programas produzidos para TV. Isso mostra que cada vez mais o público não vê distinção entre TV convencional e internet: se há som e imagem em movimento então é TV, ainda que seja no computador ou no iPhone.

Como não somos um site de cinquentões e nem fazemos piadas com pavê, também incluímos na lista os programas de internet que usam uma abordagem, edição e narrativa mais próximas dos programas produzidos para a TV. Também por isso alguns canais votados pelos leitores ficaram fora da lista: além de já termos uma seleção com os melhores canais do YouTube (clique no link para ler), muitos deles usam uma linguagem de vídeo própria para a internet — gravações curtas e resumidas, edição básica com poucas locações e cenários ou um tema único e abordagem leve.

Dito isso, aqui estão os melhores programas de TV que não são Top Gear escolhidos por vocês:

 

Wheelers Dealers / Joias Sobre Rodas

Este programa britânico produzido exclusivamente para o Discovery Channel foi criado em 2003 por Daniel Allum e Michael Wood, criadores da produtora Attaboy TV e gearheads de longa data. Sim: ele é tão antigo quanto Top Gear e feito por gente que entende do assunto, incluindo os apresentadores Mike Brewer e Edd China, um ex-vendedor de carros e um inventor-mecânico malucão.

Durante a hora de duração do programa, Mike usa suas habilidades de comerciante para procurar, negociar e comprar algum carro que se encaixe no seu orçamento e tenha bom valor de mercado e demanda. Como o orçamento é sempre limitado, os carros sempre precisam ser reparados antes de serem postos à venda. O responsável pelos reparos é o mecânico Edd China, que mostra os reparos em detalhes e sempre de forma muito didática — você sempre acaba aprendendo algo novo sobre mecânica ou algum tipo de carro — apesar de alguns erros de tradução na dublagem. Com o carro consertado, Mike o anuncia e tenta vendê-lo pelo preço de mercado.

No Brasil esse tipo de negócio não é muito comum, afinal os carros usados são caros e as peças de reposição para modelos fora de linha não são exatamente fáceis de se encontrar, mas na Europa e EUA é muito comum fazer dinheiro comprando um carro usado com problemas, repará-lo por conta própria e revendê-lo por um preço mais elevado. Como os carros de Wheelers Dealers sempre têm um toque especial, fica fácil se manter grudado na tela por várias horas.

 

Fifth Gear / Quinta Marcha

Com o fim de Top Gear em 2001, Clarkson e Wilman foram para um lado (e mais tarde juntaram-se a James May, outro apresentador do antigo programa), enquanto Tiff Needell e Vicky Butler-Henderson, Adrian Simpson e Quentin Wilson juntaram-se para criar Fifth Gear, o outro grande programa de carros dos últimos 15 anos e o programa mais parecido com Top Gear.

Na verdade, há quem prefira Fifth Gear a Top Gear por ser tão crítico e técnico quanto o trio da BBC, porém sem palhaçadas e preconceitos e a grande boca de Jeremy Clarkson. Todos os apresentadores têm uma técnica de pilotagem acima da média — com destaque para Tiff Needell, que foi piloto profissional com direito a um terceiro lugar nas 24 Horas de Le Mans de 1990, e Jason Plato, bicampeão britânico de turismo (BTCC) — e também aquela precisão britânica para descrever as qualidades e defeitos de um carro.

Além disso, eles também produziram quadros com um toque de irreverência e diversão como os “rivais” do Top Gear. Considerando a limitação de orçamento de um canal de TV privado (o Channel 5, por isso Fifth Gear, e não Sixth ou Seventh), dá para dizer que Fifth Gear é o que Top Gear seria sem os rios de dinheiro da BBC. E isso é um elogio.

 

Fast n’ Loud / Dupla do Barulho

Em Fast n’ Loud os reality shows encontram os carros. O programa mostra o dia-a-dia da Gas Monkey, uma oficina de restauração e preparação que compra, restaura/prepara e revende carros antigos ou raridades. Os protagonistas do programa são Richard Rawlings, o proprietário da loja e negociante, e Aaron Kaufman, seu mecânico, braço direito e responsável pelo andamento dos projetos.

O atrativo do programa, claro, são as raridades que aparecem e como Richard encontra uma forma de ganhar uma grana com eles. Alguns negócios são verdadeiramente impressionantes, como a Ford F-100 Ranger que entrou praticamente de graça, precisou de US$ 75 em reparos e foi vendida por US$ 16.000, ou a raríssima dupla de protótipos do Pontiac Firebird que Richard encontrou abandonados em um celeiro.

 

Counting Cars / Louco por Carros

Outro reality show que faz sucesso entre nossos leitores é “Louco por Carros”, uma série ambientada na Count’s Kustoms, uma oficina de Las Vegas especializada em restauração e personalização de carros. A série é derivada de Pawn Stars / Trato Feito, e mostra o dia-a-dia da oficina que compra e restaura carros clássicos e raros para revender.

Sim: é a mesma descrição de “Dupla do Barulho” e, de fato, os programas são parecidos em sua essência, mas como todo reality show, os personagens e o universo local fazem toda a diferença. Enquanto a Gas Monkey fica no Texas e topa com todo tipo de carro, a Count’s Kustoms tem uma pegada mais hot hodder e biker — algo reforçado pelo visual de metaleiro cinquentão — embora volta e meia depare com alguns projetos de outros estilos, como o Mercedes 450SL de Bob Marley.

Outra diferença é que nem todo carro que passa pela Count’s Kustoms é comprado por Danny — muitos deles são apenas projetos de restauração que voltam para o proprietário.

 

Graveyard Carz / Cemitério de Carros

O último reality show da lista mostra o trabalho da Welby’s Car Care, a oficina de restauração de Mark Worman, o protagonista do programa. A diferença de Graveyard Carz é que, como sugere seu nome, eles se dedicam somente à reconstrução de carros abandonados e somente modelos Mopar .

O carro-símbolo do programa é um Plymouth `Cuda 1971, que chegou parcialmente destruído, e teve todas as suas informações levantadas pela equipe da oficina. Esse levantamento, aliás, é o primeiro passo das restaurações da oficina: como mostra a abertura do programa, o trabalho deles é descobrir como o carro “nasceu, viveu e morreu”. No caso do Cuda 71, eles descobriram que o carro foi fabricado em 22 de fevereiro de 1971 e saiu da fábrica pintado de HEMI Orange, equipado com um V8 440 Six Barrel, câmbio de quatro marchas e diferencial Dana 60. E foi exatamente assim que ele acabou reconstruído. Para os fãs da Mopar, este é o reality show a se assistir.

 

Oficina Motor

FlatOut 2015-04-06 às 20.24.06

Isso é print-screen, não clique!

A inclusão brasileira da lista é o Oficina Motor, que estreou em 2013 no canal +Globosat. Diferentemente dos demais programas nacionais, que seguem o formato de “revista eletrônica”, Oficina Motor procura variar os temas colocando o trio de apresentadores em viagens e comparativos nas ruas e na pista do ECPA, em Piracicaba/SP.

Em suas três temporadas, o trio já esteve no Museo Enzo Ferrari em Maranello, já chegou à velocidade máxima de seus carros nas Autobahnen, e cobriu os principais Salões automotivos do planeta. O clima entre os apresentadores Lipe Paíga, Michelle de Jesus e Henrique Koifman também foge da formalidade excessiva dos programas brasileiros, mas sem descambar para aquele despojamento fake do Globo Esporte. Considerando as dificuldades de se fazer um programa bacana sobre carros no Brasil, o trio tem um grande mérito por tentar trazer algo diferente para as telas.

 

Roadkill

Entrando no terreno dos programas de internet, chegamos a Roadkill, um programa produzido pelos americanos da revista/site Motor Trend e exibido sempre na última sexta-feira de cada mês. Se o seu negócio são os muscle cars e carros americanos este é o programa certo. Nele a dupla David Freiburger e Mike Finnegan apresenta sua relação de amor e ódio com hot rods, carros e rua e modelos preparados — quase sempre americanos — em programas de vinte minutos de duração (que equivalem aos programas de meia hora na TV).

Os episódios são sempre dedicados aos carros americanos de alguma forma. Em um deles, a dupla decide sair pelo sul da Califórnia com um Lamborghini Aventador e um Hot Rod Ford 1930 — uma combinação que só alguém muito americano poderia pensar. No vídeo mais recente, mostrado acima, eles embarcam em uma viagem do Arizona ao Kansas em uma perua Buick 1969 sem alguns vidros das janelas em pleno inverno americano, e vão instalando as peças faltantes ao longo da viagem.

 

Mighty Car Mods

A dupla de australianos do Mighty Car Mods também está entre os preferidos da galera. Como o nome sugere, o canal trata somente de modificações de carros, só que nesse caso, é a própria dupla de apresentadores quem faz todo o serviço sujo. Apesar de fazerem episódios curtos e com a linguagem típica da internet, eles também produzem vídeos mais extensos, com viagens e desafios que se assemelham ao que normalmente vemos na TV. Um bom exemplo é o programa em que eles viajaram até o Japão e construíram um kei car drifter para um track day.

 

Chris Harris on Cars

Há  cerca de três anos o britânico Chris Harris — um dos jornalistas mais completos do mundo automotivo —  mergulhou de cabeça no projeto /DRIVE, encabeçado pelo idealizador do Jalopnik US, Mike Spinelli. O jornalista inglês era a principal atração do canal, com seu quadro “Chris Harris on Cars”, no qual apresentava os carros do jeito que mais nos interessa: acelerando forte na pista — e com o tempero classudo das avaliações britânicas.

Depois que /DRIVE começou ser pago e a audiência diminuiu, Chris Harris transformou seu programa em um canal próprio e gratuito, o “Chris Harris On Cars”. Além das avaliações dos esportivos mais fodásticos do momento, Harris também traz coberturas de eventos, como o Salão de Genebra ou o Goodwood Members Meeting, e incursões por fábricas e entrevistas com personalidades do mundo automotivo, fazendo uma “revista digital” do jeito certo e, acima de tudo, muito mais interessante para a geração que não distingue a TV da internet.

 

 

Matérias relacionadas

Seu primeiro carro: as opções mais legais para um gearhead

Dalmo Hernandes

Os carros mais legais que você pode comprar gastando entre R$ 20 mil e R$ 25 mil – Parte 2

Dalmo Hernandes

Os Alfa Romeo mais incríveis de todos os tempos

Dalmo Hernandes