A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Vídeo

Pegue uma carona com o McLaren 12C GT3 quebrando um recorde em Nürburgring

Se alguém te perguntasse quem é o recordista de Nürburgring, você certamente pensaria nos 6:11,13 de Stefan Bellof pilotando o Porsche 956 na classificação para os 1000 Km de Nürburgring de 1983. Ou então, se você pensou nos carros de rua, a resposta é o Porsche 918 Spyder, e sua volta de 6:57. Com as duas respostas você estaria certo. Ou melhor dizendo, meio certo.

Em ambos os casos, o recorde se refere ao tempo total que os carros levaram para percorrer os 20,81 km do traçado norte, o lendário Nordschleife, usado em algumas categorias locais de endurance e também para as Tourist Laps. Acontece que nas 24 Horas de Nürburgring, a maior corrida disputada por lá atualmente, o traçado usado é uma combinação do Nordschleife com o GP Strecke, usado pela Fórmula 1 e pela DTM, por exemplo totalizando 25,947 km — o que adiciona um bom tempo ao total da volta.

Nesse caso, considerando cada milímetro do asfalto de Nürburgring o recorde é de 8:10,921 e foi conseguido pelo piloto francês Kévin Estre da McLaren com um 12C GT3 da Dörr Motorsport GmbH durante a classificação para as 24 Horas de Nürburgring deste ano — o que significa que ele também faturou a pole position. A corrida aconteceu em junho deste ano, quando o mundo estava mais preocupado com a Copa do Mundo que com centenas de carros girando em um circuito enorme.

Deve ser por isso que a McLaren só divulgou ontem (21) o vídeo onboard do recorde no Inferno Verde. Como qualquer recorde em Nürburgring, ele é uma aula de pilotagem tão impressionante quanto insana. Veja só:

A parte da insanidade fica por conta dos 8:10,921 para cobrir um circuito de 26 km com centenas de curvas, 300 metros de variação de relevo e boa parte dessa distância sem áreas de escape modernas. O lado impressionante da história é a neutralidade do carro nas frenagens em entrada de curva, sem perder a dianteira, e retomada de aceleração, com um mínimo sobre-esterço provocado pelo torque do motor V8 turbo.

Com um enorme grip aerodinâmico (cortesia da asa fixa) o Kévin Estre carrega muita velocidade para dentro da curva, mantendo o carro sempre equilibrado. Em certos momentos o vídeo chega a parecer acelerado.

Outro fato que fica evidente é relativa maciez da suspensão, que apesar de estar rígida, absorve muito bem os bumps do Nordschleife — uma característica também presente no modelo de rua, e aclamada pela imprensa europeia em geral.

Infelizmente, depois de conquistar a pole baixando o recorde no circuito combinado em mais de seis segundos, o carro #66 da Dörr Motorsport GmbH abandonou a corrida na volta 48 devido a uma colisão.

[ via Bridge to Gantry ] 

Matérias relacionadas

Pegue carona com Ken Block em uma Gymkhana ao vivo no Japão (com direito a bônus!)

Dalmo Hernandes

Touro manso: será que o Lamborghini Huracán não é um supercarro feito para as pistas?

Dalmo Hernandes

O nascimento do Dodge Challenger Hellcat: como é feito o muscle car mais potente de todos os tempos

Dalmo Hernandes