A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Técnica

Por que os motores a diesel têm mais torque que os motores a gasolina?

O que torna os motores a diesel mais eficientes? Por que eles produzem mais torque que os motores a gasolina? Por que eles são mais robustos e indicados para veículos de carga? Em essência, tais características de um motor a diesel vêm de uma combinação de fatores: taxa de compressão, poder calorífico, velocidade dos pistões e o próprio princípio de funcionamento dos motores a diesel. E todos estes fatores são interligados.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Para entender as diferenças entre um motor a diesel, uma boa ideia é começar pelo funcionamento básico de um motor quatro-tempos. A diferença fundamental entre um motor a gasolina (ou a álcool) e um motor a diesel está na ignição: diferentemente de um motor a gasolina, que usa a centelha de uma vela para a ignição da mistura, em um motor a diesel a combustão ocorre pela compressão da mistura, que é formada dentro da câmara. Quando o ar admitido é comprimido, sua temperatura aumenta, o diesel é misturado a ela e, devido à temperatura, a mistura se inflama, gerando a combustão.

 

Por esta razão, os motores diesel trabalham com taxas de compressão elevadas — o desenho das câmaras de combustão e dos pistões de um motor a diesel é diferente, daí a impossibilidade de usar motores diesel com outros tipos de combustíveis. Neles a taxa varia entre 16:1 até 25:1, enquanto nos motores de ciclo Otto, ela varia entre 6:1 e 14:1.

Quando a combustão da mistura ar-diesel ocorre dentro da câmara de combustão, o fato de ter uma compressão muito elevada resulta em uma expansão igualmente intensa — mais que em um motor de baixa compressão. É daí que vem parte do torque elevado: em palavras simples o torque é uma força aplicada a uma alavanca que produz rotação. A alavanca é o moente do virabrequim, onde a biela é afixada.

Somado a isto está o fato de os motores a diesel geralmente terem curso mais longo. Considerando que o a fórmula do torque é “força × comprimento”, ao aumentar a força e o comprimento da alavanca (o moente do virabrequim), o que se tem é um aumento no torque produzido pelo motor.

Para entender melhor, imagine que você está andando de bicicleta. O torque, colocado de forma simples, é a força aplicada sobre uma alavanca que gera um movimento de rotação – como o pedal de uma bike. Ao pedalar sentado, você está usando apenas a força dos músculos da sua perna. Mas, para subir uma ladeira, você pedala em pé, aplicando o peso e a força do corpo todo. E, assim, consegue vencer a subida. Você conseguiria um efeito semelhante alongando a pedivela.

Este último fator, o comprimento da alavanca, está relacionado também à velocidade de rotação. Um motor superquadrado (ou seja, com maior diâmetro dos cilindros e menor curso) tende a girar mais, enquanto um subquadrado (que, inversamente, tem mais curso que diâmetro) gira menos por conta da distância percorrida pelo pistão.

Por fim, há a questão do combustível em si. Além de ter uma temperatura de autoignição mais baixa, o diesel possui melhor rendimento térmico, sendo 10% mais eficiente que a gasolina.

E por que os motores a diesel são mais robustos? Em resumo, a maior robustez de um motor a diesel é necessária justamente porque ele tem a taxa de compressão mais elevada e, consequentemente, gera mais torque. Para que os componentes internos do motor – pistões, bielas e virabrequim, por exemplo – suportem a maior quantidade de energia que incide sobre eles, é crucial que eles sejam mais resistentes.

A partir daí, é como um efeito dominó: o motor com maior torque exige que o câmbio também seja mais resistente, bem como a embreagem e o eixo cardã, por exemplo. E, quase como um efeito colateral, é por esta razão que os motores a diesel são bem receptivos à sobrealimentação: eles já são naturalmente mais robustos que os motores a gasolina.

Matérias relacionadas

Você sabe mesmo o que é turbo lag?

Leonardo Contesini

Como o HANS salvou um piloto de uma manobra suja na pista

Dalmo Hernandes

Coisas que os games e simuladores de corrida nos ensinaram errado, parte 1

Juliano Barata