A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #507

Project Cars #507: a finalização da minha Subaru Impreza WRX SW

Por Lucas Duarte, Project Cars #507

Fala, pessoal! Tudo beleza por aí? Finalizei o último post falando sobre os planos (ainda futuros na data que escrevi o post anterior) que aguardavam o carro, então hoje venho contar como eles se realizaram e como o carro está.

No post anterior eu ainda não sabia qual cor faria o carro. Eu tinha um impasse, meu carro era prata, a carroceria doadora era blue mica. Quase todo fã de subaru, é muito fã do Blue Mica, cor que ficou eternizada por conta da plotagem do WRC que a subaru usava na época, porém, como esse é um gosto relativamente comum, vemos muitos carros nessa cor e eu, pessoalmente, sempre achei bonito, mas não a coisa mais linda do mundo. Então comecei a procurar referências de bugs com cores diferentes.

Nesse processo, cheguei a marca final de 4 cores, Midnight Purple que conheci no meu carro favorito de todos os tempos, o Nissan Skyline R34 V-Spec II Nür, o Amarelo STI Spec C Type RA-R, o Hyper Blue de uma série especial do STI 2016 nos EUA e o Impreza Flamy Red, cor original dos GC 96-98, cor que um amigo tem em seu GC STI, se não me engano é a cor que o Hawk do Filme Baby Driver é.

Midnight purple foi a primeira a sair da lista, pela complexidade que é pra faze-la e pelo fato de já termos um bug não necessariamente midnight purple, mas roxo no Brasil. O Amarelo caiu em seguida, por também já termos um bug dessa cor no Brasil. Restaram o Hyper Blue e o Flamy Red. Então usei minhas hábilidades photoshopisticas e tentei faze-la Hyper Blue, não gostei muito do resultado. Então voltei a ver fotos desse GC STI do meu amigo, não existe bug vermelho no Brasil, muito menos perua. Então bati o martelo, Flamy Red foi a escolhida.

Trocar de cor do carro é algo que você só faz uma vez na vida, porque é muito trabalhoso. Retirei o motor antigo (EJ205) e encaminhei o carro para a funilaria.

Agora era esperar e ficar babando e me coçando de ansiedade até o carro ficar pronto. Todo o processo levou entre dois e três meses. Utilizei as quatro portas, paralamas frontais e traseiros e parachoque dianteiro do sedan no processo, para instalar o traseiro é necessário cortar a lata, mas o serviço foi muito bem feito e parece original de fábrica, agora vocês acompanham a chuva de fotos de todo o processo de “bombar” e funilaria e pintura completa.

O dia chegou.

Fui buscar o carro e ele estava maravilhoso, seguem mais fotos do primeiro encontro com ele vermelho.

As rodas foram pintadas de preto no fim do processo a meu pedido, já estava cansado delas douradas e achei que preto casaria, apesar das 17 ficarem pequenas e pra dentro do paralama no setup “Wide”, mas isso falaremos mais pra frente.

E aí eu entro fase “já que…”

Já que o motor “novo” ainda não havia sido instalado, aproveitei pra fazer uma revisão completa de tudo que dava pra fazer sem abrir o motor, nessa foram pescador de óleo, cárter, mangueira do retorno da turbina, juntas de vela, retentores do comando e vários parafusos, todas as mangueiras de alimentação, chicote completo do motor revisado, tudo novo.

Já que esse motor respira melhor que o anterior, porque não realizar aqueles devaneios com intercooler frontal que eu tinha. Lembrei de um amigo que tinha voltado do Intercooler frontal para o Top mount (que é a posição original nos subaru) e estava lá jogado, conversei com ele e fizemos negócio com baita preço de amigo, fica o agradecimento ao Fabrício.

Já que ia colocar o intercooler frontal, ia precisar substituir a caixa de ar original por um intake, mandei mensagem pra outro amigo, o Márcio, e ele tinha um Intake e MAF housing da HKS lá jogado também, logo fizemos negócio.

Já que a Luzian me mandou esse belíssimo Luzian Drift LA016 (aproveito pra deixar um forte abraço para o Carlos da Luzian por dar essa baita força no projeto), porque não trocar o escape direto de aço carbono todo cheio de curvas desnecessárias em 2,5” por um em direto em 3”?

Tudo isso em paralelo a instalação do motor sendo feita. Já que meu trocador de calor precisava ser trocado e o preço da concessionária era impraticável, porque não colocar um radiador de óleo com termostática no lugar? Saiu quase o mesmo preço do trocador de calor na concessionária.

E nessas fui adicionando esses detalhes a mais na configuração do projeto. Tudo isso na correria do carro ficar pronto pro Encontro Nacional Clube Subaru 2019, principal evento de entusiastas da marca e o mais esperado do ano.

Comecei o projeto “Akai Akuma” da tradução do Japonês, Demônio vermelho, com um baita tempo de ficar pronto pro evento, mas como todo projeto, acontecem imprevistos e acabou que o prazo ficou bem apertado, então corremos pro carro estar andando confiável pra ir e voltar para o ECPA para o evento.

Ainda em tempo, um último upgrade de última hora e com a ajuda de mais um amigo, fica o agradecimento ao Dado por fazer uma baita condição de pagamento para as novas rodas que equipariam o carro, as Scorro réplica das lendárias TE37, as originais ficavam muito pequenas no novo conjunto “wide”, então saem as rodas 17×7 originais WRX 2002 e entram as Scorro TE37 18×7,5, trocamos as rodas na véspera do evento na chuva e a noite, tudo pra ficar pronto pro evento. Tivemos imprevisto com a pressurização do intercooler frontal, então contei com a ajuda do Marcio e do Edu, que às vésperas do evento me ajudaram na pressurização, confecção do intake e o escape, tudo pro carro estar completo pro evento.

E conseguimos, obrigado a todos os envolvidos, fica até difícil citar todos no texto, mas os amigos fazem toda a diferença nessas horas. O evento foi um sucesso, o carro esteve na frente da boxer lap mais um ano, em 2018 ela estava lá prata e em 2019 estava lá vermelha.

Agora umas fotos dela no evento

Voltando do evento, hora de finalizar o carro, parei pra revisar umas últimas coisas que estavam fora do lugar, o carro precisava de uma baita revisão elétrica, o reservatório de expansão da turbina estava vazando, mangueiras de combustivel estavam velhas e o turbo inlet estava mais pra lá do que pra cá, e faltava o acerto para os novos componentes e motor (remap), que ainda estava o mapa que eu usava no EJ205. E então, começou a acontecer algo que eu nunca tinha sofrido e que é até piada com Subaru na internet, o carro começou a esquentar.

E lá vamos nós pra saga do aquecimento, investigamos e aparentemente o problema era elétrico. Revisamos essa parte relacionada aos sensores de temperatura da água e aparentemente o problema foi resolvido. Os Subaru mais antigos no geral, tem uma característica no ponteiro da temperatura que ele nunca se mexe após chegar na temperatura ideal, então qualquer movimento ali é sinal de problema, e foi o que aconteceu.

Estacionando o carro em casa, o problema voltou a acontecer. Então comecei a investigar e encher o saco dos amigos mais entendidos para resolvermos o problema, no fim das contas era uma mistura de coisas, o reservatório de expansão estava sem água, o que ocasiona ar no sistema, esse era um dos fatores. Outro, era a tampa do radiador, Os impreza dessa época tem duas tampas pressurizadas no sistema de arrefecimento, uma no radiador e uma no reservatório superior e elas tem uma posição específica e configuração específica para funcionar de forma correta, de maior pressão no radiador e menor no reservatório

. A última era a forma geométrica das tampas (sim). O radiador tem que ser a tampa redonda sem abas, pois a com abas e a sem abas, mesmo com a mesma pressão tem funcionamento diferente, e eu havia comprado uma nova para o radiador com abas, que havia sido vendida como a certa. Depois de toda essa novela, comprei a redonda correta e acabaram-se os problemas de arrefecimento. Então o carro partiu para a super revisão elétrica, o chicote do carro já era ruim quando eu comprei, imagina três anos depois da compra, depois de já ter sido mexido e remexido várias vezes, ele pediu arrego.

Então eu fiz um swap de chicote. Revisão completa elétrica pra ter certeza de não termos mais nenhum problema nesse sentido. E finalmente o momento mais esperado, o mapa. O meu tuner mudou de cidade então precisei entregar o carro pra ele pro carro ficar “morando” com ele por um tempo pra que ele fizesse os ajustes necessários, foi ele também que fez a geral na elétrica. O carro passou entre 1 e 2 meses com ele e então recebi a mensagem da alegria. “Vem buscar, tá pronto”.

Então eu e meu amigo partimos pro interior pra buscar o carro. Existia a possibilidade dele precisar vir pra SP pra resolver alguns assuntos pessoais dele, mas eu estava torcendo pra ter que ir buscar pra poder voltar dirigindo.

Tenho vídeo do dia:

A sensação de poder acelerar meu carro depois de quase 10 meses sem poder foi indescritível, gastei 2 tanques de combustível nessa volta pra casa. Até o momento que escrevo esse texto, não passei o carro no dinamômetro ainda pós-swap. Na configuração anterior ele tinha 252whp e 33.6 kgfm, pelo meu bundomêtro eu chuto que agora estamos por volta dos 270whp, a turbina que ainda é original, não consegue empurrar mais do que isso, então esse é o limitador no momento. Porém trocando turbina, precisaria de mais bico e de uma embreagem melhor, então esses planos vão ficar pro longo prazo.

Eu não poderia estar mais feliz, a estrada foi longa e dura, mas aqui estamos. O projeto nunca acaba de verdade, essa é a realidade de nós viciados nessa droga chamada carro. Então é isso, temos agora a única perua WRX bombada e vermelha do Brasil, equipada com um EJ207, intercooler frontal e escape direto em 3 polegas, fazendo a combinação de ronco + flutter mais bonita que você vai ouvir hoje.

O pessoal da one50 gravou um “PURE SOUNDS” com o meu carro, quadro do canal deles que como o nome sugere, é basicamente o carro acelerando com uma qualidade de captação absurda, então escute e aproveite sem moderação.

E pra quem quiser um resumo de três anos de projeto em 12 minutos, segue o compilado que fiz:

Essa fase do projeto se encerra aqui. A meta agora é aproveitar o carro e botar muita km nesse hodômetro porque carro parado não faz história. Os planos de longo prazo são um upgrade de turbina (se tudo der certo, uma roletada), bicos maiores, um câmbio de seis marchas de STI, os freios Brembo também de STI e talvez umas Enkei RPF1 tala 8,5. Obrigado a todos que acompanharam e até a próxima. Quem quiser continuar acompanhando o projeto, siga o instagram @duartedosubbie e o canal do youtube Duarte do Subbie. Abraço e até algum rolê automotivo!

Matérias relacionadas

Project Cars do FlatOut: chegou a hora de inscrever o seu projeto!

Leonardo Contesini

Project Cars #327: a história do meu Voyage Trend 2009

Leonardo Contesini

Project Cars #289: iniciando a restauração do meu Ford Escort XR3 1985

Leonardo Contesini