A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Vídeo Vídeos

“Prost vs. Senna”: relembrando a rivalidade épica em uma corrida de hot hatches

Sem dúvida, uma das maiores rivalidades da história do automobilismo foi aquela protagonizada pror Alain Prost e Ayrton Senna. Ambos dispensam apresentações, e sem dúvida estão entre os maiores pilotos de todos os tempos. Foi uma rivalidade que começou em 1988, quando Ayrton deixou a Lotus para se tornar colega de equipe de Prost na McLaren, e só terminou com a morte do brasileiro no dia 1º de maio de 1994.

Esta rivalidade, agora, só existe nos registros em vídeo daqueles que a testemunharam, fosse de perto ou pela TV. E, claro, nas lembranças de Alain Prost que, quatro anos depois da morte de Ayrton, disse que naquele dia uma parte dele morreu também.

prost-senna

Episódios como o que aconteceu no GP do Japão, em Suzuka, quando uma colisão entre as McLaren de Senna e Prost acabou por decidir o campeonato (o título ficou com o Francês) são histórias clássicas de um tempo que não volta mais. No entanto, hoje em dia, dá para ver Senna e Prost disputando corridas de novo.

Estamos falando de Bruno Senna, sobrinho de Ayrton, e do filho de Alain Prost, Nicolas. Ambos correm na nova Formula-E, categoria de monopostos elétricos da FIA que é bem mais emocionante do que parece e, além de terem sido parceiros na equipe Rebellion Racing, do Mundial de Endurance, são amigos e garantem terem deixado de lado qualquer mal estar entre suas famílias.

Sendo assim, os caras do Fifth Gear conseguiram colocar os dois na mesma pista — o circuito de Snetterton, no Reino Unido — para uma disputa amigável entre Bruno e Nicolas, cada um deles ao volante de um hot hatch.

audi_s3_sportback_uk-spec_8 audi_s3_sportback_uk-spec_16 audi_s3_sportback_uk-spec_18

Senna ficou com o Audi S3 Sportback, equipado com um quatro-cilindros TFSI de dois litros com turbo, 300 cv e 38,7 mkgf de torque — neste caso, com transmissão automática de seis marchas (S-Tronic), que leva a potência até as quatro rodas por um sistema com diferencial Haldex. Nicolas Prost, pro sua vez, pilotou o Renault Mégane RS Trophy 275, que até pouco tempo atrás era recordista de tração dianteira no Nürburgring Nordschleife, perdendo sua posição para o Honda Civic Type R em 2015.

Dá até para entender as escolhas: o tio de Bruno Senna tinha uma estreita ligação com a Audi no início dos anos 90, e foi um dos responsáveis pela chegada da marca alemã ao Brasil, enquanto Alain Prost foi piloto da Renault na F1 entre 1981 e 1983.

renault_megane_r.s._275_trophy-r_40 renault_megane_r.s._275_trophy-r_45 renault_megane_r.s._275_trophy-r_46

Com um motor 2.0 turbinado de 275 cv 36,7 mkgf, além de tração dianteira (“nas rodas erradas”, para alguns), o Mégane RS teoricamente está em desvantagem nesta disputa. Além disso, ele tem câmbio manual — o que, apesar de aumentar o envolvimento do homem com a máquina, pode custar algumas frações de segundo nas trocas, mesmo que o S-Tronic do Audi S3 não tenha dupla embreagem. No entanto, com dois pilotos de sangue nobre soltos na pista — e, aparentemente, sem nada ensaiado —, tudo pode acontecer. E acontece.

São duas voltas pelos 4,7 km de Snetterton, um traçado relativamente longo que traz um bom equilíbrio entre retas e curvas mais técnicas. E, remetendo não apenas às disputas acaloradas entre Prost e Senna nos tempos de McLaren, como também um dos mais recentes choques entre Bruno e Nicolas na Fórmula-E, ambos os pilotos fazem de tudo para permanecer à frente.

 

Dá para ver que Bruno pilota de forma ousada. Seu Audi tem mais potência e mais tração, mas também pesa mais — são 1.520 kg do Audi contra 1.280 kg do Renault, quem também tem freios melhores e uma traseira mais solta.

Enquanto Senna dispara na frente nas retas e mantém-se firme nas curvas, a fim de não deixar que Prost o ultrapasse, o filho do “professor” é paciente e espera as melhores oportunidades para se aproximar do Audi e, a cada oportunidade que surge, passar à frente. No entanto, Senna consegue se recuperar, graças à potência extra, todas as vezes. Tiff Needell, que vai de carona com Prost e parece mais determinado a vencer do que o próprio piloto, até brinca dizendo que nada que um bom “chega pra lá” não resolva.

Na reta final, quando os dois carros se alinham quase que para uma arrancada até a linha de chegada, no entanto, Prost consegue vencer por menos de meio carro de diferença. E tudo acaba bem no final — os dois são mesmo amigos, e fazem questão de deixar claro que tudo o que aconteceu há mais de duas décadas deve ser lembrado sim, mas com admiração e respeito.

senna-prost-mansell-piquet

Você conhece a história desta foto? Se não, leia tudo aqui!

Matérias relacionadas

400 cv nas rodas, quase 7 mil rpm e visual original: o Dodge Dart de Gustavo!

Juliano Barata

Travando o dinamômetro: qual o verdadeiro torque do Tesla Model S?

Leonardo Contesini

Este é o melhor vídeo de conscientização que você vai ver sobre os perigos do celular ao volante

Leonardo Contesini