A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture História

Quando a Lotus transformou o Omega em um supercarro — ou quase isso

Não é preciso ser um fã ardoroso da gravatinha dourada para saber que, no Brasil, o Chevrolet Omega de primeira geração tem uma ótima reputação — era o carro mais moderno e desejado do País no início da década de 1990 e foi um substituto mais do que digno para o Opala. Na Europa ele também é um carro bastante cultuado, mas por outra razão: o Lotus Omega, feito para quem gostava de pimenta de verdade — do tipo que andava mais do que um BMW M5. No Brasil, você costuma ver dois tipos de Omega nas ruas: os impecáveis, tratados a pão-de-ló por seus donos, e os caindo aos pedaços — são baratos de comprar, mas nem tanto de manter. Podemos dizer que você dificilmente vai ver um Lotus Omega caindo aos pedaços na Europa — ele é um carro raro e muito, muito rápido, o que naturalmente significa que seus fãs levam a conservação de cada um deles bem a sério. O primeiro protótipo do Lotus Omega, de 1989 Mas, afinal, por que o Lotus Omega existe? Aparentemente, em 1990 o Opel

Matérias relacionadas

Sauber Mercedes-Benz C11: o carro que revelou Michael Schumacher para o mundo

Dalmo Hernandes

Caminhão monstro, limusine, hovercraft: a incrível coleção de DeLoreans modificados de Rich Weissensel

Dalmo Hernandes

Os carros mais icônicos de “Velozes e Furiosos”, explicados por seu criador

Dalmo Hernandes