A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Quando Emerson Fittipaldi teve que comprar combustível durante os treinos do GP da Alemanha

Quando buscamos material sobre a evolução da Fórmula 1 é sempre muito comum encontrar aqueles comparativos clichê dos volantes ao longo das décadas, da indumentária dos pilotos, capacetes, rodas e pneus e todos aqueles aspectos que mudaram a olhos vistos. Foi por isso que, em nossa série "Lendas da Fórmula 1", mostramos a evolução apresentando situações do passado que seriam impensáveis e impossíveis hoje em dia. Também escolhemos quais foram os carros que mudaram as regras do jogo em vez de só comparar um Alfa Romeo 159 de 1950 a um Sauber Alfa Romeo de 2020. Além disso, há um aspecto pouco comparado por questões de sigilo industrial e desportivo: a composição dos lubrificantes e combustíveis. Ao apurar informações antigas para as matérias das Flechas de Prata e outras sobre os combustíveis, encontrei uma planilha com as formulações de combustível usadas nos anos 1930 aos anos 1950. Os carros da Mercedes e Auto Union, por exemplo, não atingiam seus mais de 500 cv sem um comb

Matérias relacionadas

Mercedes-Benz 300SL “Gullwing”: os detalhes que você nunca viu do clássico alemão

Leonardo Contesini

BMW 745i: o Série 7 com motor do M1 que quase não aconteceu

Dalmo Hernandes

Estudo mostra que combustível brasileiro é mais barato do que em vários países – será mesmo?

Leonardo Contesini