FlatOut!
Image default
Car Culture

Quem disse que não dá para comprar um carro antigo zero-quilômetro?


Por mais que os recursos tecnológicos dos carros de hoje, de forma geral, facilitem a nossa vida, nem sempre os entusiastas os querem – é por isso que, a nosso ver, o antigomobilismo nunca vai perder espaço. Ao contrário: é bem provável que, nos próximos anos, mais e mais pessoas “descubram” o antigomobilismo como forma de apreciar os carros do passado pelo que eles ofereciam: uma experiência ao volante orgânica e sem filtros.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: 30% OFF na loja durante a 3ª temporada do Goodguys, acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. 15% OFF na loja durante a 3ª temporada do Goodguys, acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Só que há outro efeito do passar dos anos – e um efeito óbvio, aliás: esses carros estão ficando mais velhos. Assim, se você quer ter um carro antigo e toda a experiência que ele pode proporcionar, a tendência é que essa se torne uma tarefa cada vez mais árdua daqui em diante. Vai ser mais difícil encontrar um carro inteiro a um preço decente, e mesmo os melhores exemplares sentem o peso dos anos, até porque os carros antigos não usavam materiais tão bons e não tinham um controle de qualidade tão eficiente quanto hoje.

É por isso que surgem cada vez mais empresas especializadas em fazer “carros antigos novos” – restomods, se preferir. Ou seja: refazer os carros do zero, respeitando as formas originais e colocando toda sorte de melhorias – carroceria feita com materiais de melhor qualidade, motor moderno e, às vezes, até mesmo recursos de conforto e conveniência que encontramos em qualquer automóvel zero-quilômetro.

O último que chegou a nosso conhecimento, por exemplo, é um belo exemplo de carro antigo feito em 2021: o Ford Escort Mk2 da MotorSport Tools – ou só MST. A empresa do País de Gales foi fundada em 2008, inicialmente fabricando componentes de preparação para carros de rali. A maior parte de seus clientes, até por uma questão geográfica, era de donos do Escort em suas duas primeiras gerações – ou seja, dos carros que ficaram famosos por suas participações nos ralis, culminando com o título de 1979 do Escort RS1800, conquistado com a ajuda do sueco Björn Waldegaard, que foi o campeão dos pilotos naquele ano.

Com toda a tradição a seu favor, o Escort Mk2 da MST tenta reproduzir com a maior fidelidade possível a essência de um carro da época, ao mesmo tempo em que torna a convivência mais fácil – afinal, o mais novo dos Escort Mk2 hoje tem mais de 40 anos. Então, se você pudesse comprar um exemplar novo e se livrar dos males típicos de um carro antigo – corrosão, histórico duvidoso e negligência de donos anteriores, só para citar três – você não o faria?

A MotorSport Tools começou a se destacar fabricando carrocerias completas para o Escort clássico de tração traseira – e não faltava público, porque lá no Reino Unido ainda existe uma cena muito forte de entusiastas que competem com o Escort. Como os clássicos autênticos estão rareando, por lá costuma ser mais negócio comprar um monobloco novo e instalar os componentes mecânicos de corrida. De quebra, evita-se que um clássico seja usado “até acabar”.

Então, em 2020, a MST decidiu levar o negócio além e começou a montar seu primeiro carro completo, valendo-se de mais de uma década de experiências com esses carros. O resultado, segundo quem teve a sorte de andar nele, é fantástico.

O carro pode ser encomendado com a carroceria normal, igual à que se comprava na Ford há 40 ou 50 anos, ou com para-lamas alargados nas especificações do Grupo 4 de rali. E há algumas opções diferentes de motor, incluindo um Duratec 2.0 aspirado preparado para render 200 cv, um Cosworth YB (a família de motores usada pelo Escort RS Cosworth) com turbo e pelo menos 300 cv. Lembre-se que de o Escort Mk2 original mais potente tinha 117 cv em seu motor 1.8.

Por enquanto apenas um carro ficou pronto – o exemplar vermelho que aparece nas fotos, construído para fins de homologação. É aqui que entram as minúcias técnicas: embora tenha visual de Escort e mecânica Ford, aos olhos do DVLA (órgão equivalente ao Detran no Reino Unido) o carro é simplesmente um “MST Mk2”, e não um Escort. Colocando em termos simples, ele é classificado como um protótipo ou veículo de série limitada – pode ser legalizado e emplacado, desde que cumpra os requisitos de segurança, e não está sujeito às mesmas normas rigorosas que regulamentam os veículos produzidos em série.

Nesta mesma pegada de carro de rali modernizado é impossível não citar o Lancia Delta HF Integrale. Ou melhor, Delta Integrale “Futurista”, uma criação da italiana Automobili Amos. Fruto da mente do entusiasta Eugenio Amos, o carro faz de tudo para borrar a linha entre clássico e moderno – e o faz de uma forma espetacular.

Ex-piloto de corridas e dono de uma experiência razoável com os Lancia, Eugenio decidiu que o Delta podia ficar ainda mais fodástico e colocou a mão na massa para provar.

Falando francamente, esse aqui é meio que uma “trapaça” – a Automobili Amos usa o Delta original como ponto de partida. Mais precisamente, o Delta Integrale 16V, versão com motor 2.0 turbo de 200 cv que é mais comum (e menos valiosa) que o Integrale Evoluzione. Só que não resta nada do carro original exceto pelo monobloco e o número do chassi.

Todo o resto – todo mesmo – é novo. A carroceria recebe novos painéis de alumínio moldados à mão, com uma série de elementos de fibra de carbono: face dianteira, capô e tampa do porta-malas. Ah, e as portas traseiras dão adeus, exigindo reconstrução completa das laterais.

O interior também respeita as linhas originais do Delta Integrale, mas com novo acabamento que mistura fibra de carbono nua, couro e Alcantara. O painel analógico é preservado, mas o volante recebe alguns comandos para o motorista e o quadro de instrumentos ganha um indicador de marchas digital. A ideia era preservar o caráter oitentista do habitáculo, porém com qualidade muito superior à original. E o banco traseiro permanece em seu lugar, com a devida adaptação nos encostos dos bancos dianteiros para facilitar o acesso.

O resultado é um carro 90 kg mais leve. Mas não para por aí: o Delta também recebe um motor 2.0 turbo completamente refeito, com componentes internos reforçados, injeção programável, corpos de borboleta individuais e outras modificações para chegar aos 330 cv. Nada que faça cair o queixo nestes tempos de sedãs de família com 700 cv, porém um aumento expressivo em relação ao original.

Na época em que o Delta Integrale Futurista foi revelado, em 2018, muito falou-se em como a Automobili Amos tinha potencial para explodir em popularidade com esse projeto. Não foi exatamente o que aconteceu – depois do hype, a Amos não foi mais tema de manchete. Só que a produção segue acontecendo, sempre artesanal, e os 20 carros planejados estão sendo entregues aos poucos. Lembrando que cada um deles custou no mínimo €300.000 (mais de R$ 1,8 milhões em conversão direta) a seu dono.

Mas é impossível falar de “clássicos zero-quilômetro” sem mencionar os ícones americanos da década de 1960. Isso porque uma série de empresas especializou-se em fornecer carrocerias inteiras para entusiastas dispostos a embarcar em project cars.

 

A mais famosa delas possivelmente é a Dynacorn, cujas carrocerias para o Ford Mustang original são tão boas que, desde 2011, a própria Ford as oferece como opção a quem está restaurando um Mustang do zero. Empresas especializadas também costumam comprá-las para instalação em chassis feitos sob medida – como a Equus, que vem lá do Oriente Médio e decidiu criar sua própria versão alternativa do Mustang, o Bass 770.

Enquanto o perfil deixa claro que se trata de uma carroceria de Mustang, a dianteira e a traseira foram redesenhadas – aparentemente, com inspiração nos Dodge da década de 60. E o motor é um V8 Chevrolet LS de 6,2 litros com supercharger e 650 cv. Uma verdadeira salada – mas, caramba, é um muscle car zero-quilômetro moderno.

Vale lembrar que a Dynacorn também fabrica carrocerias para outros muscle cars – Chevrolet Camaro 1967 e 1969, Pontiac Firebird 1969, Chevrolet Chevelle 1970 e Dodge Challenger 1970 estão inclusos no programa, assim como a picape Chevrolet 1947 e o famoso Ford 1932. Todos são feitos sob licença dos fabricantes e seguem as medidas exatas dos originais, porém com tratamento anti-corrosão moderno e soldas melhores.

Mas eles não fazem carros prontos – só fornecem carrocerias. Se quiser o serviço completo, porém, há outras empresas que ficariam felizes em te atender.

A mais famosa delas é a Superformance, cujo nome é bastante familiar para muita gente aqui. São eles que, em parceria com a Ford e a Shelby, começaram a fabricar há pouco mais de 15 anos o Shelby Cobra “Continuation Series”: carros feito nos padrões originais, com todas as medidas fornecidas pelas fabricante, com garantia e número de série na sequência dos carros dos anos 60.

Eles também fabricam outros carros no mesmo esquema: Ford GT40, o Shelby Cobra Daytona Coupé, e o Chevrolet Corvette Grand Sport – versão de competição que teve apenas um punhado de unidades produzidas na época. É consenso geral que os carros da Superformance são o mais perto que se pode chegar de ter um carro de corrida americano da década de 1960.

Em todos os casos, o projeto do chassi é baseado no desenho original, e a carroceria é uma recriação praticamente perfeita. Mas muita coisa muda: os materiais são de melhor qualidade, com uma padronização maior; os componentes de suspensão, como amortecedores, pontas de eixo, reforços estruturais, e toda a elétrica.

Em todos os casos, esses carros também são considerados novos pelas autoridades – no caso, a NHTSA (National Highway Traffic Safety Administration), que considera “pequenos fabricantes” empresas com produção total inferior a 325 unidades por ano. Da mesma forma que na Europa, esses carros estão isentos de uma série de regulamentações, incluindo testes de emissões rigorosos e de colisão – o que abre uma possibilidade interessante para o futuro dos clássicos zero-quilômetro.

ESTA Chevy GMC 500 2.0 16V Turbo
PODE SER SUA!

Clique aqui e veja como