A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

Qvale Mangusta, mas pode chamar de Biguá – o fim melancólico do último De Tomaso

Você certamente conhece, e provavelmente curte, o De Tomaso Pantera. E como não gostar dele, afinal? Com design design italiano setentista e o motor de um ícone dos muscle cars, o resultado só poderia ser um belo esportivo – porte e presença de Lamborghini Countach, porém com um motor bem menos temperamental que um V12 fabricado na Itália. O V8 era emprestado do Ford Mustang, e garantia desempenho satisfatório com manutenção descomplicada e barata. Não foi por acaso que o De Tomaso Pantera durou tanto tempo – ele foi fabricado entre 1971 e 1992, com algumas atualizações pontuais e reestilizações, e mais de 7.000 exemplares foram vendidos. Mas a De Tomaso não resistiu a uma crise financeira que acometeu a companhia ao longo da década de 1990, e pediu falência em 2004. Ao longo de seus últimos dez  anos de existência, a De Tomaso original realizou algumas tentativas de se reerguer com novos modelos. O sucessor direto do Pantera, o De Tomaso Guará, era um carro radical, com estrut

Matérias relacionadas

Volkswagen Hebmüller: o Fusca conversível 2+2 que foi o precursor do Karmann-Ghia

Dalmo Hernandes

Como as marcas britânicas desapareceram do mapa – ou acabaram vendidas a estrangeiros

Leonardo Contesini

Seat Ibiza F2: a versão mais radical do hatchback que não existiu no Brasil – e em lugar nenhum

Dalmo Hernandes