A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Top

Revolução: os carros que tiveram as mudanças mais radicais de uma geração para a outra

Todo mundo precisa mudar, e os carros não são exceção: a qualquer modelo, chegará um momento em que a fabricante decidirá rever a fórmula e fazer a próxima geração de um jeito bem diferente. Perguntamos aos leitores quais foram os carros que evoluíram de forma mais radical de uma geração a outra, e agora temos a lista com as respostas!

Nossa sugestão foi o Volkswagen Gol, que em 2008 (ano de lançamento da terceira geração) perdeu a plataforma que carregava desde 1980 e passou a ser feito sobre a muito mais moderna PQ24, a mesma do Polo, mais espaçosa, segura e com melhor dinâmica. Mas não é apenas disso que se trata a evolução de um carro entre duas gerações — podemos também estar falando de um enorme salto em termos de visual, ou de uma mudança radical na filosofia do modelo. É o que você vai ver na lista a seguir.

 

Renault Logan

renault-logan-2007

Um exemplo bastante recente e que nós, brasileiros, conhecemos bem, foi a evolução do Renault Logan da primeira para a segunda geração, em 2013 (2012 na Europa). O carro, desenvolvido em 2004 na Romênia pela Dacia e produzido no Brasil como Renault desde 2007, continuou sendo um sedã de entrada espaçoso. Contudo, se na geração anterior o preço a se pagar pelo espaço extra era um design datado, que parecia ter vindo direto da década de 1990 — algo supostamente justificado pelo fato de ser um carro desenvolvido para países emergentes.

Nov-Renault-Logan-Dynamique-34

O fato de a versão hatch, o Sandero, ter um visual bem mais moderno e harmonioso, era uma evidência de que não era bem esse o caso. Contudo, a prova definitiva veio em 2012, quando foi apresentada lá fora a segunda geração do Logan (e do Sandero). Nem parecia o mesmo carro: as linhas ficaram mais arredondadas e atuais, o interior foi remodelado e recebeu acabamento bastante superior, além de sistema de navegação nas versões mais caras.

Foi uma revolução estética, contudo: a plataforma, chamada B0 e compartilhada com o Duster, permaneceu basicamente a mesma (ainda que com um ligeiro aumento nas dimensões). Na Europa, ainda houve a adoção de um motor de três cilindros, enquanto no Brasil os motores 1.0 e 1.6 de 8 válvulas foram mantidos.

 

Honda Civic

currenthonda

Você certamente já deve ter deduzido que, quando falamos em revolução no Honda Civic, nos referimos ao lançamento da oitava geração, em 2006 — foi uma mudança verdadeiramente radical em relação à anterior.

A começar pelo visual: o Civic de sétima geração era um sedã tradicional, com três volumes bem definidos, e linhas bastante agradáveis para o que se propunha. A oitava geração inaugurou um visual mais futurista, com transição suave entre capô, teto e traseira, quase como uma linha contínua; superfícies amplas e limpas; e um visível aumento nas proporções.

2008-honda-civic-si

Por dentro, o interior inaugurou o conceito de painel bipartido, com um bloco digital em cima (onde ficava o velocímetro) e o mostrador analógico do conta-giros abaixo. Além disso, o Civic também recebeu novos motores e uma nova plataforma, projetada com foco extra na segurança (incluindo zonas de deformação que, em caso de acidente, transferiam a força do impacto pelas colunas A em direção ao teto, mantendo o habitáculo em segurança. Não foi à toa que, no Brasil, ele ficou conhecido como “New Civic” mesmo depois de não ser exatamente “new”.

 

 

Jaguar XJ

Jaguar XJ (6)

Desde 1968 a Jaguar batiza seus sedãs topo de linha como XJ — e, pasme, de 1968 a 2009 (são 41 anos), todas as gerações tiveram basicamente a mesma cara. O visual tradicional do XJ, que foi o último modelo da Jaguar a ter o envolvimento do fundador da Jaaag, Sir William Lyons, em seu desenvolvimento.

Ao longo de quatro décadas, a Jaguar disfarçava as evoluções técnicas do XJ — que incluíram diversas reduções de peso, novos motores e, em 2004, construção em alumínio — sob a mesma identidade visual: proporções conservadoras, quatro faróis redondos e uma elegância ímpar. Sem dúvida um visual clássico, mas que pedia há tempos uma atualização mais ampla.

Jaguar XJ Supersports (3)

Esta veio com a quarta e atual geração, de 2009, quando Ian Callum, chefe do departamento de design da Jaguar, decidiu que a marca deveria distanciar-se das linhas retrô e investir em modernidade. A transformação do XJ foi sua obra mais recente, na qual ele rompeu com a identidade visual proposta por George Lawson, o designer dos XJ anteriores, e criou um carro de visual muito mais contemporâneo. Contudo, há quem acredite que o atual XJ perdeu a essência dos modelos anteriores.

 

Renault Twingo

tumblr_nffwhrHPx11u1doeuo1_1280

Você certamente já viu um Twingo por aí: o pequeno monovolume francês foi lançado por aqui em 1992 e, com cores alegres (por dentro e por fora), espaço interno surpreendente (especialmente graças ao banco traseiro sobre trilhos, que podia priorizar espaço para carga ou passageiros), e visual simpático, era um excelente carro urbano, mas não teve sua proposta bem compreendida pelo brasileiro — algo parecido com o que aconteceu com o Ford Ka cinco anos depois.

Renault Twingo RS

Na Europa, porém, o Twingo fez bastante sucesso e, em 2007, ganhou sua segunda geração. Mais tradicional em termos de design, o Twingo II continuava sendo um hatch de motor transversal e tração dianteira e também vendeu muito bem — com direito, inclusive, a uma versão Renaultsport com motor 1.6 de 135 cv. Para a terceira geração, porém, a Renault decidiu radicalizar.

Captura de Tela 2015-05-02 às 15.57.13

Lançado em 2014 na Europa, o novo Twingo trouxe de volta um conceito que andava meio esquecido no segmento dos subcompactos: o motor traseiro — graças à plataforma desenvolvida em conjunto com a Smart (e compartilhada com os novos ForTwo e ForFour), o Twingo tem motor e câmbio integrados ao eixo traseiro, o que permite um aproveitamento impressionante do espaço interno sem dispensar um porta-malas convencional (ainda que meio raso). Porém, diferentemente da Brasília do Senhor Barriga, o Twingo não tem um porta-malas na dianteira — lá, só ficam a bateria e os reservatórios para fluidos.

 

Nissan Skyline GT-R

gt-r

O Nissan Skyline GT-R R34, produzido de 1999 a 2012, foi o auge de uma linhagem iniciada em 1989, quando a fabricante japonesa lançou a geração R32 de seu esportivo mais famoso. A receita você conhece: seis-em-linha biturbo de 2,6 litros e 280 cv, câmbio manual e tração integral envoltos por uma carroceria cupê de três volumes e linhas para lá de agradáveis, fórmula que foi mantida por doze anos.

Contudo, quando o Skyline assumiu uma personalidade mais pacata para a nova geração, em 2003, a Nissan decidiu aposentar a linhagem GT-R, ao menos por um tempo.

gt-r

Quando retornou, em 2007, era um carro totalmente diferente: nova plataforma, motor V6 de 3,8 litros que, com dois turbos, entregava 492 cv, e um visual bem mais agressivo — acompanhado de um aumento significativo nas dimensões, especialmente no peso, de 1.500 para mais de 1.700 kg.

Só que a mudança tinha uma boa razão: com o novo GT-R, a Nissan queria andar junto de superesportivos muito mais caros e potentes, como a Ferrari 458 Italia. Suas armas: a potência, a tração integral e uma verdadeira legião de sistemas eletrônicos para que o piloto consiga desafiar a física e extrair o máximo do conjunto (explicamos tudo, em detalhes, em um especial com duas partes aqui e aqui). Antes, o Skyline GT-R era um esportivo mais puro, à moda antiga; hoje, é uma verdadeira obra prima de engenharia.

 

Mercedes-Benz Classe A

MercedesW168

O Classe A veio ao mundo em 1997 com uma proposta incomum: era um hatchback com jeitão de minivan/monovolume e um chassi tipo “sanduíche”. Originalmente seu conceito vislumbrava um powertrain elétrico, mas a Mercedes viu a possibilidade de lançá-lo como um modelo de entrada e assim o fez.

O problema é que o chassi sanduíche embora favorecesse o espaço interno e a segurança dos passageiros em colisões, também elevou o centro de gravidade do carro e o resultado foi esse:

A Mercedes precisou recolher as primeiras unidades para recalibrar a suspensão e, para garantir que o hatchback não voltasse a aprontar, deu a ele toda a suíte de sistemas ativos de segurança do Classe S, o que incluía controle de tração, estabilidade e distribuição de força de frenagem. O carro fez relativo sucesso na Europa, mas não no Brasil. Sua reputação foi maculada pela manutenção elevada em comparação a outros modelos e também por que muita gente não entendeu o câmbio 4+E dos primeiros modelos e achou o carro sem fôlego. A fábrica de Juiz de Fora/MG produziu em seis anos o que previa produzir anualmente, pouco mais de 50.000 veículos.

Em 2005 veio a nova geração, ainda baseada na arquitetura antiga, com o chassi duplo, mas agora com motores de até 193 cv e câmbio manual de seis marchas. O sucesso também foi relativo na Europa, mas no Brasil somente 60 unidades foram importadas e em seu lugar a Mercedes trouxe o Classe B.

MercedesW176

Nesse meio tempo a BMW lançou o Série 1 e a Audi consolidou seu A3 como hatches de entrada. O Classe A, que sempre foi um carro sem lugar no mundo, recebeu a missão de se transformar em um concorrente para a dupla. Assim, a Mercedes revolucionou o modelo em sua terceira geração, abandonando de vez o visual “hatch de dois andares” e fazendo dele um verdadeiro hatchback, com chassi baixo, frente mais longa e traseira curta. Melhor ainda, ele virou um esportivo de verdade na versão A45 AMG, com direito a um belo 2.0 turbo de 360 cv (bem melhor que os 193, não?) e tração integral, superando seus rivais RS3 e M135i.

Como se não bastasse, a reformulação permitiu que ele constituísse família: agora além do hatchback, ele ganhou um sedã com ares de cupê (CLA, que avaliamos aqui), um crossover equilibrado (veja nossa avaliação aqui) e, futuramente, uma perua/shooting brake. Nada mal para quem começou com um fiasco.

 

Ford Mustang

Mustang5th

Até sua quinta geração o Mustang foi uma piece de resistance dos muscle cars old school. Além do visual retrô, que o tornou novamente um sonho de consumo, ele também incorporava a receita clássica dos muscle cars, criada há mais de cinquenta anos: um enorme V8 na dianteira, um eixo rígido na traseira e um câmbio automático ou manual ligando os dois. Essa configuração garantia a brutalidade e robustez, e o mantinha ligado diretamente às suas raízes.

O problema é que a ligação era demais: Camaro e Challenger vieram em seguida com o mesmo visual retrô, inspirado em seus antepassados famosos, mas por baixo eles eram carros modernos. O Camaro veio com a mesma plataforma do Holden Monaro (também conhecido como Omega australiano), com suspensão multilink na traseira, enquanto o Challenger veio baseado no Charger/300C, que é uma plataforma da época da Daimler-Chrysler feita com elementos do Mercedes Classe E W211.

O Challenger ficou um tanto pesado, afinal, ele tem o porte de um sedã médio-grande, mas o Camaro se mostrou um excelente carro de pista — especialmente em suas versões mais desenvolvidas, como Z28 e ZL1. O Mustang ainda tinha um desempenho brutal, chegando a um empate técnico com o BMW M3 E92 em um comparativo na Europa, mas ainda era um carro muito difícil de domar — especialmente nas versões superpotentes como os GT500 KR e SuperSnake. A força bruta estava se tornando bruta demais para o eixo rígido e todas as suas limitações — incluindo o wheel hop, um movimento vertical indesejado das rodas traseiras que pode acontecer em arrancadas e compromete a tração.

Mustang2015

Mas em 2014 a história mudou: ameaçado pelo Camaro, o Mustang foi totalmente reformulado pela Ford para finalmente entrar no século 21 e se preparar para o futuro. O chassi ficou mais leve e mais rígido com a adoção de ligas de aço de alta resistência, e os motores ficaram ainda mais eficientes, partindo de 304 cv na versão V6 e chegando perto dos 441 cv no novo V8 5.0 — sem contar a versão EcoBoost, com um 2.3 turbo de 314 cv capaz de rodar mais de 10 km/l.

Mas principal inovação, claro, foi a suspensão traseira. O eixo rígido dos anos 1960 finalmente deu vez a uma configuração multilink que promete mais tração e melhor comportamento dinâmico. O visual também abandonou o estilo retrô, o que poderia ser um problema na hora de evoluir o carro futuramente, e as versões radicais do modelo, como o GT350 e GT350R ganharam uma variação do motor V8 Coyote com deslocamento ampliado para 5,2 litros e virabrequim de plano cruzado para produzir mais de 500 cv e respostas mais rápidas, permitindo que ele faça frente a rivais europeus e japoneses, uma vez que será oferecido oficialmente também no Velho Mundo.

Com a evolução da quinta para a sexta geração, o Mustang deixa de ser apenas um american muscle para se tornar também um esportivo de nível mundial.

 

Porsche 911

Porsche993

Se há algo que orgulha a Porsche é a constante evolução do 911 sem que o modelo abra mão de sua tradição — por tradição entenda “motor pendurado na traseira e tração nas rodas de trás”. Mas o tempo não para, você sabe, e a concorrência mais desapegada a certas tradições seguiu evoluindo sem receios.

Nos anos 1980 a Porsche já havia dado o primeiro passo evolutivo, lançando a geração 964 com tração integral e câmbio automático com trocas manuais Tiptronic — o que não agradou os mais puristas. Em 1993 foi a vez do 993, que ganhou faróis integrados e uma nova carroceria targa um pouco diferente das anteriores, com teto de vidro deslizante, em vez da seção central removível. Contudo, o motor boxer arrefecido a ar continuava pendurado na traseira em ambos os casos.

Porsche996

O negócio esquentou (em todos os sentidos) com a chegada da geração 996, um marco na história do 911. Com normas de emissões e consumo cada vez mais rígidas o motor boxer a ar teve que ser substituído por um motor arrefecido a água, o que mudou significativamente a personalidade e até o comportamento do carro. O visual também teve alguma controvérsia, especialmente nos primeiros anos, quando o 911 compartilhava a dianteira com o Boxster por uma questão de custos.

Os puristas foram à loucura, mas a evolução é um caminho sem volta e absolutamente necessária para a sobrevivência do modelo. Felizmente, o 911 voltou a ter um visual mais convencional na geração seguinte, a 997 e atingiu seu auge evolutivo na atual geração, 991, com recursos de alta tecnologia, como diferencial com vetorização de torque, injeção direta de combustível e esterçamento ativo das rodas traseiras.

Acha que ficou faltando algum? Não deixe de se manifestar nos comentários!

Matérias relacionadas

Os carros mais icônicos da série Grand Theft Auto

Dalmo Hernandes

Os carros mais legais que você pode comprar gastando entre R$ 35 mil e R$ 40 mil – parte 1

Dalmo Hernandes

As piores gerações de alguns dos carros mais legais já feitos – parte 2

Dalmo Hernandes