A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Motos

A curiosa história da marca que fez a mesma moto por 60 anos

Em 1851, um homem chamado George Townsend abriu uma fábrica de agulhas em Redditch, Worcestershire. É o mesmo lugar de onde vem o famoso molho inglês – que hoje pode ser encontrado em qualquer lugar do mundo e nem sempre (ou melhor, quase nunca) é, de fato, feito na Inglaterra.

Pois aquela fábrica de agulhas, cinquenta anos depois, daria origem a uma fábrica de motocicletas que, hoje, é considerada a mais antiga do mundo ainda em atividade: a Royal Enfield. Há um pouco de licença poética aqui, pois a atual Royal Enfield só carrega o nome da empresa original. As Royal Enfield atualmente são produzidas em Chennai, na Índia, e exportadas para o mundo todo. Ainda assim, é um feito admirável – especialmente porque eles ainda fabricam motocicletas à moda antiga.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O filho de George Townsend, que herdou o nome do pai, foi o grande responsável: foi ele que, em 1882, decidiu expandir as atividades da empresa da família fabricando peças para bicicletas – pedais, bancos, garfos, esse tipo de coisa. Daí para montar bicicletas inteiras foi questão de tempo: as primeiras começaram a ser feitas em 1886. Depois, vieram as motos.

Não foi uma transição muito suave, porém: em 1891, a empresa dos Townsend não ia bem financeiramente e quase entrou em colapso. Isto só não aconteceu porque uma fabricante de armas, a Royal Small Arms Factory, assumiu o negócio – eles estavam interessados no ferramental, com o qual seriam produzidas peças para rifles. Sua fábrica ficava em Enfield, no norte de Londres.

O primeiro veículo motorizado da Enfield foi um quadriciclo motorizado – não muito diferente de duas bicicletas montadas lado a lado com um motor DeDion no meio – que ficou pronto em 1898, mas não deu muito certo e abortou qualquer ambição de fabricar veículos de quatro rodas.

 

Bem mais promissoras eram as motos, que nunca deixaram de ser estudadas. A primeira delas, um protótipo com motor Minerva de 1,5 cv, era uma moto altamente experimental, com o motor montado na frente do guidão e ligado à roda traseira por uma longa cinta. Também não deu muito certo, por razões óbvias.

A primeira moto Enfield a realmente dar certo foi apresentada em 1909. Ela era equipada com um V-twin (montado, felizmente, no local tradicional) de 297 cm³, e ganhou sua versão de produção em 1910. Em 1911, contratada pelo exército real britânico para fornecer equipamentos militares, a Enfield passou a se chamar Royal Enfield, adotou o slogan “Made Like a Gun” (“Feita Como uma Arma”, em tradução litera) e passou a usar o desenho de um canhão em seu emblema.

Motos Royal Enfield de dois e quatro tempos, algumas delas com sidecars e suportes para metralhadoras, foram aproveitadas pelos ingleses durante a Primeira Guerra Mundial – o que garantiu que a empresa tivesse fundos para desenvolver mais motos após o conflito, que terminou em 1918.

As motos da Royal Enfield, inicialmente, não tinham nomes – elas eram identificadas apenas pela cilindrada do motor. Mas isto não as tornava menos marcantes: na verdade, a Royal Enfield foi responsável por algumas inovações importantes. Eles foram uma das primeiras fabricantes a colocar o tanque de combustível acima da barra superior do quadro, por exemplo – antes disto, o costume era que a peça ficasse encaixada no meio do quadro, mais próxima do motor e menos protegida no caso de um acidente.

Contudo, a Royal Enfield só conseguiu projetar-se como uma grande fabricante de motocicletas em 1931, quando foi lançada a Bullet, seu modelo de maior sucesso. O nome vinha do motor, um monocilíndrico de quatro válvulas e 350 ou 500 cm³ de deslocamento. Por sua vez, o motor foi batizado assim como referência à sua ligação com a indústria das armas.

Em 1949, a Bullet foi uma das primeiras motos do mundo a receber suspensão traseira com molas — antes, ela tinha o chassi rígido na traseira (conhecido como “rabo duro”) e o único meio de absorção de impactos eram as molas sob o banco.

Naquele mesmo ano, a Bullet começou a ser exportada para a Índia, pois governo do país queria dar motos a seus policiais e militares para facilitar o  patrulhamento da fronteira. A moto da Royal Enfield parecia perfeita, e a Índia fez uma enorme encomenda. Foi questão de tempo até que uma fabricante local, a Madras Motors, procurasse a Royal Enfield com o desejo de se tornar uma divisão indiana da marca e começasse, a montar Bullets sob licença, usando componentes importados do Reino Unido.  Isso aconteceu em 1955, e dois anos depois, a Madras — então rebatizada como Enfield India – comprou o ferramental britânico para produzir sozinha os componentes necessários para a fabricação das motocicletas.

 

Contudo, o que parecia só um investimento extra acabou salvando o legado da Royal Enfield.

Em meados da década de 1960, fabricantes japonesas invadiram o Reino Unido com motos mais baratas, modernas e confiáveis. A Royal Enfield, até então uma potência das motocicletas no país, foi perdendo mercado até ser forçada a deixar de fabricar motos em 1967. A empresa ainda sobreviveu fabricando equipamentos de precisão para armas, mas fechou as portas em 1971. Contudo, a atividade na Índia continuou firme e forte, tendo a Bullet como principal produto.

E assim foi por mais de três décadas, até que, em 1994, a Enfield India comprou os direitos para usar o nome Royal Enfield. Foi o renascimento da lenda, possível graças a um modelo que não havia mudado nada desde 1955.

 

Depois da compra do nome, a Bullet foi modernizada, ganhando um aspecto mais contemporâneo (mas só um pouco) e tecnologia mais moderna, como ignição eletrônica e amortecedores a gás. Para a alegria dos fãs, porém, o modelo tradicional foi mantido, porém agora chamado “Classic”.

Graças a esta decisão, a Royal Enfield cresceu muito no setor de nicho. Ano após ano, a empresa expandia suas atuações até que, hoje, exporta motos para mais de 20 países.

Olhar para uma Classic era voltar no tempo, em todos os sentidos. Ela era bem pequena e leve — 2,18 m de comprimento e 183 kg. O motor não mudou muito ao longo das décadas: continuava sendo um monocilíndrico com pistões de 84 mm de diâmetro por 90 mm de curso e comando de válvulas no bloco, capaz de entregar 27,2 cv a 5.200 rpm e 4,21 mkgf de torque a 4.000 rpm. A diferença é que, desde 2007, o motor tem injeção eletrônica e partida elétrica.

 

A mudança no motor foi uma das razões para que a Royal Enfield se popularizasse nos últimos anos — a ponto de, no ano passado, a companhia inaugurar mais uma fábrica na Índia e dobrar  a capacidade de produção para suprir a demanda internacional. O que inclui o Brasil.

 

As motos são importadas desde 2012 da Índia, e o único modelo disponível é a Classic 500, oferecida em várias cores. Cada uma das cores recebe um nome especial — Classic Green, Chrome Black, Desert Storm e traz visual exatamente igual ao que era há mais de 60 anos.

 

Obviamente, quem quer uma Royal Enfield não está muito preocupado com eficiência ou custo-benefício — a anglo-indiana tem estilo de sobra e um charme único, e talvez o mais próximo que se pode chegar de voltar à década de 50 e comprar uma moto.

Foi uma manobra acertada, a dos indianos. Depois do sucesso da Classic, a nova Royal Enfield anunciou em 2015 a compra de uma pequena fabricante britânica chamada Harris Performance Products. O objetivo era simples: tornar a Royal Enfield uma marca genuinamente britânica outra vez. A compra incluiu um centro de pesquisa e desenvolvimento em Leicestershire, no leste da Inglaterra. Pouco depois, a Royal revelou a dual-sport Himalayan.

 

Era um produto completamente diferente da Classic, sem ligação direta com o passado da Royal Enfield em si, mas ainda assim com visual clássico e uma proposta acessível, tanto para o bolso quanto para as habilidades do motociclista – incluindo um motor monocilíndrico de 411 cm³, quadro desenvolvido do zero, injeção eletrônica e ABS. Sua proposta é ser uma motocicleta multiuso, que fique à vontade na rua, nas rodovias e nas estradas de terra. Ela foi lançada na Índia em 2016 e chegou ao Brasil três anos depois, em 2019 – e tudo indica que ela terá uma vida longa na configuração atual.

A primeira Royal Enfield moderna desenvolvida na Inglaterra, por sua vez, foi a Interceptor 650, que foi anunciada em 2017, lançada em 2018 e começou a ser vendida em 2019 ao lado de sua irmã, a Continental GT 650. Ambas usam o mesmo motor de 648 cm³ e 47 cv, mas suas propostas são ligeiramente distintas: a Interceptor 650 é a sucessora direta da Classic, descontinuada no ano passado, e a Continental GT se propõe a ser uma cafe racer clássica. As três compõem a linha atual da Royal Enfield no Brasil, mas logo devem ganhar uma companheira: a Meteor 350, modelo de entrada que já está à venda na Índia desde o ano passado. Fala-se até em fábrica no Brasil – é a tradição britânica totalmente globalizada.

Matérias relacionadas

Buell Motorcycle Company: o nascimento, o auge e a queda da inovadora fabricante americana

Dalmo Hernandes

Yamaha YZ250: a história da lendária “Yammy YZ”

Dalmo Hernandes

Por que a Harley-Davidson perdeu o apelo entre os jovens? Como recuperá-lo?

Dalmo Hernandes