FlatOut!
Image default
Zero a 300

São Paulo reduz limite de velocidade para 40 km/h em 24 ruas, Honda City hatchback chega em dezembro, o Lancer Evolution mais caro do mundo e mais


Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco!

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Prefeitura de São Paulo reduz limite de velocidade de 50 km/h para 40 km/h em 24 ruas e avenidas

A prefeitura de São Paulo reduziu de 50 km/h para 40 km/h o limite de velocidade em 24 ruas e avenidas. O novo limite já está em vigor desde a última segunda-feira (3).

A redução faz parte do Plano de Segurança Viária da Secretaria da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes da cidade, e também está de acordo com as diretrizes estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) na Segunda Década de Ação pela Segurança no Trânsito (2021-2030), que estabelece uma série de metas e sugere ações para reduzir acidentes e fatalidades em todo o planeta nos próximos dez anos. Na prática, isso quer dizer que a redução do limite de velocidade segue ações semelhantes em outros países, e que novas mudanças do tipo devem ocorrer.

A lista com os 24 logradouros que tiveram o limite de velocidade reduzido pode ser conferida aqui.

 

Honda City hatchback deve chegar em dezembro, antes do sedã

Enquanto há incerteza sobre o futuro do Honda Civic no mercado brasileiro, muito mais certa é a chegada do novo Honda City ainda nesse ano. De acordo com o levantamento feito pelo site Automotive Business, o carro será lançado em dezembro e, em uma manobra interessante, virá primeiro como hatchback.

O carro em si já é conhecido: foi revelado na Tailândia, primeiro como sedã, no fim de 2019, enquanto o hatchback foi mostrado em novembro de 2020. Sétima geração no mercado global desde 1981, o novo City é o maior até agora – com 4,55 m de comprimento e 1,75 m de largura, ele é um pouco maior que o Civic de nona geração (lançado em 2011, sucedendo o New Civic) e ficou mais refinado no design e no acabamento. Além disso, sua plataforma já vem preparada para motorização híbrida, oferecida lá fora.

Nos países asiáticos o novo City adota um novo motor 1.0 turbo de três cilindros com 122 cv e 17,6 kgfm de torque. No Brasil, porém, ele deve seguir com o quatro-cilindros aspirado de 1,5 litro já empregado no modelo atual – que deve receber uma atualização, passando dos 116 cv que entrega hoje a pelo menos 130 cv. O câmbio CVT com sete marchas simuladas deve permanecer.

A opção da Honda pelo hatchback será uma solução para o problema do Honda Fit, cuja nova geração não deve ser lançada no Brasil tão cedo, pois trouxe novas tecnologias e pode ficar cara demais para nosso mercado. Com um veículo feito sobre a mesma plataforma, porém mais espaçoso, o apelo pode ser maior.

Ainda segundo o Automotive Business, o City sedã – vendido no Brasil desde 2009 em duas gerações – deve chegar em janeiro de 2022. Mas as datas de lançamento, tanto do hatchback quanto do três-volumes, podem sofrer alterações por conta da pandemia e suas consequências, principalmente a instabilidade do mercado e do fornecimento de componentes.

 

Lancer Evolution VI Tommi Mäkinen Edition é vendido pelo equivalente a R$ 740.000

Como bom esportivo japonês com pedigree de competição, o Lancer Evolution coleciona uma legião de fãs e entusiastas e tem um mercado bem aquecido. Mas alguns exemplares podem alcançar cifras realmente impressionantes. Como este Lancer Evo VI Tommi Mäkinen Edition, foi leiloado nesta semana por exatas £ 100.100. São exatos R$ 740.860 em conversão direta.

O Evo VI TME, como é conhecido, foi uma série especial, lançada em 2000, em homenagem a Tommi Mäkinen, que foi campeão no WRC quatro vezes seguidas ao volante do Evo entre 1996 e 1999. Usava o mesmo motor 4G63 do Evo VI comum, mas vinha com faixas inspiradas pelo carro de rali, para-choque exclusivo, rodas Enkei, volante Momo revestido em couro e emblemas específicos.

Foram feitos 2.500 exemplares, o que torna o Evo TME bem raro. Mas não é por isso que o exemplar leiloado custou tão caro, mas sim porque ele pertencia à Mitsubishi Heritage Collection, acervo da fabricante no Reino Unido que teve todos os seus 14 veículos anunciados.

O Evo VI tem cerca de 16.000 km rodados, ficou aos cuidados da própria Mitsubishi desde novo, e foi usado esporadicamente em eventos e testes feitos pela imprensa. O valor de £ 100.100 faz dele o Lancer mais caro do mundo já vendido em um leilão, superando as £ 99.000 (R$ 731.000) pagas por um Evo IX em 2017.

 

Romain Grosjean fará teste com Mercedes-AMG W10 em Paul Ricard

A Mercedes F1 confirmou nesta semana que Romain Grosjean fará um teste com o Mercedes-AMG W10, carro da temporada de 2019. Será a primeira vez que Grosjean volta, oficialmente, a sentar em um carro de Fórmula 1 desde seu acidente no GP do Bahrein, em novembro de 2020.

Grosjean dará uma volta de exibição com o Mercedes-AMG W10 no circuito de Paul Ricard. A data ainda não foi definida, mas acontecerá às vésperas do GP da França, marcado para o próximo dia 27 de junho. No dia 29, está marcada uma sessão de treinos oficial no mesmo circuito.

O impressionante acidente de Grosjean deixou seu carro partido ao meio, envolto em uma bola de fogo. O piloto conseguiu sair andando, mas sofreu queimaduras graves nas mãos e, por isso, não pode participar das duas últimas corridas do ano.

Pouco depois do acidente, Toto Wolff prometeu que, assim que Grosjean estivesse apto, ficaria feliz em providenciar um carro para uma sessão de treinos. Vemos que ele cumpriu a promessa. Será, porém, apenas um passeio: Grosjean agora corre na Indy, pela equipe Dale Coyne Racing.

 

Alfa Romeo Giuliietta sai de linha após 11 anos

A Alfa Romeo agora só tem dois carros em sua linha: o sedã Giulia e o SUV Stelvio. O Alfa Romeo Giulietta, hatchback lançado em 2010, foi descontinuado em todos os mercados. O anúncio já havia sido feito em abril de 2020, quando ainda havia estoque para mais alguns meses. Agora, com o fim da oferta no Reino Unido, o Giulietta é definitivamente parte do passado.

O Alfa Romeo Giulietta era construído sobre a plataforma Fiat Compact, que também foi usada pelo malfadado Dodge Dart (e por seu primo gêmeo, o Fiat Viaggio), em uma variante com entre-eixos longo. Seu antecessor foi o Alfa Romeo 147, que também teve vida longa – foi produzido entre 2000 e 2010.

Agora, a Alfa Romeo aguarda a chegada do Tonale, seu SUV compacto, que virá preencher o nicho deixado pelo Giulietta com um veículo mais adequado à atual realidade do mercado. “A tendência entre as fabricantes é ter um SUV no segmento dos compactos, e é exatamente isso que o Tonale vai ser: o substituto do Giulietta”, declarou Fabio Migliavacca, diretor de marketing da Alfa Romeo, à revista Autocar em 2010. “Mas ele terá dinâmica comparável à do Giulietta, apesar de ser um SUV. Não achem que o comportamento dinâmico será um ponto fraco do Tonale”, finalizou.

Mas o Tonale só chega em 2022. Ele seria lançado ainda neste ano, mas o novo CEO da Alfa Romeo, Jean-Philippe Imparato, pediu que os engenheiros dedicassem mais tempo à performance das variantes híbridas.

 

 

Este Uno 1.5R pode ser seu!

Participe!

Clique aqui e veja como

Compartilhe agora