A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos

Silvertape já era. Essa superfita foi capaz de “soldar” a gaiola de proteção de um carro

Se você é do tipo que faz reparos por conta própria — permanentes ou não — já conhece o kit de reparo rápido do homem moderno: WD-40 para soltar o que deveria se mover mas não se move, e silvertape para prender o que deveria estar preso mas não está. Funciona tão bem que até virou piada na internet, o “fluxograma da engenharia”:

FluxogramaFlatouterManjador

O FlatOut também tem sua versão…

Embora o desengripante (e seus concorrentes de qualquer marca) ainda seja a melhor solução permanente para soltar coisas presas (especialmente porcas e parafusos empoeirados, alavancas emperradas e afins), a silvertape só vai servir para fazer um belo remendo que não irá durar muito antes de voltar a quebrar.

Deve ser por isso que uma empresa americana inventou uma fita “100 vezes mais forte que a silvertape”, e capaz de substituir até mesmo soldas metálicas. E para quem duvida, eles fizeram uma gaiola de proteção para um carro usando somente a tal fita para prender os tubos e o atiraram do alto de um penhasco. Sem uma única solda (ou quase isso). Primeiro eles jogaram um carro com a gaiola unida por silvertape e depois jogaram um carro com a gaiola unida pela tal fita. Veja só o que acontece:

Impressionante, não? Mas você deve estar se perguntando qual é o truque, afinal, vídeo parece um daqueles comerciais falsos do Funny or Die e outros sites de comédia, mas acredite: ele é bem real. E a gaiola feita da fita também.

O nome do negócio é FiberFix, e como seu nome sugere, ela não é uma mera fita adesiva, mas sim uma tira composta por uma trama de fibras com resina para ter aderência e rigidez. É praticamente fibra de vidro em forma de fita. Para usá-la, você precisa molhar a tira com um pouco de água para “ativar” a resina. Daí basta aplicar o pedaço onde o reparo deve ser feito, esperar a resina endurecer e voilà. Está preso para sempre. Pode até lixar e pintar.

Logicamente dependendo da rigidez necessária você precisará de mais pedaços de fita, e ela também tem o inconveniente do tempo de cura total, que é de 24 horas como a maioria das resinas. Apesar disso, a resina começa a endurecer em menos de 10 minutos e já pode ser usada com a devida cautela nesse primeiro momento.

Embora não seja a primeira “fibra de vidro em tiras” do mundo, seu fabricante garante que ela é a prova de água, impactos e resistente à tração (não estica ou deforma se puxada ou forçada).  A FiberFix deu as caras em 2013, quando seus desenvolvedores apareceram no programa “Negociando com Tubarões”, apresentando o produto e seu potencial para tentar uma parceria com os investidores participantes do programa. Desde então o produto foi aprimorado, assim como suas variações de venda — diferentemente da silvertape, a FiberFix não é vendida em rolos de tamanhos diversos, e sim em kits com pedaços e formatos diversos que variam de US$ 25 a US$ 100 (R$ 80 a R$ 320). Há até mesmo uma versão resistente a altíssimas temperaturas:

Ah, antes de terminar, se você ainda não está convencido sobre a gaiola e acha que os caras apenas esconderam a solda com a fita, os produtores do comercial, a Harmon Brothers, divulgou um making of do vídeo.

Nos dois carros as gaiolas foram soldadas na parte inferior do carro em oito pontos fundamentais. Depois elas foram montadas com apenas um pingo de solda para manter a estrutura firme para que as fitas pudessem ser enroladas, mas essa pequena solta não-estrutural foi tudo o que eles usaram. Para manter os carros leves (são dois Geo Metro, uma versão americana do Suzuki Swift de primeira geração), motor, câmbio e vidros foram removidos e eles foram controlados remotamente por motores elétricos. Só os freios e direção foram mantidos.

 

Apesar destes truques, ainda é realmente impressionante ver uma gaiola unida por uma tira de fibra e resina proteger um monobloco com rodas de, digamos, 500 ou 600 kg, rolando de um penhasco, não?

Matérias relacionadas

De volta para o presente: o Hoverboard da Lexus flutua de verdade (mas não como você pensava)

Um Série 1 com o motor V10 do M5 é o engine swap mais incrível que se pode fazer com um BMW

Dalmo Hernandes

Você transformaria sua Ferrari Testarossa em uma F40?

Dalmo Hernandes