A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos FlatOut Classics

Tiago e seu Fiat Uno 1.5 R frente alta | FlatOut Classics

O quadro FlatOut Classics se dedica ao antigomobilismo e aos neocolecionáveis (youngtimers) estrangeiros e nacionais, dos anos 20 ao começo dos anos 2000. Carros originais ou preparados ao estilo da época.
São matérias especiais, feitas para serem saboreadas como as das clássicas revistas que amamos.
Clique aqui para acessar o índice com todas as matérias do quadro.

Uma paixão difícil de explicar

Nos últimos anos o Fiat Uno tornou-se uma espécie de ícone da Internet. Se você frequenta as redes sociais, em especial o Facebook, deve ter visto até mesmo alguns amigos não-entusiastas ou não-gearheads compartilhando memes do “Fiat Uno com escada no teto”. Isto, para mim, só prova o carisma do Uno. Que, não deve ser segredo para ninguém, é meu carro brasileiro favorito.

Tentar explicar o que me atrai tanto no Fiat Uno é simples e complicado ao mesmo tempo. Simples porque é fácil listar as razões técnicas: é um carro leve, econômico, com boa ergonomia, barato de manter e barato de cuidar. E complicado porque, bem… é algo que vai além disso. Do ponto de vista entusiasta, as razões técnicas que acabei de citar fazem do Uno apenas uma excelente ferramenta de locomoção. É difícil explicar que, mesmo existindo carros mais potentes, mais modernos, mais equipados e mais seguros, não consigo encontrar tanto prazer na condução de outro carro. E nem precisa ser um Uno esportivo – o simples Mille que uso rotineiramente para andar na cidade e viajar é, para mim, o melhor carro que posso ter.

Mas este post não é sobre mim. É sobre o Uno 1.5 R de Tiago Giusti – e, vejam só: enquanto eu conversava com ele sobre o carro, descobri que pensamos da mesma forma. Ele também sofre para explicar a paixão que sente pelo Uno. Mas, ao fim do nosso papo, consegui entender perfeitamente.

Coisa de família

Uma coisa que eu percebi: quem gosta do Uno gosta de verdade – não é mera afeição. É paixão, mesmo. E geralmente vem de família – acho que gosto tanto do Fiat Uno porque meu pai teve três, e eu aprendi a dirigir em um ELX 1995. Coincidentemente, Tiago, que mora em São Bernardo do Campo (SP), também aprendeu a dirigir em um ELX – mas em um 1994. É como se apaixonar por alguém no ensino médio – você pode até amar outras pessoas depois, casar e construir uma vida. Mas sempre vai pensar em como seria se você tivesse engatado em um relacionamento com aquele alguém especial. A diferença é que, bem, você sempre pode comprar um Uno… mesmo que tenha outros carros.

Tiago conta que o fato de ter aprendido a dirigir em um Uno marcou muito para isto. E é coisa de família – no início da década de 1990, seu pai tinha um Uno, e mais quatro tios também tinham os seus. “E meu primo também teve um Uno CS 1988 marrom, com motor 1.3 a álcool, e saíamos bastante com ele”. Dá para entender, não dá? Geralmente, quando alguém gosta bastante do Uno, o motivo é a convivência.

As lentes rosadas da nostalgia

Ao todo, Tiago já teve quatro exemplares do Fiat Uno, de todas as eras: um Fire 2004, um Sporting 2012, e dois R. O primeiro R foi um MPI 1992, Azul Caribe, que logo deu lugar ao exemplar em questão. “Eu havia comprado o MPI havia pouco tempo mas, quando vi o 1988 Azul Itapema anunciado, não aguentei: tive que comprar.” Os uneiros que estão lendo isto já devem ter sacado o motivo.

“Era este o que eu mais procurava, por ser da primeira safra. A frente alta e o painel satélite são o ponto alto”, diz Tiago, citando talvez as duas características mais admiradas pelos fãs do Uno. Mas não é só isto. “Costumo dizer que a linha 1987/88 do R são o puro sangue dos esportivos Fiat”, explica Tiago. “Não são tão eficientes quanto os injetados, mas têm toda a nostalgia, pelo motor a álcool e pelo afogador.”

De fato, o Uno 1.5 R original não era um carro forte – o Sevel de 1,5 litro com carburador e comando simples no cabeçote desenvolvia 85 cv a 6.000 rpm e 12,9 kgfm de torque. A seu favor, porém, ele subia de giro rápido e tinha a suspensão muito bem acertada – além de pesar apenas 920 kg. Ele ia de zero a 100 km/h em 12,4 segundos e tinha máxima de 163 km/h. Mas o fato de ser um carro muito orgânico, sem filtros, e suas dimensões reduzidas, garantiam uma sensação de velocidade bem acentuada. E uma condução divertidíssima, como qualquer um que tenha acelerado um Uno (do jeito certo, claro) pode atestar.

Novamente, podem existir carros mais velozes, mais potentes, mais lendários – nem precisam ser mais modernos. Mas, uma vez que o Fiat Uno te conquista, fica difícil admitir que outros carros, talvez, possam ser melhores…

Uma compra certeira

Tiago se deu bem: seu 1.5 R, comprado em 2018, havia passado os dez anos anteriores nas mãos de um dono cuidadoso, que por sua vez já havia pego o carro em boas condições. Quem já tentou encontrar um R todo original e bem preservado sabe que isto é difícil de achar – muitos proprietários fizeram a conversão para a “frente baixa” ainda na década de 1990, quando descobriram que era muito fácil promover o facelift por conta própria. E, quando isto não ocorre, o carro simplesmente está cansado demais, ou muito rodado.

No geral, o estado do carro era muito bom. Não foi preciso restaurar, apenas refazer a pintura na tonalidade original, pois a mesma estava queimada. Os itens de acabamento que faltavam foram garimpados – poucos, para falar a verdade – e, por dentro, apenas o revestimento dos bancos dianteiros foi refeito, pois estava desgastado. Mas a padronagem é igual à de fábrica.

O resultado é um carro visivelmente alinhado e íntegro, com tudo no lugar, incluindo faixas e emblemas, a icônica tampa traseira em preto fosco, os desejados faróis auxiliares (e não de neblina, como muitos pensam) Cibié Serra II, e as calotas – que são mais raras e cobiçadas que as rodas de liga leve de 13 polegadas. Não há muito mais o que comentar quanto a isto, francamente.

“Defeitos” que amamos

Atualmente, o 1.5 R é o único antigo de Tiago – um carro “para curtir em um fim de semana de sol, sábado de manhã, com o carro limpinho”, simples assim. E talvez seja esta a magia dos R: eles podem não ter o desempenho mais explosivo entre os esportivos da década de 1980, mas eles são simplesmente deliciosos de guiar pelo que oferecem. Na opinião pessoal de Tiago, tem a ver com a excelência do projeto. “É um carro gostoso de dirigir até hoje, diferentemente de outros carros de 30, 40 anos atrás.”

Mas a paixão se estende para os outros Fiat. “Além do ELX, também teve uma 147 City 86, que meu pai usava para trabalhar. Aquela terceira marcha, e o trambulador sambando, me ensinaram e marcaram muito”, diz Tiago, nostálgico. “Você tinha que procurar a terceira, e engatar no tempo certo! São os defeitinhos dos Fiat que a gente aprende a gostar.”

E é por isso que, além do Uno, Tiago procura um 147 – talvez uma das primeiras picapes, o modelo carinhosamente apelidado “saboneteira” por causa da caçamba curta; ou um 147 Rallye. Ambos para manter originais. Nem todo mundo entende esse meu gosto”, diz Tiago, bem humorado. E passamos mais algum tempo falando sobre os Fiat de que gostamos.

Nem todo mundo entende, mas eu entendo, Tiago. Eu entendo!

Matérias relacionadas

Este Fusca nazista é um dos mais antigos (e também mais caros) do mundo

Dalmo Hernandes

Para onde vão os carros de corrida depois que eles se aposentam?

Dalmo Hernandes

A história do Mercedes-Benz 190E 2.5-16 Cosworth e suas versões Evolution I e Evolution II

Leonardo Contesini