FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos

“Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio”: o Chevrolet Monte Carlo 1971 de Sean Boswell está à venda!


Quando “Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio” (The Fast and the Furious: Tokyo Drift, 2006) foi lançado, alguns entusiastas ficaram meio decepcionados com a ausência de Dom Toretto, Brian O’Conner e companhia na história. No fim das contas, boa parte dos fãs da franquia considera o terceiro filme, quase todo ambientado na cena drifter japonesa, como um dos melhores.

Agora, um dos carros mais famosos de Tokyo Drift (além do Mustang com motor de Skyline GT-R) não é japonês — na verdade, ele é americano até a medula: o Chevrolet Monte Carlo 1971 que o protagonista Sean Boswell (Lucas Black)pilota no início da película, quando disputa uma corrida contra um Dodge Viper. Boswell acaba capotando o carro e, depois de causar tantos problemas, sua mãe o manda de mala e cuia para o Japão, para morar com o pai e se manter bem longe de qualquer coisa com quatro rodas, um motor e um volante. Bem, não precisamos dizer onde isso foi dar.

Se no Japão Boswell se envolve com esportivos nipônicos preparados e customizados com cores vibrantes, body kits trabalhados e toda a perfumaria típica da metade dos anos 2000, seu antigo carro nos EUA ficava no outro extremo do espectro: um Chevrolet Monte Carlo de primeira geração todo estourado, com painéis da carroceria de pelo menos três cores diferentes, interior em condições não muito melhores e — o mais importante — um V8 envenenado debaixo do capô. Agora, o Monte Carlo de Sean Boswell apareceu à venda no eBay.

Quer dizer, um dos carros que foram usados na sequência inicial do filme está à venda. Como todos os outros carros do filme, o Monte Carlo foi escolhido e modificado por Dennis McCarthy, da Vehicle Effects, empresa que cuida dos carros de todos os filmes da franquia desde Tokyo Drift.

monte-carlo-boswell (9)

Normalmente, quando pensamos em American muscle, o que vem à mente é um clássico Mustang, Camaro ou Challenger (só para ficar no trio mais famoso) impecável e original, modificado para a pista ou customizado com bom gosto. Contudo, há um ar de rebeldia e maldade em um carro antigo americano que por fora parece só uma lata velha detonada mas, debaixo do capô, traz oito cilindros e uma cavalaria de respeito.

monte-carlo-boswell (7)

É exatamente este o caso do Monte Carlo de Sean Boswell, que deu um belo susto no Viper antes de virar um monte de aço retorcido. Na história o carro era um verdadeiro sleeper, escondendo debaixo do capô amassado um um V8 de 632 pol³ (10,3 litros!) “Hardcore” da Bill Mitchell Racing.

Na real, porém, foram usados 11 carros, sendo que dois deles eram equipados com big blocks de 572 pol³ (9,4 litros) e 509 pol³ (8,3 litros), também da Bill Mitchell, e câmbio manual de quatro marchas. Os outros receberam o onipresente Chevy small block 350, de 5,7 litros, ou eram apenas chassis rolantes, sem motor.

monte-carlo-boswell (5)

De qualquer forma, o carro à venda no eBay é um dos dublês com motor 350 — o que definitivamente não é ruim, visto que um crate engine como esse entrega pelo menos 300 cv (mais do que boa parte das variações do Monte Carlo na década de 70). O anunciante diz que o Monte Carlo de Tokyo Drift já foi citado pelo próprio McCarthy como sua criação favorita na franquia, embora a gente ache que, quatro filmes depois, ele possa ter mudado de opinião…

monte-carlo-boswell (1)

Isto não significa que o fator badass do carro não seja alto — pelo contrário. Mas alto também está o valor pedido para compra imediata — exatos US$ 100 mil, ou cerca de R$ 313 mil em conversão direta. Se fosse um dos carros com motor big block (ambos têm potência na casa dos 550-600 cv), talvez ficasse mais fácil digerir a quantia na etiqueta.

Por outro lado, o anúncio diz que este será o último carro vendido pelos estúdios Universal — a última chance que qualquer um terá de adquirir um autêntico veículo usado nas filmagens de Tokyo Drift. Você encararia?

 

 

ESTA Chevy GMC 500 2.0 16V Turbo
PODE SER SUA!

Clique aqui e veja como