A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História Zero a 300

Wasserboxer: quando a Volkswagen fez um motor boxer refrigerado a água

Os amantes do motor boxer a ar da Volkswagen exaltam a simplicidade engenhosa de seu projeto (que outro motor pode ter a correia do dínamo/alternador trocada em cinco segundos?), sua robustez e durabilidade e o ronco charmoso. Seus detratores falam mal do baixo rendimento, dizem que ele consome muito combustível e reclamam do ronco horroroso. A real é que não dá para tirar a razão de nenhum deles – todos são pontos válidos. Exceto pelo ronco, porque de fato há quem goste e quem não goste. Eu gosto. Não é preciso se incomodar com esta dicotomia. O motor boxer a ar já era arcaico nos anos 70, quando a Volks começou a transição para os motores arrefecidos a líquido com os cilindros na vertical, dispostos em linha. Ao mesmo tempo, era um motor confiável que cumpria bem sua função em carros populares e utilitários de baixo custo – dando nome aos bois, o Fusca e a Kombi. O Fusca foi fabricado no México até 2003, enquanto a Kombi sobrev

Matérias relacionadas

Graziela Fernandes, a pilota que corria de Alfa Romeo nos anos 70

Dalmo Hernandes

Porsche 911 chega a 1 milhão de unidades, o fim da Lancia, BMW começa a divulgar o novo Série 8 e mais!

Leonardo Contesini

Os carros de R$ 70.000 a R$ 80.000 mais legais anunciados no GT40 – parte 2

Dalmo Hernandes