A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos

Yamaha Eau Rouge, da Deus Ex Machina, é a (nova) moto retrô dos nossos sonhos

A Yamaha XJR 1300 é uma das maiores motos da marca, misturando visual esportivo com características estradeiras. Deve ter sido por isso que os australianos da Deus Ex Machina a usaram como base para um de seus projetos mais legais: a Yamaha Eau Rouge, inspirada nas motos de endurance das décadas de 1970 e 1980.

Uma das nossas vertentes favoritas do motociclismo é a customização de motos modernas ao estilo retrô, notavelmente representada pelas cafe racers, mas de forma alguma restrita a elas.

É o caso da Yamaha Eau Rouge, encomendada para a Deus Ex Machina pela própria Yamaha para fazer parte de seu programa “Yard Built”, em que a marca chama uma customizadora de motocicletas para customizar um modelo com o apoio da fábrica. O resultado é sempre matador, mas a Deus se superou com a Eau Rouge.

yamaha eau rouge (11)

Além de ter um dos nomes mais legais do meio, a Deus Ex Machina é uma customizadora australiana que faz de cada um de seus projetos uma obra de arte, criando do zero boa parte dos componentes, sempre com ideias originais e muito bonitas — daquelas que, se não te fazem sair correndo encomendar a sua, ao menos te fazem postar no Facebook fotos delas e dizer que adoraria sair correndo e encomendar a sua se pudesse. Como nem sempre podemos ter o que queremos, nos resta babar na Eau Rouge.

yamaha eau rouge (10)

A Eau Rouge é uma homenagem as motos que competiam em corridas de longa duração nos anos 70 e 80 — como a Yamaha TZ150 acima, fotografada sob o comando do piloto francês Patrick Pons durante a corrida de Bol d’Or, no circuito de Paul Ricard.

Todas as partes da moto foram feitas artesanalmente pela Deus em alumínio. O elemento de design principal é a carenagem parcial com um único farol deslocado para a direita. Os olhos seguem, então, para o tanque de combustível minimalista, passam pelo banco do piloto e chegam à rabeta. À medida que você passeia pela moto, vê que a motocicleta começa perfeitamente arredondada e vai ficando angulosa à medida que se vai chegando à traseira. A ideia da Deus emular perfeitamente o passado e criar uma motocicleta moderna e atual ao mesmo tempo.

yamaha eau rouge (5)

Se, no meio do processo, alguém achou que a mistura de curvas e retas não daria certo, o resultado certamente fez com que esta pessoa mudasse de opinião. Pintada com uma tinta especial que imita o metal nu, a Eau Rouge traz detalhes como a faixa com blocos (speed blocks) tradicional das motos de competição da Yamaha — que você pode ver nas três variações da atual Ténéré.

A suspensão dianteira usa garfos  Öhlins com visual também inspirado no passado, como também é o sistema de escape de titânio com soldas aparentes, feito pela SC-Project especialmente para a Eau Rouge. As rodas de magnésio Marvic Campagnolo de 18”, pintadas de dourado, dão à moto aquele ar de crueza sofisticada de que tanto gostamos nestas motos customizadas.

yamaha eau rouge (2)

Para informar o piloto das condições da moto, os mostradores originais foram trocados por uma peça da Motogadget, que se limita ao conta-giros e a uma pequena tela de cristal líquido que mostra as principais informações da moto e do motor, um quatro-cilindros refrigerado a ar com injeção eletrônica que desloca exatamente 1.251 cm³ para entregar 98 cv a 8.000 rpm — a única parte da moto que a Deus manteve 100% original. Mas, sinceramente, com esta potência e o provável menor peso, nós até podemos dispensar modificações mecânicas.

Nós só imaginamos como deve ser pilotar esta belezinha na pista com a curva que lhe deu o nome…

 

yamaha eau rouge (3) yamaha eau rouge (12) yamaha eau rouge (8) yamaha eau rouge (7) yamaha eau rouge (6) yamaha eau rouge (9)

Matérias relacionadas

Este carro elétrico feito por um estudante deve ser o automóvel mais bonito já feito na China

Dalmo Hernandes

Veja como foram feitas algumas das cenas mais incríveis de “Velozes e Furiosos 7”

Dalmo Hernandes

Tem um motor V10 Honda de Fórmula 1 à venda – mas o que daria para fazer com ele?

Dalmo Hernandes