A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

A história da roda inglesa – e a arte (quase) perdida de moldar uma carroceria com as mãos

O antigomobilismo nunca esteve tão em alta como nos últimos dez anos. Tão em alta que ele se tornou um nicho lucrativo mesmo para os fabricantes destes carros, que criaram divisões históricas para fornecer peças originais de reposição e até serviços de restauração e reconstrução completa para seus modelos antigos. Evidentemente a restauração e/ou reconstrução é feita de acordo com os padrões da época — afinal estamos falando de preservação da história e não da idealização do passado. Isso inclui o uso de tecnologias de época, como o verniz de nitrocelulose, usado antes do desenvolvimento do poliuretano, soldas de acetileno, rebites metálicos e modelagem da carroceria com ferramentas manuais. Entre estas ferramentas está a roda inglesa. A roda inglesa é uma máquina utilizada para modelar os painéis metálicos que formam a carroceria do carro. Ela consiste em uma estrutura em forma de C com uma roda em cada ponta, opondo-se uma à outra. A roda de cima tem sua pista

Matérias relacionadas

Os 80 anos do Kadett e as versões mais bacanas que não tivemos aqui

Dalmo Hernandes

Como o Bugatti EB110 deixou de ser um cover do Lamborghini Diablo (sim, isso quase aconteceu)

Dalmo Hernandes

De 240 a 370: o legado dos Z-cars da Nissan

Dalmo Hernandes