FlatOut!
Image default
Car Culture

A incrível miniatura Alfa Romeo que levou 40 anos para ficar pronta


Você já deve ter ouvido falar de project cars que levaram anos, e até décadas, para ficar prontos – há chances de você mesmo estar às voltas com algo assim. E, para alguns carros, até faz sentido: existem modelos raríssimos que exigem dedicação extrema, com peças difíceis de encontrar, que exigem incontáveis horas de garimpo – ou mesmo fabricação de componentes sob medida.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. Acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Claro, estamos falando de carros de verdade. Mas você já viu uma miniatura levar décadas para ser montada? Pois é verdade: esta miniatura em escala 1:8 de um Alfa Romeo 8C 2300 dos anos 1930 levou nada menos que 40 anos para ser montada.

Não se trata, porém, de uma miniatura qualquer. Este Alfa Romeo 8C 2300 é um kit da Pocher, fabricante conhecida pelo altíssimo nível de detalhes de suas miniaturas para montar. Sério: os kits da Revell viram brincadeira de criança perto de um Pocher.

A Pocher foi fundada por Arnaldo Pocher, italiano nascido em Trento que, em sua juventude, começou a trabalhar com gravações em ouro. Depois da Segunda Guerra Mundial, Porcher começou a se interessar por modelismo – inicialmente, trens e estações ferroviárias. Em 1951 ele fundou a Pocher Micromeccanica, com o intuito de produzir itens de ferromodelismo ultradetalhados.

Em 1966, quando a marca Pocher já estava bem estabelecida na indústria do modelismo, foi apresentado na Feira de Brinquedos de Turim um Fiat F2 130HP em escala 1:8. Reprodução do carro em que Felice Nazzaro venceu o Grand Prix da França em 1907, a miniatura era composta por mais de 800 peças, sendo cerca de 500 feitas de aço, 173 de latão e 144 em plástico de alta resistência. O modelo fez muito sucesso no evento e tornou-se o primeiro de uma linha composta por diversos clássicos em miniatura. O nível de detalhes aumentava exponencialmente a cada lançamento. A princípio a maior parte eram carros de competição e de luxo que das décadas de 1930 e 1940, com modelos contemporâneos sendo adicionados ao portfólio com o passar dos anos.

O nível de detalhes também aumentou, com o número de peças chegando a quase 3.000 nos carros mais complexos. E quando falamos “complexos”, não estamos brincando – não é por acaso que a Pocher é considerada a mais incrível fabricante de kits de modelismo automobilístico. Os chassis eram feitos com base nos blueprints das fabricantes. Nos carros que tinham rodas raiadas, por exemplo, os raios eram instalados individualmente. Os motores tinham virabrequim, pistões, bielas e trem-de-válvulas funcionais; já as portas tinham manivelas para subir e descer os vidros, e também maçanetas funcionais. Com suspensão, freios e caixa de direção, era a mesma coisa. Só faltava andar de verdade.

O Alfa Romeo 8C 2300 que aparece nas fotos é uma reprodução do carro com o qual Tazio Nuvolari e Giuseppe Campari venceram o Grand Prix de Monza em 24 de maio de 1931. O carro usava um motor oito-em-linha de 2,3 litros (daí seu nome) e veio a se tornar um dos mais emblemáticos carros da era pré-Fórmula 1, dando origem também a versões de rua.

O carro, fabricado na década de 1970, é composto por 1.452 peças individuais – 809 peças de latão, 255 de aço inox, 270 de plástico de alta resistência e 118 de materiais variados, como borracha, ferro e cobre. As peças metálicas são pintadas, enquanto as de plástico são injetadas.

O kit teve três donos – e cada um deles contribuiu com uma parte da montagem antes de abandonar o projeto e passar para o próximo dono. Não é por acaso: a própria Pocher dizia no manual que a montagem deveria ser feita com calma, estudando bem as instruções para garantir que nenhuma peça fosse instalada no lugar errado. A fixação das peças era feita, em sua maior parte, por pequenos parafusos, porcas e rebites – o uso de cola era reduzido ao máximo, a fim de permitir que os carros fossem desmontados e montados novamente.

Os esquemas técnicos do modelo chegam a assustar – algum desavisado pode pensar que esta ilustração de vista explodida é do carro real:

Os últimos donos foram pai e filho, que terminando a montagem juntos quando o pai faleceu. O filho, então, decidiu colocar a miniatura à venda, com direito a um ensaio fotográfico profissional para enaltecer a qualidade das miniaturas da Pocher. De fato, se não fosse a mesa sobre a qual o carro está, poderia-se facilmente confundir a miniatura com um Alfa Romeo 8C 2300 de verdade.

O anúncio do carro no site Model Roundup, especializado em miniaturas high-end raras, diz que o conjunto pode ter algumas peças faltando – e, por isso, o vendedor pede US$ 239 (cerca de R$ 1.300) por ele. Um kit montado comprovadamente completo pode passar dos US$ 400 (R$ 2.200). Já um kit desmontado em condições perfeitas pode chegar aos US$ 1.000 (quase R$ 5.500).

Os kits originais da Pocher foram fabricados até o ano 2000. Depois disto, a companhia pediu falência – retornando por um breve período entre 2013 e 2017 sob o catálogo da britânica Hornby. Como já não existem mais novos, os modelos da Pocher hoje em dia são muito valorizados – hoje em dia, no Brasil, é possível encontrar alguns carros montados à venda por R$ 10.000 e acima. Há project cars de verdade que custam menos que isto!

Este Uno 1.5R pode ser seu!

Participe!

Clique aqui e veja como

Compartilhe agora