A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Automobilismo

A lenda dos engenheiros que urinavam em motores de Fórmula 1

No início dos anos 1980 os motores turbo de quatro cilindros da BMW fornecidos à Brabham para a Fórmula 1 atingiram níveis de potência jamais imaginados para um motor de quatro cilindros turbo. Mesmo para a Fórmula 1. Os números são impressionantes mesmo hoje, depois de 40 anos desde seu surgimento: 1.100 cv nas configurações de classificação e 800 cv na configuração de corrida. O caráter quase sobrenatural destes motores não se deve apenas aos números de potência, mas também à receita dos motores, que eram baseados em blocos usados de carros de rua. É como se a Mercedes pegasse o quatro-cilindros do A250 e, a partir dele, fizesse o motor do W11 de Lewis Hamilton. Segundo relatos da época, o segredo do desempenho insano destes motores estava na seleção e no tratamento dos blocos de ferro fundido, que envolvia motores com alta quilometragem, intempéries e... urina de engenheiros?! Sim. Urina humana. Cheiro est

Matérias relacionadas

Como o Reino Unido se tornou o centro do universo da F1? | Lendas da Fórmula 1

Leonardo Contesini

24 Horas de Le Mans 2015: tudo o que você precisa para acompanhar cada minuto!

Leonardo Contesini

Christian Fittipaldi: relembre a trajetória do brasileiro em 37 anos de carreira

Dalmo Hernandes