FlatOut!
Image default
Zero a 300

A volta do BMW CSL | Mercedes pode ser o carro mais caro da história | a valorização dos clássicos dos anos 1990 e mais!


Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

A volta do BMW CSL

Se você nos acompanha há algum tempo, certamente já me viu criticar a mudança do nome M3 para M4 feita pela BMW só por que ela inventou uma regra de pares/ímpares para cupês e sedãs (que ela mesmo quebra quando faz “cupês de quatro portas”, que são sedãs fastback, na verdade). O título desta nota é um dos motivos destas críticas: a “volta do M4 CSL” não existe.

Porque isso não seria volta alguma, se levarmos ao pé da letra e fingirmos que o M4 é um carro e o M3 é outro. Nunca houve um M4 CSL. O carro que este novo M4 está sucedendo é o M3 CSL E46. Pode parecer implicância minha, mas nomes são importantes. Imagine se, a partir de hoje, sua mãe passasse a te chamar de Elymarsantos só porque, depois de tantos anos, ela decidiu que faz mais sentido…

Pois bem, M4 CSL está trazendo de volta a sigla de Coupe Sport Leichtbau depois de quase 20 anos de ausência. O último deles foi o M3 CSL de 2003, que foi produzido em pouco mais de 1.380 unidades e era 110 kg mais leve que o M3 convencional — o que é uma redução de peso insana para um carro com menos de 1.500 kg originalmente.

Nesta nova geração esperamos ver medidas semelhantes às do M3 CSL como a remoção do banco traseiro, dos isolamentos acústicos, do fundo do porta-malas, mais componentes de alumínio na suspensão, rodas mais leves, bancos de fibra de carbono ou algo do tipo e um salto de potência que poderá levá-lo aos 550 cv.

A única coisa que irá jogar contra a redução de peso — e contra o apelo do nome CSL — é que este novo M4 CSL deverá ser equipado com câmbio automático, que não é leve e nem combina muito com a história da sigla. Mas vá lá… é melhor um CSL imperfeito do que nenhum CSL.

Os detalhes serão revelados daqui a exatamente uma semana; a BMW agendou a apresentação do carro para o dia 20 de maio. O borrão da foto de destaque é o “teaser” do carro, divulgado hoje. (Leo Contesini)

 

Motorista sem multas poderá ter benefícios com novo cadastro

Há anos eu venho dizendo que o motorista que anda na linha não tem compensação alguma além da própria consciência limpa (que é algo muito valioso, claro).

Como a fiscalização foi automatizada e as máquinas de fiscalizar são limitadas demais para o tanto de infrações que podem ser cometidas, a maioria dos motoristas se preocupa apenas com meia-dúzia delas e o restante é mera sugestão que pode ser ignorada de acordo com sua conveniência (ou consciência).

Mas… agora o Conselho Nacional de Trânsito decidiu valorizar os bons motoristas, aqueles que não são multados (ou não são flagrados…) com o Registro Nacional Positivo de Condutores (RNPC), que foi incluído no Código de Trânsito em abril de 2021.

O negócio funciona como o cadastro positivo do CPF: se você não tiver cometido infrações por 12 meses e estiver cadastrado no sistema, poderá receber benefícios fiscais ou tarifários — o que pode resultar em descontos em pedágios, IPVA, seguro ou locação de veículos, embora os benefícios não tenham sido confirmados e certamente irão variar de acordo com o estado, porque são os Departamentos estaduais (Detran) que têm competência sobre as taxas relativas ao trânsito e transportes.

Os detalhes deverão ser resolvidos em até 180 dias, e o motorista poderá optar se quer ou não fazer parte do registro positivo. A adesão é feita pelo aplicativo Carteira Digital de Trânsito ou pelo Portal de Serviços do Senatran, e o motorista precisa estar de acordo com a possibilidade de seu cadastro ser consultado por qualquer pessoa — ele poderá ser consultado pelo nome completo combinado ao CPF.

Contudo, o motorista que for multado, ou que tiver seu direito de dirigir suspenso, ou com a CNH vencida há mais de 30 dias, ou ainda solicitar a exclusão, deixará de constar no registro positivo. (Leo Contesini)

 

As novas regras para “carros PCD”

(Ok, eu sei que não existe “carro PCD” e sim “carros para PCD”, mas vocês entenderam…)

Você talvez lembre que, em 2021, falamos sobre como deturparam a lei que concede benefícios para pessoas com deficiência na compra de carros, e como a inflação a deixou desatualizada. Pois bem, em dezembro passado a lei foi alterada para se adequar à realidade atual e para incluir pessoas que tenham autismo. Apesar de estar vigente deste 1º de janeiro, sua regulamentação só foi publicada neste mês de maio.

Com as mudanças, a avaliação da deficiência não será mais biomédica, mas biopsicossocial — que inclui fatores psicológicos e sociais na avaliação como forma de evitar os abusos que vinham sendo praticados até então.

A isenção é prevista para pessoas com deficiência auditiva, física, visual, mental (severa ou profunda) e transtorno do espectro autista. A lei também aumentou o limite de preços dos veículos para isenção do IPI de R$140.000 para R$ 200.000. Todos precisam ser nacionais, com motor de até dois litros de deslocamento e com, no mínimo, quatro portas. (Leo Contesini)

 

Mercedes-Benz vende o carro mais caro da história

Não existe nada mais constante que a mudança; sei perfeitamente que o mundo em que cresci e aprendi meus valores já não existe mais, e os costumes e o jeito de se viver continua, como sempre esteve, em contínuo fluxo de mudança.

Afinal de contas, não faz muito tempo que engenheiros trabalhavam de terno e gravata em cima de pranchetas gigantes; hoje trabalham em casa de roupão a partir de seus computadores pessoais, as vezes sem tomar banho por uma semana inteira. É o, bem… progresso?

Normalmente aceito bem a mudança, e tento não me apegar muito a tradições que ficam ultrapassadas, mesmo que goste delas. Perder faz parte da vida, afinal de contas, e tudo mais. Mas esta notícia de hoje, devo confessar, me abalou: boatos indicam com cada vez mais força que a Mercedes-Benz vendeu o 300SLR “Uhlenhaut coupe”.

Rudy Uhlenhaut e seu carro de uso diário.

É como o Louvre vender a Mona Lisa. Claro, o retorno financeiro é incrível, mas é uma ofensa ao cerne do que faz a existência da empresa algo importante. Mas de qualquer forma, parece ser um novo recorde de valor para um automóvel: o valor da venda é estimado em US$ 142.000.000.

Praticamente dobra o valor do recorde anterior, os US$ 70.000.000 pagos numa Ferrari 250 GTO em venda privada, e é quase três vezes o maior valor registrado publicamente, US$ 48.000.000 em outra GTO num leilão em 2018. Muito dinheiro, claro. Mas realmente necessário para uma empresa como a Mercedes-Benz?

A apuração da notícia é da Hagerty americana, que cita “múltiplas fontes” confirmando a venda. O vendedor, em nome da Mercedes-Benz, apresentou cerca de 10 colecionadores de carros cuidadosamente selecionados que não apenas eram ricos o suficiente, mas também satisfizeram os rigorosos critérios estabelecidos pela montadora alemã.

A empresa queria garantir que qualquer guardião do carro tivesse o mesmo cuidado e atenção que a Mercedes, além de continuar compartilhando o carro em eventos e não vendê-lo a terceiros.

Acredita-se que os potenciais compradores foram recebidos durante o almoço no Museu Mercedes-Benz, em Stuttgart, com os principais colecionadores voando em jatos particulares no dia 6 de maio. O grande local foi fechado naquele dia para “um evento” e deve reabrir em 15 de maio. A Mercedes-Benz se recusou a comentar os rumores da venda.

O carro em questão é um cupê de rua de uso do lendário engenheiro da empresa, Rudolf Uhlenhaut. É o criador da fama moderna de excelência da empresa, um engenheiro numa empresa de engenharia que moldou a marca como a conhecemos hoje.

O carro é baseado no 300SLR roadster de competição, o mesmo carro que venceu a Mille Miglia em 1955 com Stirling Moss e Denis Jenkinson inventando a navegação moderna no processo. Um carro incrivelmente exótico e avançado para 1955, e que continua incrível hoje: oito em linha DOHC sem molas de válvulas (comando desmodrômico), injeção direta mecânica de gasolina, e um chassi spaceframe leve e rígido com suspensões independentes e gigantescos freios a tambor de alumínio aletado inboard.

O carro de Uhlenhaut tinha teto e portas asa de gaivota como o 300 SL de rua.

A Mercedes construiu apenas dois cupês; um destinado a competição, e o outro para uso pessoal do chefe. O carro vendido parece ser o de Uhlenhaut. (MAO)

 

Clássicos dos anos 1960 desvalorizam na Europa; os dos anos 1990 continuam a valorizar

O mercado de carros clássicos parece ter novamente entrado em um novo ciclo. Segundo a Hagerty, a janela móvel de valorização de carros ao redor de 30 anos de idade parece estar funcionando como um relógio.

Tomemos como exemplo o Jaguar E-type, um carro parece que sempre esteve valorizando constantemente. O E-type foi lançado em 1962, há incríveis 60 anos atrás. A Hagerty mantém tabelas acuradas de valor de carros clássicos, e indica que na Inglaterra, o preço médio de um cupê E-Type S1 3.8 caiu de £ 89.575 para £ 72.250 nos últimos dois anos.

Para o Aston Martin DB6, outro clássico dos anos 1960, a queda foi ainda mais acentuada: caiu de £ 344.000 para £ 190.500. Pegando cinco exemplos deste tipo, a média de desvalorização é de 13%.

John Mayhead, editor do Hagerty UK Price Guide, disse à Autocar inglesa: “As pessoas que tinham uma conexão emocional com esse tipo de carro e que mantinham interesse neles estão, para ser franco, morrendo. A nova geração de compradores não os valoriza tanto.”

Ao mesmo tempo que isso acontece, preços de clássicos dos anos 1980 e 1990 continuam em alta. Dois exemplos recentes: o Renault 5 GT Turbo, cujo preço médio subiu 93% nos últimos dois anos, e o Porsche 911 da geração 964, em 20%.

A coisa boa é que os carros mais antigos podem, com isso, ficar mais acessíveis e atrair gente que sempre gostou deles, mas nunca pode tê-los. Mas também podem realmente ficar mais esquecidos e relegados à museus: quando foi a última vez que você viu um Ford modelo T andando? (MAO)

 

Audi Sport Quattro 1984 a venda com menos de 3000 km.

O Audi Quattro original, depois de ter revolucionado completamente as competições de rali no início dos anos 1980, chegava a 1984 obsoleto nessas competições, frente aos carros criados pela Lancia, Ford e Peugeot. Mas ao invés de fazer como esses e criar um carro de competição dedicado (com motor central), a Audi resolveu contra-atacar com uma evolução mais simples de seu carro original. Nascia o Audi Sport Quattro.

Era basicamente um Quattro de entre-eixos mais curto (de 2524 mm para 2204 mm), e um motor mais potente. A máxima evolução do Quattro original, é também a máxima evolução da plataforma B1, a mesma do nosso Passat, e base para o Gol “quadrado”. Mas note que o Sport Quattro tinha entre-eixos menor que o do gol, que mede 2360mm.

E nesse carro curtinho, pendurado na frente do eixo dianteiro estava um motor de cinco cilindros em linha, DOHC 4 válvulas por cilindro, de 2133 cm³. Todo em alumínio, media 79,3 × 86,4 mm, e tinha injeção de combustível Bosch LH Jetronic e um turbocompressor KKK K27.

O motor era ligeiramente menor que o do Audi Quattro normal em termos de deslocamento para se qualificar para a classe de motores de 3 litros após o fator de multiplicação de 1,4 aplicado aos motores turboalimentados em competição. Na versão de rua, o motor dava 306 cv a 6.700 rpm e 35 mkgf a 3.700 rpm; em competição até 500 cv eram possíveis.

É um clássico dos anos 1980, raríssimo, e quando um aparece a venda é sempre um evento. Este carro das fotos é um evento desses, ainda mais impressionante: com apenas 2.785 km rodados, será leiloado no próximo dia 14 de maio em Monte Carlo, na Itália, e promete bater recorde de preço para o desejado modelo. Espera-se que seja arrematado por algo em torno de um milhão de Euros.

Se você quer ser dono do mais bravo “Gol quadrado” de fábrica que já existiu, vá até o site da casa de leilão RM Sotheby’s e se registre para dar um lance. E boa sorte! (MAO)

 


Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicos, histórias de carros e pilotos, avaliações e muito mais!

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: 30% OFF na loja durante a 2ª temporada do Goodguys, acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. 15% OFF na loja durante a 2ª temporada do Goodguys, acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

ESTE Gol GTS 1.8
PODE SER SEU!

Clique aqui e veja como