A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Bugatti revela novo teaser (e ronco) do Divo, Aventador SVJ será o último Lambo V12 não-híbrido, um Pagani Zonda como parede de apartamento e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas (ou não) do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

Aventador SVJ será o último V12 não-híbrido da Lamborghini

145fd1d2-lambo-aventador-svj-08-768x512

O Lamborghini Aventador SVJ já quebrou um recorde em Nürburgring Nordschleife, mas ainda não foi oficialmente revelado — o que significa que a marca continuará entregando as informações sobre o modelo parceladas ao longo das próximas semanas. Desta vez, a novidade é que ele será o último trabalho solo do V12 aspirado da marca. Depois dele, os supercarros V12 da Lambo serão todos híbridos.

A informação foi revelada pelo chefe de pesquisa e desenvolvimento da Lamborghini, Maurizio Reggiani, em entrevista ao Top Gear. Segundo o italiano, “esta será a última vez que o V12 estará sozinho”. Apesar da expectativa de ver o V12 de 6,5 litros chegar aos 800 cv (como sua rival Ferrari Superfast) tudo indica que o auge deste V12 em operação solo será mesmo 770 cv como o seu primo Centenario, conforme o documento vazado na semana passada pela Auto Motor und Sport.

A hibridização dos Lamborghini não é algo exatamente novo. O CEO da marca, Stefano Domenicali, já havia antecipado em 2017 que os sucessores do Aventador e do Huracán serão eletrificados, porém não esperávamos que o SVJ já seria o último V12 não-híbrido. Felizmente, a adoção dos powertrain híbridos não significa o fim da sonoridade bolonhesa: em abril deste ano o próprio Reggiani disse que enquanto for chefe de desenvolvimento da Lambo, a marca continuará usando o V12 atmosférico, sem nenhum tipo de indução forçada.

 

Bugatti lança novas imagens e ronco do Divo

Outro modelo chegando em parcelas é o Bugatti Divo, que será revelado no final de agosto em Pebble Beach, na Califórnia. Depois da confirmação do nome, a Bugatti agora revelou seu conjunto óptico posterior (gostaram dessa definição chique de “lanternas traseiras”?) e o ronco do motor W16 quadriturbo.

A marca franco-germânica ainda não divulgou nenhum detalhe além dos dois teasers oficiais, mas como vimos anteriormente, um colecionador americano teve acesso à apresentação do carro a potenciais clientes e revelou que o carro terá carroceria diferente do Chiron, embora seja baseado nele. O carro também será mais voltado para uso em pista, como já antecipou o CEO da marca, Stephan Winkelmann e por isso deverá ter os mesmos 1.500 cv, porém aerodinâmica revisada e medidas de redução de peso.

d18361fd-bugatti-divo-teaser-1

Os rumores ainda falam que ele terá apenas 40 unidades que custarão US$ 6 milhões, cada. Mas isso é algo que só saberemos em 24 de agosto, quando ele for apresentado ao público em Monterey.

 

Audi revela teaser de seu próximo supercarro elétrico

b21d5d57-audi-pb18-01-768x423

 

Este aí acima é o novo Audi PB18 e-tron. Trata-se de um conceito da fabricante alemã que antecipa seu futuro supercarro elétrico, o sucessor do R8 e-tron. Como o Bugatti, ele também será apresentado na Car Week de Pebble Beach, em Monterey no próximo dia 23 de agosto.

Como todo teaser hoje em dia, a imagem não revela praticamente nada além do que se espera de um supercarro, mas a Audi diz que o PB18 e-tron é inspirado no R18 e-tron de Le Mans em muitos aspectos. Quais? Bem… isso também não foi revelado. O que sabemos é que o carro está previsto para entrar em produção em 2020 ou 2021, e será o “halo car” da linha e-tron da Audi, que terá seu primeiro modelo lançado em 17 de setembro próximo, o e-tron SUV.

 

Porsche revela detalhes técnicos do Taycan

Taycan

Parece que os assessores do Grupo Volkswagen passaram o fim de semana determinados a conquistar as manchetes nesta segunda-feira. Depois do Lamborghini, do Audi e do Bugatti, agora é a vez da Porsche fazer sua revelação de hoje. A marca do cavalinho rampante de Stuttgart (os ferraristas vão me matar depois dessa) revelou as especificações técnicas do Taycan, a versão de série do Mission E.

O modelo será lançado em 2019, e irá manter praticamente as mesmas especificações do conceito apresentado em 2015 no Salão de Frankfurt. Ele terá um motor em cada eixo, e ambos serão permanentemente sincronizados. Juntos irão produzir um total de 440 kW, ou 600 cv. O par de motores será alimentado por uma bateria de íons de lítio de alta voltagem, o que irá fornecer uma autonomia de mais de 500 km segundo a fabricante — que, aliás, não especificou os critérios dos testes que obtiveram esta marca. Quanto ao tempo de recarga, a Porsche declarou que em 15 minutos o Taycan pode armazenar energia suficiente para mais 400 km com o uso do carregador rápido de 800 volts.

1_-_2019_-_Porsche-Taycan-Press-white-1001-565

Apesar de dizer que ele será como um Porsche deve ser, a fabricante não revelou os dados de desempenho — isso provavelmente ficará para um próximo teaser, considerando o “padrão” dos lançamentos em 2018 — mas espera-se que ele possa acelerar de zero a 100 km/h em menos de 3,5 segundos, e 200 km/h em menos de 12 segundos.

Na nota divulgada à imprensa, a Porsche também afirma que espera por ano vender 20.000 unidades do elétrico — o que equivale a dois terços das vendas do 911.

 

Novo Aston Martin Vanquish terá motor central-traseiro

d30212b4-aston_martin-am_310_vanquish-2013-1600-a1

Você deve ter percebido que na renovação de sua linha a Aston Martin substituiu o Vanquish pelo DBS Superleggera, em vez de simplesmente lançar uma terceira geração do modelo — tal como fez em 2007, quando lançou o DBS como sucessor do primeiro Vanquish, de 2001. Mas isso não significa o fim do nome Vanquish. Ele continuará em produção, porém em um modelo completamente diferente. Lembra do supercarro de motor central-traseiro que a Aston vem prometendo há alguns anos? Pois é.

A novidade foi mencionada pelo designer da Aston Martin, Marek Reichmann, em uma entrevista ao site australiano Motorigin sobre o DBS Superleggera, na qual ele explica a opção pelo nome DBS em vez de Vanquish: “Vanquish é um nome incrível para nós. Desde o primeiro Vanquish ele foi o mais potente e bruto da família, mas achamos mais importante que este fosse um verdadeiro DBS devido à base do produto (o DB11). É mais adequado a este carro. Vanquish é um nome especial e temos alguns carros especiais a caminho”, disse.

Screen-shot-2013-09-11-at-12.18.10-PM

Renderização especulativa

Questionado sobre a possibilidade de o nome ser usado no modelo de motor central-traseiro, Reichmann respondeu: “Sem dizer sim, esta parece uma solução plausível para um nome bonito como Vanquish”. O modelo será a resposta da Aston Martin ao McLaren 720S, à Ferrari 488 GTB e ao Lamborghini Huracán, e terá diversas inovações usadas no Aston Valkyrie — o que soa como um projeto aerodinâmico bastante avançado. Além disso, Reichmann disse que ele será “o carro de motor central-traseiro mais bonito das ruas”.

Apesar de ser historicamente equipado com um V12, desta vez o Vanquish deverá usar o V8 biturbo de quatro litros fornecido pela Mercedes-AMG. Será a primeira aplicação do motor nesta configuração, e ela deverá ter a mesma especificação do AMG GT 4 Portas que, com seus 628 cv, é a mais potente deste V8 até agora.

 

Piloto argentino usa Pagani Zonda como divisória de apartamento

WFirQSoSTC-F8VHAhSxFWA

Quando o piloto argentino Pablo Pérez Companc decidiu fazer uma divisória mais “conceitual” para seu apartamento de US$ 8 milhões em Miami. Mas em vez de usar uma parede de concreto, alguma escultura de aço e materiais exóticos criada por arquitetos-artistas, ele decidiu usar algo bem mais legal: um Zonda R. Sim, a divisória entre a sala e o quarto do loft é um Pagani Zonda R.

Antes que você pense que o cara é louco, saiba que se trata de uma réplica, mas ainda assim é um Zonda legítimo. Como? Bem, o argentino explicou ao site The Drive: “Há alguns anos pedi a Horacio se seria possível comprar um motor AMG, porque gostaria de colocá-lo em minha oficina. Ele respondeu: ‘Por que não fazemos uma réplica do Zonda R?’ No início achei uma ideia louca, principalmente por causa do preço de comprar um chassi assim caro. O tempo passou e ele me chamou de novo e disse: ‘Ok, garoto. Vamos fazer uma réplica, mas você precisa colocá-la em sua casa.’ E foi assim que aconteceu. Obviamente é um chassi sem nenhum componente estrutural. Jamais poderia receber um motor uma vez que a fibra de carbono não tem a densidade necessária para lidar com a torção. É meramente decorativo”.

X3ku-cWJSZq7Lyyp9ML2ww

Uma curiosidade é que a instalação da “parede” foi feita por uma empresa brasileira chamada Artefacto, usando um suporte de alumínio e fibra de carbono e todo o restante da decoração foi feito para combinar com o carro, e não o contrário.

View this post on Instagram

There is a lot of talk about the Zonda that I have in my house. First of all, it's not my Zonda Revolution Black Minion. This is just a work of art. Structurally will never be able to receive an engine or the entire mechanical part. I would never condemn Black Minion to being locked in a living room. Race cars are for driving ??. Se hablo mucho del Zonda que tengo en mi casa . Primero que todo, no es mi Zonda Revolucion Black Minion . Esto es solamente una obra de arte. Estructuralmente jamas va a poder recibir un motor o toda la parte mecanica . Jamas condenaria a Black Minion a estar encerrado en un living. Los autos de carrera son para manejar??. #darkminion #blackminion #pagani #carbonfiber #rideordie #miami #paganizonda #zondar

A post shared by Pablo Perez Companc (@pperezc) on

Obviamente à primeira vista o público ficou enfurecido com a transformação de um raro Zonda em decoração, mas após explicar como conseguiu a réplica, Pérez também fez uma publicação em seu perfil no Instagram explicando que trata-se apenas de uma réplica de seu Zonda R Black Minion, e que “jamais condenaria um carro como esse ao confinamento em uma sala de estar” porque “carros são feitos para serem dirigidos”.

Matérias relacionadas

Os games de corrida mais bacanas da era 8 bits e 16 bits – parte 2

Dalmo Hernandes

Lotus Cortina: quando Colin Chapman transformou um Ford barato em um monstro

Dalmo Hernandes

Este cara rodou 1.160.000 km com seu Porsche 911 Turbo comprado zero-quilômetro em 1976

Dalmo Hernandes