A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Carros antigos podem ganhar identificação na placa, o novo Brabus Rocket de 900 cv, França vai taxar SUVs e outros veículos pesados e mais

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco!

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Carros antigos podem ganhar identificação na placa

A resolução 780 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que entrou em vigor em 31 de janeiro de 2020, introduziu a placa Mercosul, com um novo desenho e diferentes esquemas de cores dependendo do tipo de veículo. Os proprietários de carros clássicos não ficaram muito satisfeitos: a antiga placa preta deu lugar a uma versão com fundo branco e letras prateadas. Para os antigomobilistas, isto reduz a distinção entre a placa comum e a placa para veículos de coleção – ela é “menos exclusiva”, podemos dizer.

De acordo com os colegas da Quatro Rodas, a Federação Brasileira de Veículos Antigos tem duas propostas para solucionar este problema. A primeira parte da organização como um todo, e propõe a adoção de um selo da FIVA (Federação Internacional de Veículos Antigos) na placa para veículos de coleção, logo abaixo da bandeira do Brasil.

A outra partiu de um colecionador que é filiado à FBVA. Ele sugere que a placa Mercosul para veículos de coleção tenha fundo preto com os dígitos em cinza reflexivo, como já era na versão antiga. Foi criada uma petição no site Avaaz, e já foram coletadas mais de 22.000 assinaturas. A esperança é que o Denatran leve em consideração as propostas a tempo de publicar as novas resoluções que alteram o Código de Trânsito Brasileiro, que começam a vigorar em 2021.

Paralelamente, a FBVA aguarda um posicionamento do Denatran quanto a outra proposta, enviada em 2016, na qual sugere atualizações na resolução 56 – que é válida desde 1998 e dita as regras para concessão de certificado de originalidade e placa preta a veículos antigos. A intenção é tornar mais específicos e severos os critérios de aprovação. Por conta da frequência de automóveis antigos modificados a receber a placa preta (que ficou popularmente conhecida como “placa treta”), a organização pretende definir normas específicas para veículos originais e para modificados com itens de época.

 

Brabus apresenta Mercedes-AMG GT 63S de 900 cv

A Brabus acaba de apresentar mais um modelo AMG que recebeu tratamento – e, como já aprendemos a esperar da preparadora alemã, ele não poupa números: baseado no Mercedes-AMG GT 63S de quatro portas, o Brabus Rocket 900 tem (você adivinhou) 900 cv, acompanhados de 127,5 kgfm de torque. Originalmente, o super sedã tem 640 cv e 91,2 kgfm de torque.

Se isto já é impressionante por si só, os detalhes levam a coisa a outro nível. Além de instalar novos turbocompressores maiores, aumentar a pressão de trabalho e reprogramar a ECU, a Brabus também aumentou o deslocamento do motor de quatro para 4,5 litros. Também foi instalado um novo sistema de indução do tipo ram air, com entradas de ar nas extremidades da grade, para garantir que o motor sempre receba todo o ar fresco de que precisa.

A questão é que o câmbio do AMG GT 63S não suportaria 127,5 kgfm de torque – por isso, o torque foi limitado eletronicamente a “apenas” 107,7 kgfm.

 

Segundo a Brabus, o Rocket 900 vai de zero a 100 km/h em 2,8 segundos, de zero a 200 km/h em 9,7 segundos, e de zero a 300 km/h em 23,9 segundos. A velocidade máxima é limitada em 330 km/h para proteger os pneus.

O carro também recebeu algumas modificações estéticas e funcionais: novas rodas de fibra de carbono com inspiração nas clássicas Turbofan, e uma asa até que discreta asa traseira. A carroceria é pintada em cinza “Stealth Gray” e o interior traz acabamento em couro e Alcantara, além de toda a customização costumeira da Brabus, com novos detalhes de acabamento em vermelho e couro costurado à mão.

Serão feitos apenas 10 exemplares do Brabus Rocket 900, cada um custando € 435.800 – mais que o dobro do quanto a Mercedes-AMG pede pelo GT 63S na Europa.

 

Chevrolet Tracker LTZ perde motor 1.2 turbo – e Premier ganha 1.0 turbo

 

A Chevrolet começa a entregar às concessionárias o Tracker 2021, que teve sua linha atualizada. A versão intermediária LTZ agora só é vendida com o mesmo motor 1.0 turbo três-cilindros de 116 cv. O motor 1.2 turbo de 133 cv, por sua vez, ficará restrito à versão Premier, que também poderá ser comprada com o motor 1.0.

De acordo com os colegas do Autos Segredos, o Tracker LTZ 1.0 turbo custará R$ 105.490 quando as vendas começarem no início de novembro – R$ 1.000 a menos que o LTZ 1.2, que não será mais vendido. Nas versões Premier 1.0 e 1.2, a diferença de preço é mais significativa: o 1.0 custará R$ 114.590, enquanto o 1.2 sairá por R$ 121.290 – são R$ 6.700 a mais.

Em equipamentos, o Tracker LTZ 1.0 Turbo perde os faróis de neblina, mas ganha sensor de estacionamento traseiro e porta USB para os ocupantes do banco de trás. Já o novo Premier 1.0 não conta com o teto solar panorâmico da versão mais potente.

 

Toyota Corolla pode ganhar versão híbrida plug-in

A Toyota pode estar preparando novidades para o Corolla – uma versão híbrida plug-in está em desenvolvimento, de acordo com o site japonês Best Car Web.

Citando fontes ligadas à marca, a publicação diz que a nova variante ganharia uma bateria com maior capacidade e recarregável na tomada ou em uma estação de carregamento, além de capacidade para rodar apenas com o motor elétrico. Seria interessante para quem quer ir ao trabalho sem gastar combustível – como exemplo, o Toyota RAV4 híbrido plug-in, vendido nos EUA, é capaz de rodar 62 km sem usar o motor a combustão.

Já existe um Corolla plug-in à venda, de certa forma – na China, usando como base a geração passada e usando diversos componentes do Toyota Prius chinês. Fazer uma versão híbrida plug-in baseada na geração atual do Corolla pode ser um bom negócio para a Toyota, aproveitando a crescente popularidade deste tipo de configuração em mercados como a Europa e os Estados Unidos.

 

Veículos mais pesados, como SUVs, vão ficar mais caros na França

O governo francês aprovou uma medida que pode ser polêmica quando entrar em vigor: carros mais pesados vão ficar mais caros. De acordo com os legisladores franceses, a ideia é encorajar compradores a procurarem modelos mais leves, que consomem menos recursos em sua produção e operação; e fazer com que as fabricantes passem a se preocupar não só com as emissões dos seus carros, mas com o impacto ambiental de todo processo de produção e desenvolvimento.

Confirmada pela ministra Barbara Pompili no último dia 15 de outubro, a nova taxa será cobrada sobre veículos que pesem mais de 1.800 kg, acrescentando ao preço final € 10 para cada quilograma acima deste limite. Ou seja, um hipotético veículo que pese 1.900 kg custará € 1000 a mais.

Como os veículo mais pesados costumam ser os SUVs, a cobrança já foi apelidada pelos franceses de “taxa do SUV”. E, em alguns modelos, ela trará um acréscimo significativo ao preço para o consumidor. Um BMW X5, por exemplo, pode chegar aos 2.510 kg – o que significa que ele custará € 7.100 a mais quando a medida começar a valer.

 

BMW M4 Competition ganha série limitada com grife Kith

O BMW M4 sequer foi lançado direito e já ganhou sua primeira série especial – uma edição limitada feita em parceria com a grife americana Kith.

A série usa como base a versão Competition – mais potente, com 510 cv no motor seis-cilindros biturbo de três litros – e traz elementos de design criados por Ronnie Fleg, fundador da Kith, por dentro e por fora.

De série, os carros têm um novo emblema da Kith na traseira, usando as cores da BMW Motorsport, além dos logos da Kith bordados no couro Marfino dos bancos, revestimentos das portas e apoio de braço no console central.

Outro emblema da Kith fica no painel de instrumentos. Além disso, opcionalmente, o teto de fibra de carbono pode trazer um enorme letreiro com a mesma temática.

O carro será oferecido em três cores: preto “Frozen Black”, prata “Frozen Dark Silver”, e branco “Frozen Brilliant White”. Apenas dez unidades serão feitas, com encomendas nos EUA abrindo amanhã (24).

 

 

Matérias relacionadas

Vamos babar um pouco nesta Audi RS4 Avant de primeira geração com apenas 188 km rodados

Dalmo Hernandes

Amati: o fracasso da “Lexus” da Mazda

Marco Antônio Oliveira

É por isso que você não pode deixar seu Lamborghini com qualquer mecânico

Dalmo Hernandes