A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Carros Antigos História

CERV, o monoposto de corrida da Chevrolet que nunca competiu

Nos anos 60, um carro que vencesse corridas era recurso valioso na indústria automotiva americana: era o win on Sunday, sell on Monday — o público adorava a ideia de ter na garagem um automóvel da mesma marca de um campeão das pistas. Não havia exceções. Por isso mesmo, quando o Chevrolet Engineering Research Vehicle I foi apresentado, em 1960, ser uma plataforma de testes para o time de engenharia da General Motors, como seu nome sugeria, era só um de seus objetivos. Na época o Corvette já era um esportivo experiente. Depois de uma estreia morna, em 1953, quando os 155 cv do seis-em-linha de 3,9 litros Blue Flame não faziam justiça ao belo visual, o 'Vette ganhou um motor V8 e, finalmente, tornou-se um roadster desejável por seu desempenho. Todos sabemos, porém, que o carro que deu ao Corvette a personalidade que mantém até hoje — um esportivo europeu feito à moda americana — foi o C2, de 1963, conhecido como Sting Ray. "Pai do Corvette" é como ficou conhecido Zora Arku

Matérias relacionadas

Lendas de Le Mans: Jaguar D-Type, o sucessor do C-Type e pai do XKSS

Gustavo Henrique Ruffo

Quer começar um Project Car? Veja como não acabar numa roubada

Leonardo Contesini

Este Peugeot 205 de subida de montanha já foi mula de testes da Fórmula 1

Dalmo Hernandes