A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

Como a Alfa Romeo foi por muito tempo parte do legado fascista

Engana-se quem pensa que uma ditadura significa apenas o fim da liberdade e dos direitos civis. As ditaduras, por seu caráter totalitário, tendem a ir muito além nos conceitos sociais: elas tendem a revolucionar a cultura, a se apropriar de significados, a modificar a realidade em nome de um ideal. Pense nos carros: eles sempre foram símbolos da liberdade, da prosperidade e da evolução tecnológica, mas sob o nazi-fascismo esse significado foi sequestrado para representar a superioridade de duas nações interessadas em promover ideologias racistas e ultranacionalistas. Nos EUA e na Inglaterra, por exemplo, fazer um bom carro era uma questão de sobrevivência no livre mercado. Na Itália de Benito Mussolini e na Alemanha de Adolf Hitler, a sobrevivência era garantida pelo estado, que investiu pequenas fortunas para tornar suas fabricantes nacionais em ícones de modernidade e tecnologia para provar superioridade étnica/nacional. Um bom exemplo é a Mille Miglia. Ela não foi criada pelos fascis

Matérias relacionadas

Como as bicicletas salvaram as estradas e as tornaram melhores para os carros

Leonardo Contesini

Scirocco: a história do VW mais legal que a gente nunca teve no Brasil

Dalmo Hernandes

Circuito de Suzuka: a história de uma das últimas arenas à moda antiga da Fórmula 1

Dalmo Hernandes