A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Como funcionam os radares e outros aparelhos de fiscalização eletrônica?

Com o aumento do número de acidentes de trânsito no Brasil nos últimos anos — resultado de uma combinação explosiva de infra-estrutura viária precária e saturada, falta de preparo dos novos condutores e, claro, irresponsabilidade de motoristas — a fiscalização eletrônica se tornou um recurso fácil (e rentável) de monitorar as ruas, estradas e avenidas de todo o Brasil. Mas você já se perguntou como eles funcionam? Ele têm nomes diversos, dependendo do lugar: pardal, radar, caetano, caça-níqueis e afins. Mas a verdade é que muita gente chama os fiscalizadores de velocidade de radares de uma forma indiscriminada. Radares são só os sistemas móveis, como as pistolas e os equipamentos colocados em tripés à beira da pista ou nas viaturas. Os sistemas fixos não usam radar, e sim sensores eletromagnéticos instalados na pista. A seguir, explicamos como eles funcionam.   Radares móveis Diferentemente do que muita gente imagina, "radar" também não é o nome do equipamento

Matérias relacionadas

O primeiro protótipo do Lancia 037 que competiu no Grupo B de rali vai ser leiloado

Dalmo Hernandes

Motor 1.0 três-cilindros, cara (quase) nova e multimídia: Volkswagen lança Gol e Voyage 2017

Dalmo Hernandes

Dois dos Plymouth Hemi ‘Cuda mais raros do planeta estão à venda – por nada menos que R$ 24 milhões!

Dalmo Hernandes