A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos Sessão da manhã

Ferrari F40, F50 e Enzo à venda! Qual delas você escolheria?

Imagine que você está com uma bolada nas mãos, em dinheiro vivo. Como você conseguiu esta grana? Não faça perguntas! Aproveite o momento. Você precisa usar este dinheiro para comprar uma Ferrari, e então encontra uma loja com três opções: a clássica F40, a renegada F50 e a moderna (e veloz) Enzo. Qual das três você levaria para a sua garagem?

Foi exatamente isto que encontramos no eBay: uma concessionária Ferrari que, por felicidade do destino, possui um exemplar de cada uma destas três gerações de supercarros topo-de-linha da marca de Maranello.

Trata-se da Ferrari Fort Lauderdale, no estado da Flórida, EUA. Parece uma situação corriqueira, afinal estamos falando de uma concessionária Ferrari e Maserati que traz em seu estoque diversos supercarros (de outras marcas, inclusive). Mas não é: estes três carros são lendários e raros, e não é muito comum vê-los juntos – quando acontece, é algo realmente especial.

Para começar, elas são raras, muito raras. E se você acompanha o FlatOut sabe que a menos rara delas é justamente a mais cobiçada: a F40, da qual foram produzidas 1.311 unidades entre 1987 e 1992. A F50, sua sucessora, teve 349 unidades fabricadas entre 1995 e 1997 e a Enzo, que homenageia o fundador da companhia em seu nome, teve 399 unidades produzidas em 2002 e 2003.

Agora, raridade certamente não é a única coisa que te leva a comprar uma Ferrari. Há o design, o desempenho, o ronco do motor e, na maioria dos casos, uma paixão incondicional pela marca. A conta bancária bem recheada é um mero detalhe… mas não se preocupe: nossa pergunta é hipotética, feita para alimentar sua imaginação, então você não precisa ter bala na agulha para escolher a sua. O que você precisa, contudo, é conhecer as qualidades de cada uma delas.

$_57

Vamos pela ordem cronológica. A F40 que está à venda na Ferrari Fort Lauderdale é um exemplar fabricado em 1991 e, de acordo com o anúncio no eBay, rodou apenas 6.971 milhas — o que dá exatamente 11.218 km. O anúncio também diz que o carro foi certificado pela divisão especial Ferrari Classiche que a marca mantém em Maranello. Com uma oficina de 950 m², a divisão Classiche é responsável por realizar serviços de manutenção em carros especiais, dar assistncia técnica a proprietários e emitir certificados de originalidade.

08 (1)

Um carro que passou pelas mãos dos mecânicos e especialistas da Ferrari Classiche tem sua boa procedência mais do que confirmada, e as fotos do anúncio, apesar de pequenas, deixam isto bem claro: absolutamente todos os detalhes do carro estão impecáveis, como se ela nunca tivesse corrido.

17 (1)

E isto é muito importante: se você está pensando em comprar um dos maiores supercarros já feitos, com um V8 biturbo de 485 cv e a capacidade de chegar aos 100 km/h em 3,8 segundos, vai querer mesmo que esteja tudo em ordem.

42

Fora isto, a Ferrari Fort Lauderdale não dá muito mais detalhes do carro além do preço: US$ 1.599.900, o que dá cerca de R$ 4,9 milhões. E ela é a mais barata das três.

 

Se o preço mais em conta não for o bastante para te convencer a respeito da F40, que tal isto?

Ou isto?

Agora, por exatamente US$ 1 milhão a mais, ou seja, US$ 2.599.900 (cerca de R$ 7,9 milhões), você pode comprar a sucessora da F40. Como já comentamos aqui, a F50 é um carro renegado. Seu design, apesar de ser uma evidente evolução da F40, não tem tantos fãs.

57

Seu motor, apesar de mais potente e girador que o da F40 e derivado daquele usado na Ferrari 641, que competiu na Fórmula 1 em 1990, tem menos torque (são 47,9 mkgf contra 58,8 mkgf) e comportamento mais linear – não é um soco na cara como a F40.

25

Só que ainda estamos falando de um V12 de 4,7 litros e 520 cv que é capaz de chegar às 8.500 rpm e levar a F50 aos 100 km/h em 3,7 segundos. Ela também é mais sofisticada que a F40, com suspensão derivada da Fórmula 1 e amortecedores ajustáveis eletronicamente. E que ronco é este, meus amigos?

De acordo com o anúncio, esta F50 foi fabricada em 1995 e rodou apenas 5.275 milhas, ou 8.489 km. Apesar de não ser certificada pela Ferrari Classiche, a concessionária garante que todas as revisões foram realizadas religiosamente em concessionária e que o carro está em condições “soberbas”. Pelas fotos, difícil duvidar.

53

Agora, se você quer algo mais contemporâneo e igualmente impressionante, sua candidata é mesmo a Enzo. A antecessora da toda-poderosa LaFerrari também tem um V12. Ele desloca seis litros, tem 48 válvulas e comando duplo nos cabeçotes, sendo capaz de entregar 660 cv a 7.800 rpm e 66,9 mkgf de torque. E é óbvio que você vai querer ouvir o ronco dele.

É o bastante para levar a Enzo aos 100 km/h em 3,14 segundos (π!), com máxima de 355 km/h. A Enzo é a única das três que, em vez do maravilhoso câmbio manual com grelha, traz uma caixa semi-automática de seis velocidades com borboletas atrás do volante, tecnologia inspirada na Fórmula 1.

43

Pode até ser um sacrilégio do ponto de vista old school, mas é o primeiro grande passo em direção à La Ferrari e sua caixa com dupla embreagem capaz de trocar marchas em milésimos de segundo.

17 31

Por isto e por ser a mais nova das três, a Enzo também é a mais cara de todas: a etiqueta diz que ela custa US$ 2.699.900, o que dá cerca de R$ 8,3 milhões. A exemplo das duas antecessoras, ela rodou pouco (11.935 milhas, ou 19.207 km) e tem seu histórico de revisões todo em concessionária.

Enquanto a F40 oferece a mais pura experiência de pilotagem e é considerada um dos maiores supercarros que existem, a F50 é um carro mais confortável e dócil (segundo Chris Harris, tem até um quê de grand tourer). A Enzo custa US$ 1 milhão a mais, mas é um supercarro moderno – ainda que tenha rodado mais. Você só pode escolher uma. Qual vai ser?

Matérias relacionadas

Este cara está transformando um Fusca em um hot rod dos Jetsons

Dalmo Hernandes

Connaught Type-D GT, o esportivo com um V10 supercharged de dois litros que nunca foi fabricado

Dalmo Hernandes

Marchetaria: a assinatura de luxo da Bentley e Rolls Royce está na arte da madeira

Juliano Barata