A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Contran proíbe radares escondidos, Vettel na Aston Martin em 2021, o novo BMW M4 GTS e mais!

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Contran proíbe radares ocultos

O Conselho Nacional de Trânsito publicou no Diário Oficial da União desta última quarta-feira (9) novas regras e requisitos técnicos para a fiscalização eletrônica de velocidade em vias públicas. As mudanças resumidamente proíbem que os equipamentos de fiscalização — fixos ou portáteis — sejam ocultos e ainda obriga a divulgação dos locais de operação.

A mudança passa a valer a partir de 1º de novembro deste ano para os equipamentos novos, instalados ou utilizados a partir desta data. Os equipamentos já instalados terão até o dia 1º de novembro de 2021 para se adequar às novas regras.

A nova resolução (798/2020) proíbe que radares fixos sejam instalados em “árvores, marquises, passarelas, postes de energia elétrica, ou qualquer outra obra de engenharia, de modo velado ou não ostensivo”, o que deixa claro que eles precisam ser visíveis. Os radares fixos também terão afixados uma placa informando o limite de velocidade da via — o que coíbe a prática de se instalar a placa de limite de velocidade na distância máxima do medidor.  Além disso, em rodovias com duas faixas ou mais, terão de ter os limites afixados nos dois lados da via ou placas suspensas tipo “pórtico” para que o limite não seja ocultado por um veículo grande à direita.

Quanto aos equipamentos portáteis — manuais ou de tripé —, eles só poderão ser usados em vias urbanas ou rurais com características urbanas, quando a velocidade máxima permitida for igual ou superior a 60 km/h, e nas vias rurais quando a velocidade máxima permitida for igual ou superior a 80 km/h em rodovias ou 60 km/h em estradas. Além disso, para a utilização do equipamento deve ser realizado um planejamento prévio em trechos com potencial ocorrência de acidentes de trânsito, que tenham histórico de acidentes graves ou que tenham histórico de abusos de velocidade. Em resumo: o uso dos radares deverá ser justificado por documento interno do órgão fiscalizador. Isso permitirá que, em casos suspeitos como o divulgado pela Rádio Bandeirantes em 2019, as autoridades possam investigar se o uso do radar obedeceu realmente a critérios técnicos.

Outra mudança é que os locais de instalação e afixação dos radares sejam divulgados nos sites oficiais “a relação de todos os medidores de velocidade existentes em sua circunscrição, contendo o tipo do equipamento, o número de registro junto ao Inmetro, o número de série do fabricante, a identificação estabelecida pelo órgão e, no caso do tipo fixo, também do local de instalação”.

Por fim, os equipamentos portáteis deverão registrar, além de todas as informações exigidas atualmente, as coordenadas geográficas (latitude e longitude) do local em que forem operados. Isso permitirá ao condutor autuado se o equipamento estava realmente posicionado de forma regular, pois o Contran dispõe distâncias mínimas e máximas para o posicionamento de medidores móveis em relação à sinalização e aos equipamentos fixos. Atualmente, com o radar oculto e sem sua posição definida por GPS, o condutor infrator não tem como saber se a fiscalização agiu de boa-fé posicionando o radar de forma regular — afinal, ele estava oculto. (Leo Contesini)

 

Sebastian Vettel irá correr pela Aston Martin em 2021

Depois do anúncio de que Carlos Sainz Jr. fora contratado pela Ferrari para 2021, o futuro de Sebastian Vettel na categoria era incerto. Mercedes e Red Bull eram altamente improváveis, a McLaren e a Renault já estavam com os assentos ocupados e com a Alfa Romeo atuando como equipe de acesso para a Ferrari, substituir Kimi seria algo ainda mais improvável.

 

Mas então a Race Point, — que irá correr como Aston Martin em 2021, depois que Lawrence Stroll comprou a Force India e parte da fabricante britânica e juntou tudo em um bolo só – demitiu Sergio Perez, deixando claro que estava abrindo lugar para Sebastian Vettel correr em 2021. Agora, na manhã desta quinta-feira, o alemão tetracampeão mundial foi anunciado pela equipe para a próxima temporada, ao lado de Lance Stroll.

Com a confirmação de Vettel, a Aston se torna a quinta equipe a confirmar seu lineup de pilotos para 2021. Até agora a Ferrari confirmou Leclerc e Sainz Jr., a Renault confirmou Alonso e Ocon, a McLaren confirmou Ricciardo e Norris, e a Williams confirmou Latifi e Russell. Apesar de não ter confirmado o contrato com Hamilton, a Mercedes certamente irá renovar com o britânico — o contrato está em “ajustes”, segundo Hamilton.

Haas, Alpha Tauri, Red Bull e Alfa Romeo ainda não confirmaram seus pilotos, mas sabe-se que Kimi Raikkonen tinha um contrato de apenas dois anos com a Alfa Romeo, que se encerra neste ano e que Mick Schumacher irá fazer um teste pela equipe em Mugello. É possível, portanto, que a Ferrari coloque Mick Schumacher na F1 em 2021 (exatamente 30 anos depois da estreia de seu pai).

Na Red Bull, a questão é se Albon irá continuar, porque Verstappen já tem contrato para 2021. Já na Haas, os dois pilotos ainda estão em posição incerta. Fala-se no retorno de Nico Hulkenberg à categoria, possivelmente pela Haas (embora haja uma certa especulação sobre sua ida para a Alfa Romeo, ao lado de Schumacher). (Leo Contesini)

 

Possível BMW M4 GTS aparece camuflado

A BMW ainda vai revelar os novos M3 e M4, mas parece que as variantes já estão sendo testadas. O perfil no Instagram @actu.auto.fr publicou uma foto do que parece ser o futuro M4 GTS, versão mais potente com foco no uso em pista que deve chegar algum tempo depois das versões comuns.

O que chama a atenção logo de cara é o arranjo das saídas de escape – são quatro, empilhadas na diagonal, no centro do para-choque traseiro. É um visual curioso que pode causar estranhamento, mas também garante que o carro não seja confundido com nenhuma outra variação do Série 4. Há também uma asa traseira fixa na tampa do porta-malas, como no atual M4 GTS.

Se a receita da geração passada for seguida, o novo M4 GTS deverá ter um sutil upgrade de performance no motor seis-cilindros 3.0 biturbo e alívio de peso com o uso de componentes de suspensão e freios mais leves. Para efeito de comparação, enquanto o M4 atual tem 436 cv, o GTS tem 500 cv. (Dalmo Hernandes)

 

Nissan GT-R deve ganhar “Final Edition” com 720 cv

Lançado em 2007, o Nissan GT-R é um dos esportivos mais antigos do mercado – e deve continuar assim por mais algum tempo. Rumores recentes dizem que ele não ganhará uma nova geração antes de 2023.

Mas parece que a Nissan já está preparando sua despedida. Correm informações divulgadas pelo site japonês Best Car Web dizendo que a fabricante lançará um série especial chamada “Final Edition” em 2022. A publicação diz que o carro deverá ter produção limitada em cerca de 20 unidades, e que terá o mesmo powertrain usado pelo GT-R50 by Italdesign, o conceito que virou edição especial e dividiu opiniões por seu estilo um tanto avant-garde.

No GT-R50, o motor V6 biturbo de 3,8 litros foi recalibrado pela Nismo para entregar 720 cv e 79,5 kgfm de torque – em parte, graças ao uso das mesmas turbinas da versão de competição, que corre na categoria GT3. Ele também tem intercoolers maiores e injetores de maior vazão. Já o câmbio é o mesmo, com dupla embreagem e seis marchas, porém teve os componentes reforçados.

Os japoneses até falam do preço do carro – o equivalente a US$ 380.000, quase o dobro dos US$ 210.000 que custa um GT-R Nismo, mas bem mais em conta que os US$ 1 milhão do GT-R50 by Italdesign. (Dalmo Hernandes)

 

Ares S: supercarro com base de Corvette é anunciado

Dany Bahar anda mesmo ocupado: depois de mostrar seu supercarro retrô inspirado no De Tomaso Pantera e de processar a Ferrari pelos direitos sobre o design da 250 GTO, ele mostra seu novo projeto – o superesportivo Ares S, que usa a plataforma do novo Corvette C8 como base, mas traz uma carroceria bem mais sinuosa e europeia.

De acordo com Bahar, que conversou com os caras do Top Gear sobre o carro, a ideia é que o Ares S aproveite o bom hardware do Corvette, mas esconda perfeitamente suas origens. “É como o trabalho de um cirurgião plástico, mudando tudo o que se pode tocar e ver, cada botão – nosso objetivo é que você não faça ideia de que se trata de um Corvette C8 por baixo da carroceria”, diz o empresário.

Um protótipo de verdade, ainda sem interior, já foi construído. E o que se tem é um esportivo de visual bastante ousado, com proporções agressivas – caixas de roda enormes, bico curto e teto baixo – que lembra um carro de competição. A dianteira tem um quê de McLaren, mas com faróis de contorno assimétrico e complexo, enquanto a traseira lembra bastante o Bugatti Chiron, com sua lanterna horizontal.

Bahar diz que o Ares S será um “retorno às origens” no que diz respeito à mecânica. Segundo ele, muitos de seus clientes têm hiperesportívos caríssimos e ultrapotentes, de Ferrari LaFerrari a Koenigsegg, mas simplesmente não os dirigem como se deve porque são carros muito raros, muito fortes e que um tanto frios na condução. “Eles são tão potentes que não dão mais prazer ao volante”.

Por isso, o Ares S terá um V8 naturalmente aspirado de 6,2 litros com 715 cv a 6.450 rpm, acompanhados de 98,9 kgfm de torque a 5.150 rpm, com redline de 9.000 rpm. O câmbio será de dupla embreagem e oito marchas, levando a força para as rodas de trás por um diferencial de deslizamento limitado. Embora não tenha falado sobre a velocidade máxima, Dany Bahar afirma que o carro deverá ser capaz de ir de zero a 100 km/h em menos de três segundo de acordo com simulações.

Informações sobre a origem do conjunto mecânico, por ora, não serão dadas – a Ares Design diz que é “um segredo entre nós e nossos fornecedores”. Mas a ideia de um V8 sem turbos girando a 9.000 rpm é bem interessante.

A empresa afirma que os carros começarão a ser entregues ainda no fim de 2020, então mais informações devem surgir em breve. (Dalmo Hernandes)

 

Maserati divulga teaser de novo GranTurismo e SUV inédito

A Maserati não está brincando em serviço: pouco depois de mostrar o MC20, seu novo e revolucionário superesportivo com motor V6 biturbo, eles também mostraram teasers de dois lançamentos próximos: o novo Maserati GranTurismo e um SUV inédito chamado Grecale.

A fabricante ainda não fala muito sobre o novo GranTurismo, que será a primeira geração totalmente nova desde o lançamento, em 2007. O que se tem certeza é que ele dará origem ao conversível GranCabrio e, em linha com a estratégia atual da Maserati, terá uma versão totalmente elétrica – assim como todos os outros modelos da marca.

Já o Grancale teve mais informações divulgadas. A Maserati diz que ele será crucial para a marca nos próximos anos, e que será feito sobre a plataforma Giorgio da FCA – a mesma do Alfa Romeo Stelvio. Mas  ele terá proporções menores, ficando mais próximo do bem sucedido Porsche Macan, seu principal rival. E, como os Alfa Stelvio e Giulia, o Grancale será fabricado em Cassino, na Itália.

O nome Grancale, a Maserati explica, é em homenagem a um vento forte que sopra ao nordeste do Mar Mediterrâneo. Ele vem se juntar a outros modelos da Maserati que receberam nomes de ventos – Mistral, Ghibli, Bora, Merak, Khamsin e Levante.

Tanto o novo GranTurismo quanto o Grancale serão revelados por completo em algum momento de 2021, e por enquanto a Maserati não dá mais informações além disto. (Dalmo Hernandes)

Matérias relacionadas

Porsche 718 ganha versão GTS, Fiat fará corrida de Uno com escada no teto, Mercedes “gullwing” é encontrado em Cuba e mais!

Leonardo Contesini

Este “Chevette” é na verdade um Corvette disfarçado de Opel Kadett – e ele tem um V8 de 9.500 rpm!

Dalmo Hernandes

Os carros turbinados de fábrica mais legais do GT40 – parte 2

Dalmo Hernandes