A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Lançamentos

Corvette C8: como anda a nova geração com motor central-traseiro?

Os tempos mudam, e é preciso adaptar-se a eles. O mercado de esportivos está muito mais globalizado e avançado do que há cinco, dez anos atrás. Com isto, um dos bastiões dos esportivos old school, o Chevrolet Corvette, abraçou de vez a evolução e adotou, enfim, o motor central-traseiro.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O Corvette C7, lançado em 2014, foi amplamente considerado o melhor Corvette de todos até aquele momento – e, de fato, seu projeto era uma excelente base para um monstro das pistas, como a própria Chevrolet provou com o Corvette ZR1 e seu tempo de 7min04s em Nürburgring Nordschleife. Entretanto, o layout de motor dianteiro tinha seu apelo limitado aos EUA. Para ganhar o mundo, o motor precisava trocar de lugar.

Como já comentamos antes, para nós a Chevrolet fez um bom trabalho conservando a identidade visual do ‘Vette na geração C8. E nós também os elogiamos – fazendo coro com o resto do mundo, diga-se – por conseguirem oferecer um esportivo de 500 cv, capaz de acelerar até os 100 km/h em menos de três segundos, por menos de US$ 60.000. É uma fração do que custam todos os seus rivais em desempenho.

Foi só agora, porém, que os primeiros reviews do Corvette de motor central-traseiro foram publicados pela imprensa internacional. Assim, podemos enfim saber: a revolução valeu a pena? Mais do que um bom Corvette, o C8 é um bom esportivo de motor central-traseiro?

Enquanto não podemos tirar a prova por nós mesmos, vamos dar uma olhada no que os jornalistas que já andaram no Stingray andam falando.

O tom geral dos reviews é de aprovação, já podemos adiantar. O que não surpreende, afinal, a Chevrolet passou décadas brincando com a ideia de um Corvette de motor central traseiro. E ainda gastou ao menos cinco anos testando a plataforma do C8 – o primeiro protótipo foi uma Holde Ute adaptada que foi flagrada pela primeira vez em 2013. A fabricante não arriscaria uma manobra tão ousada sem ter pelo menos 110% de certeza de que o resultado estava à altura das expectativas.

Ao mesmo tempo, seria difícil esperar um carro perfeito, revolucionário, que estabelecesse um novo patamar entre os esportivos de motor central-traseiro. O Corvette chegou tarde à disputa neste segmento, que já é muito bem estabelecido e possui diversos concorrentes de peso e tradição. Não faz sentido esperar que o estreante chegue e faça todo mundo comer poeira. Ainda mais

Uma techo que resume bem esta noção vem de Jason Cammisa, da Road and Track.

Vamos tirar logo do caminho: o Chevrolet Corvette 2020 é bom. No entanto, ele não é ótimo.

O Corvette C8 é, sem sombra de dúvida, o carro mais importante do ano. Ele manteve todas as características principais do Corvette anterior: um V8 de alto desempenho, preço acessível, carroceria de fibra de vidro e chassi de alumínio. Mas, pela primeira vez, o motor fica atrás dos bancos, e o câmbio manual foi eliminado para diminuir a distância entre o Corvette e os supercarros europeus. É um grande momento para a Chevrolet.

É fácil confundir a importância deste novo Corvette e sua competência. Mas nós vamos pela direção oposta. De qualquer forma, ele é um carro que tem potencial para ser incrível, mas ainda não chegou lá.

Ou seja, o Corvette tem qualidades e defeitos que não podem ser ignorados, e eles geralmente se complementam ou se anulam. Por exemplo, ele ficou mais potente, mas também ficou mais pesado. Ele é o Corvette mais rápido da história (entre os produzidos em série, obviamente), mas se beneficia menos do layout de motor central-traseiro do que poderia. E por aí vai:

Atualizado, o motor V8 LT2 de 6,2 litros agora entrega 500 cv e 65 kgfm de torque, um ganho de 35% e 10%, respectivamente. São acréscimos relativamente modestos em um mundo turbinado, no qual algumas linhas de código podem multiplicar estes números. Mas o small block continua sendo um retorno elegante e bem acertado aos tempos em que os motores roncavam bonito e respondiam instantaneamente ao acelerador.

A potência extra é quase totalmente anulada pelo aumento de 92 kg do C8 em relação ao C7 Stingray. Pesando 1.650 kg, a nova geração tem relação peso-potência apenas 1% melhor que a antiga. 

E, ainda assim, o C8 conseguiu marcar impressionantes 2,8 segundos no zero a 100 km/h, crucificando o C7 e seus 3,9 segundos. Enxugar quase 1/3 do tempo de aceleração sem aumentar a potência na mesma proporção é possivelmente o maior feito já conquistado por uma fabricante desde a combustão interna em si.

Então, qual é o problema? Basicamente, o acerto subesterçante do carro. Ainda de acordo com Cammisa:

Nós não apenas pensamos que a Chevrolet consegue fazer melhor, nós sabemos disso. O acerto de chassi da Chevrolet costuma ficar entre os melhores da indústria. Por vezes, chega a ser o melhor, mostrando a fabricantes como a Porsche e a Ferrari como um carro deve se comportar. A C7 Stingray da geração passada era nada menos que magnífico.

O C8 ainda não chegou nesse nível. Ele não tem a mesma graciosidade no limite que o 718 Cayman, e nem o ímpeto de avião de combate da Ferrari 488 Pista.

(…) Graças à potência, ao câmbio e ao grip, o C8 tem desempenho excelente em linha reta. Mas o Corvette não pode ser bom apenas em linha reta, e nesse quesito o layout de motor central-traseiro deveria fazer uma enorme diferença. Só que ele não faz. Conseguir 1,03g de aceleração lateral parece algo bom, até você lembrar que o C7 conseguiu 1,08 g há seis anos. E, naquele carro, o piloto de testes não reclamou de subesterço.

Além disso, a direção não comunica os limites do carro. O peso não muda caso os pneus dianteiros comecem a sair de frente. E, mais decepcionante ainda, não fica mais afiada quando a traseira começa a escapar.

Outros veículos que testaram o Corvette C8 não foram tão céticos. O pessoal da Motor Trend, por exemplo, teve mais elogios ao Corvette. E eles também interpretaram o subesterço de outra forma. Nas palavras de Scott Evans:

Colocando de forma simples, o C8 não é nenhum carro de drift. Se você tentar corrigir o subesterço com uma pisadinha de leve no acelerador, só conseguirá mais subesterço. Se você pisar muito fundo com o controle de estabilidade desligado, provavelmente acabará rodando. É preciso ser extremamente paciente e acelerar da forma correta, e assim o C8 atacará a curva e sairá dela com muita força. Mas se você acelerar demais, a traseira vai escorregar. A linha entre uma bela derrapagem controlada e um rodopio é fina como uma navalha.

O que explica as saídas de frente. (…) Elas tornam mais difícil andar de lado e diminuem as chances de o carro rodar. A equipe do Corvette é mais do que capaz de acertar o carro para um comportamento mais equilibrado, o que nos faz pensar que tudo foi intencional.

A maioria dos Corvette vendidos será de Stingray. É mais que provável que seus compradores jamais tenham dirigido um carro de motor central-traseiro que chega aos 100 km/h em menos tempo do que é preciso para ligar o motor. Um subesterço violento vai ajudar os donos mais apressadinhos a não se meterem em encrenca. Com tudo isto em mente, também esperamos que nos futuros modelos, como o Grand Sport, o Z06 e o ZR1, a Chevrolet pese menos a mão no subesterço, melhorando a performance.

A Motor Trend também criticou os freios – que, pela primeira vez, usam sensores e atuadores eletrônicos em vez de cabos, o que mantém a eficiência das frenagens, mas prejudica a sensação do pedal. Por outro lado, também há elogios para o uso no dia-a-dia. Que, convenhamos, é um dos argumentos de venda do Corvette desde sempre.

Ainda que, nos freios, isto seja uma desvantagem, o bom isolamento da suspensão em longas viagens é um destaque. Os amortecedores magnéticos, quando colocados no modo Tour, dão ao Corvette o rodar de um sedã esportivo. Impactos de irregularidades no piso, como rachaduras no asfalto e trilhos de trem, são mais ouvidos do que sentidos. Mesmo choques mais fortes dificilmente chacoalham o habitáculo. Colocar o seletor nos modos Sport ou Track deixa a suspensão mais dura, e aumenta os movimentos verticais para os ocupantes mas, mesmo em sua configuração mais firme,  rodar do Corvette não é um sacrifício.

A impressão que fica é que o Chevrolet manteve o Stingray o mais próximo possível do Corvette anterior neste primeiro momento, melhorando sua percepção ante ao grande público, ao mesmo tempo em que deixa claro que o projeto tem mais potencial do que se vê logo de cara. Tanto que, em outros aspectos mais mundanos, vê-se muitos elogios.

Kirk Bell, do site australiano Motor Authority, que o diga:

Dirigi [o Corvette C8] no subúrbio como qualquer outro carro, e fiquei impressionado com o quanto ele é mais civilizado. A começar pelo ronco do motor. Rodando pela vizinhança, rugido do V8 não é tão pronunciado quanto no Corvette C7, e fica mais fácil conversar dentro do carro. Entretanto, ele ainda responde quando provocado, e tem um ronco mais alto no modo Track. O V8 americano ainda soa como um V8 americano, exceto que em um volume mais baixo.

(…) Por dentro, a qualidade dos materiais e do acabamento deu um salto. E a visão do bando do motorista melhorou, também. Em vez de sentar baixo, com o capô e seu scoop bloqueando a visão, o motorista agora fica mais alto, e a visão do para-brisa é muito mais aberta e livre. A visão das laterais também é excelente. E até a visão do vigia traseiro é decente – e o motor fica tão baixo que eu não consigo vê-lo olhando para trás.

Mais silêncio, mais visibilidade, mais conforto, e acabamento superior. Mais quatro pontos positivos para o novo Corvette.

Mike Duff, da britânica Autocar, também foi mais ponderado.

A maior diferença [em relação ao Corvette antigo] está na estabilidade e na confiança que o carro passa ao motorista. Mesmo o Corvette C7 de entrada parecia um carro complicado na hora de carregar bastante velocidade em estradas sinuosas. O C8 tem muito grip em qualquer situação, e não passa a sensação de estar tentando te levar ao limite.

É preciso pisar com força nas curvas mais apertadas para fazer a traseira escorregar; em curvas mais rápidas, o carro parece completamente plantado no chão. A suspensão incrivelmente complacente também ajuda aqui, mas o Corvette se dá ainda melhor com mudanças de relevo quando os amortecedores adaptativos estão instalados, tanto no modo Tour quanto no modo Sport.

Imaginamos que os norte-americanos estão em uma posição complicada, especificamente quando o carro é claramente acertado para agradar a um público mais global. Eles conseguiram aceitar a ruptura do novo Corvette com o passado, mas precisam admitir que a receita ainda não está totalmente pronta – e ainda precisam levar em conta que, por mais que o Corvette seja um carro entusiasta e tenha muito potencial, as coisas mudaram e a Chevrolet levou bastante tempo para admitir que os limites do arranjo original já foram atingidos.

Deve ser complicado ter nas mãos um ícone tão radicalmente reconfigurado, e ter de esperar mais alguns meses para vê-lo chegar a seu auge. No entanto, percebemos também que a Chevrolet sabe o que está fazendo, e só podemos agradecer pelo fato de o Corvette ainda estar vivo, mesmo que diferente. Não se pode falar a mesma coisa a respeito do Dodge Viper, por exemplo.

Fiquemos com a conclusão da Road and Track, que nos faz crer novamente no futuro dos esportivos:

Ainda que o Corvette C8 não tenha redefinido a dinâmica dos esportivos de motor central-traseiro, ele é tem desempenho muito bom e cumpre as promessas da GM em aceleração. Mas o Stingray é só o começo. Ele pode não ser incrível ainda, mas é um começo e tanto para um novo capítulo na história dos esportivos americanos.

Matérias relacionadas

Fiat Argo: o que já sabemos sobre versões, cores, motores, itens de série e opcionais do hatch

Leonardo Contesini

Novo Land Rover Defender é lançado no Brasil e parte de R$ 400.750

Dalmo Hernandes

Um V10 de 610 cv e 330 km/h: o novo Audi R8 2016 dissecado em detalhes

Dalmo Hernandes