A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Técnica

Por que é preciso desmontar a traseira da Ferrari F50 para trocar sua embreagem?

Você certamente já havia visto antes esta foto aí de cima. Ela fez sucesso há alguns anos quando correu a internet mostrando a complexidade de uma mera troca de embreagem na Ferrari F50. É uma imagem impressionante, afinal, ela mostra uma das Ferrari mais raras da história claramente partida ao meio, como se tivesse sofrido um acidente ou mesmo como se estivesse sendo picotada para algum projeto bizarro. O que acontece é que, apesar da imagem impactante, o procedimento é mais simples e rápido do que parece, e não demora muito mais que a troca em um carro convencional, que não exige a desmontagem completa do cofre do motor. Isso porque a Ferrari F50, lembre-se, é um carro com motor estrutural. Isso significa que a única estrutura que suporta a traseira é o conjunto de motor e câmbio. Tudo fica apoiado sobre suportes na carcaça do câmbio em uma ponta, e preso à parte posterior do monocoque na outra. Você já viu detalhes dessa construção no post especial sobre as Ferrari F50 e F40 em

Matérias relacionadas

Catt: Como funciona o eixo traseiro autodirecional dos Citroën, Peugeot e outros esportivos dos anos 1980 e 1990?

Leonardo Contesini

Tipos de suspensão: como identificá-los – e os prós e contras de cada um

Leonardo Contesini

Dez mudanças para salvar a Fórmula 1 do marasmo e da desgraça

Juliano Barata