FlatOut!
Image default
Zero a 300

Europa quer o fim da combustão até 2035 | um Porsche 928 moderno | o mito do AP Mercedes e mais!


Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Parlamento Europeu aprova fim dos carros a combustão interna até 2035

O Parlamento Europeu aprovou a proposta que visa proibir a venda de carros movidos por motores de combustão interna até 2035. Foram 339 votos a favor do fim da combustão interna, 249 votos contrários e 24 abstenções.

A Câmara europeia foi severa na decisão, rejeitando um pedido para reduzir a meta de redução de CO2 de 100% para 90% em relação aos níveis de 1990, o que ainda permitiria que alguns veículos de combustão interna fossem vendidos após 2035. Somente uma proposta que protege os fabricantes pequenos, como a Pagani, por exemplo, foi aprovada: em vez de reduzir as emissões em 45% até 2021, eles precisam reduzir apenas em 15% até 2025 e em 55% até 2030.

A aprovação ainda não é o prego no caixão dos veículos de combustão interna na Europa, pois o Conselho Europeu ainda irá analisar a proposta e ela ainda será debatida com a Comissão Europeia e o próprio Parlamento Europeu. A intenção da União Europeia é chegar à “neutralidade climática” até 2050 – o que significa banir qualquer veículo de combustão interna das ruas.

Agora, a agência Reuters revelou um fato interessante: Ford e Volvo declararam publicamente que são favoráveis à proposta, enquanto a Volkswagen declarou que pretende parar de vender carros de combustão interna até 2035. Contudo, longe das luzes e dos olhos do público, vários grupos da indústria — dentre os quais está a associação das fabricantes alemãs, a VDA — pressionaram os legisladores europeus para recusar a meta de 2035. Sim, a Reuters fala claramente sobre lobby da indústria automobilística para segurar o plano.

A situação é clara: as empresas assumem uma postura pública politicamente correta, mas sabem que a implementação de uma frota 100% elétrica é inviável. E isso não é uma afirmação minha, mas dos próprios grupos nos emails aos quais a Reuters teve acesso. Nas mensagens, estes grupos da indústria falam que o plano “penaliza os combustíveis alternativos de baixa emissão de carbono” e dizem que o comprometimento como plano é “muito precoce, considerando as incertezas sobre a infraestrutura de recarga”.

Os fabricantes têm um ponto muito racional. Deixando de lado toda a preocupação válida e necessária com os recursos ambientais, qualidade do ar etc, é preciso colocar na mesa a viabilidade de se ter uma estrutura capaz de atender uma frota 100% elétrica.

Imagine, por exemplo, um daqueles postos movimentados nas rodovias, tipo Graal, Frango Assado, Olá e afins. Agora faça as contas: quantos carros entram e saem das pistas dos postos em 10 minutos, o tempo em que um carro elétrico levaria para uma recarga parcial. Então imagine o mesmo número de carros que você contou, parados, recebendo energia elétrica em alta tensão e alta corrente.

Qual seria a infraestrutura para suportar isso? Lembre-se que o mundo inteiro passa por uma crise energética causada pela guerra da Ucrânia/Rússia. E que mesmo o Brasil, com seus recursos naturais e energia limpa, passa por períodos de Bandeira Vermelha e ativa suas termelétricas. Numa disputa geopolítica nada é preto no branco, tudo é cinza. De ambos os lados. Pode ser que o parlamento europeu esteja levando a pressão por carros mais “limpos” à sua força total. Pode ser que haja interesses de países produtores de petróleo. Há muito mais entre céu e terra do que imagina nossa vã filosofia, já dizia o famoso personagem. (Leo Contesini)

 

Mito ou verdade: o motor AP tem origem Mercedes?

Os leitores do site provavelmente já sabem a resposta, mas agora ela está contada no mais novo vídeo do FlatOut no YouTube. Leo Contesini (eu mesmo) e Marco Antônio Oliveira (o MAO) se encontraram com o GTS do GoodGuys para contar esta história em detalhes.

E lembrando: você tem apenas 13 dias para participar e garantir suas chances de levar este GTS para casa. Não deixe para a última hora, clique aqui e participe agora mesmo! (Leo Contesini)

 

Preparador inglês cria uma Nissan Navara-R com 1000 hp

Picapes mega-potentes costumam ser uma coisa americana; a RAM TRX acaba de tornar 700 cv indispensável aos americanos, provocando o aparecimento em breve de uma Raptor R, também supercharged, de mais de 700 cv. E nem vamos falar do monstrengo de 1000 cv chamado Hummer EV, uma mistura genética muito maluca até para o Dr Moreau.

Mas essa aqui é mais original e estranhamente interessante: uma Nissan Navara (aqui Frontier; talvez para impedir piadas infantis sobre uma versão da marca chinesa Chana) equipada com um motor de Nissan GT-R com 1000 hp!

Criada pelo drifter Steve “Baggsy” Biagioni na Inglaterra, a caminhonete de alguma forma recebeu os dois subframes completos do Nissan GT-R, seu motor V6 biturbo (aqui aumentado de 3,8 para 4,1 litros como se fosse ele um Opala 1971), e sua transmissão que tem transeixo traseiro e tração nas quatro rodas. A transmissão foi montada pelos líderes mundiais de transmissões de dupla embreagem para este tipo de aplicação mega-potente, a Dodson Motorsport em Auckland, Nova Zelândia.

A suspensão foi criada para carro pela empresa de Bagsy, com coilovers K&W e um sistema de elevação hidráulico HLS 4. As rodas e o kit de carroceria são personalizados, assim como a pintura/decoração externa. Os freios Alcon na dianteira e na traseira garantem maior poder de frenagem. Na cabine, bancos concha Sparco e o volante do GT-R, e até um som Kenwood, embora pareça difícil dele ser usado.

A gente pode somente imaginar como ficam dois subframes de GT-R ligados por um chassi tipo escada, e não o rígido e pesado monobloco do carro esporte. Nenhuma menção da capacidade de carga remanescente do bólido também. Mas como sempre nesses casos, o que importa são as risadas; nisso, atingiu seu objetivo certamente. (MAO)

 

Nardonne Automotive lança um Porsche 928 modernizado

Pois é, mais um restomod. E pior: um Porsche! Mas antes que você role os olhos em direção à nuca e solte um suspiro de cansaço espere um pouco. Este aqui é um Porsche 928 restomod. Isso não é algo que se veja todo dia!

Como já dissemos, os restomod estão virando uma indústria séria. Carros antigos são a única forma de se destacar hoje em dia, todo mundo cínico em relação aos modernos; um mercado para gente que quer este destaque, mas quer um carro zero Km para não ficar parado na rua toda hora, apareceu. Onde há uma vontade, há uma indústria.

É o caso da Nardonne Automotive: é uma startup francesa e este Porsche 928 é o seu primeiro projeto. É uma completa reinvenção do carro, um desenho moderno em cima do carro antigo, mas usando o antigo como base. Como se a BMW fizesse Mini totalmente novo, mas usando o original como base, e não fazendo um monobloco moderno, novo e diferente, como fez. O que, agora que disse em voz alta, parece até uma boa ideia…

Provavelmente possível de ser feito a partir de qualquer 928 (pouco mais que o monobloco e número de chassi sobrarão dele), este 928 moderno visualmente combina características de várias épocas do modelo através do uso extensivo de fibra de carbono. Os enormes para-lamas traseiros acenam para o 928 GTS, mas são muito maiores, enquanto as rodas forjadas de 18 polegadas são claramente inspiradas nos aros estilo disco montados no 928 S2 e S4.

Os faróis dianteiros são modernos e o desenho lembra o 911 atual, e a frente toda parece que é de um 928 lançado agora pela Porsche. A traseira também segue o tema atual de design da Porsche.

A empresa diz que o motor é um V8 aspirado, modernizado e com injeção totalmente nova, e dá 400 cv, pelo menos 50 cv a mais que qualquer 928 original. O transeixo traseiro também foi refeito, e agora tem seis marchas e diferencial autoblocante. O carro original famosamente tinha trocas de marcha recalcitrantes; espera-se que este tenha melhorado aqui. Freios maiores, amortecedores com controle eletrônico, e direção hidráulica fazem parte do pacote.

Na cabine é que a modernização fica mais clara. Um trabalho claramente profissional de desenho industrial, integrado e novo, e não apenas o antigo emperequetado. O painel recebe uma revisão radical que muda a forma totalmente e envolve quase todas as superfícies em couro Foglizzo ou Alcântara. A exceção é o console central de metal escovado, que abriga um sistema de mídia Porsche PCCM projetado para carros mais antigos que traz sons de qualidade e conectividade Apple CarPlay.

Não há informações sobre quanto custará o 928, mas Nardonne está exibindo o carro na Milan Design Week este mês, e levando-o ao Goodwood Festival of Speed no Reino Unido de 23 a 26 de junho para gerar alguns pedidos. Depois disso, está tudo pronto para deixar esses carros prontos para entregas em 2024. (MAO)

 

O primeiro Devel Sixteen ficou pronto. Mas com a metade dos cilindros

A Devel Motors é uma empresa de supercarros baseada nos Emirados Árabes Unidos. Os clientes árabes deste tipo de carro são fãs do exagero, e, é claro, uma empresa local existe para atender estes desejos. Em projeto desde 2006, e mostrado pela primeira vez em 2013 no salão de Dubai, o Devel Sixteen é um supercarro que deveria vir com um V16 de 12,3 litros, quatro turbos, e 5000 cv. Cinco mil, isso mesmo. Um supercarro de Dubai, com certeza.

Agora a youtuber Supercar Blondie andou em um Sixteen. Mas, estranhamente, ele não tem 16 cilindros nem 5.000 cv. O motor é um V8 biturbo de 2.000 cv, mas como sempre em casos assim, sem muito detalhes a respeito; chutaria um V8 LS da GM modificado.

A empresa agora anuncia três versões do seu carro: este modelo “básico” com um motor V8 ajustado para cerca de 1.500 ou 2.000 cv; uma versão com um motor V16 ajustado para 3.006 cv e 326 mkgf de torque; e finalmente, provavelmente para não dizer que mentiu, uma versão apenas para pista com o V16 de cinco mil cavalos e 510 mkgf de torque. Toda sorte do mundo a eles, claro; mas que a coisa toda soa a ficção, não há dúvida. (MAO)

 


Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicos, histórias de carros e pilotos, avaliações e muito mais!

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: 30% OFF na loja durante a 3ª temporada do Goodguys, acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. 15% OFF na loja durante a 3ª temporada do Goodguys, acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

ESTA Chevy GMC 500 2.0 16V Turbo
PODE SER SUA!

Clique aqui e veja como