A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

HKS R33 Drag GT-R: o lendário Skyline de 7 segundos

De longe, ele era era o carro mais potente que eu podia ter: seu motor entregava nada menos que “1.011 hp”, ou 1.025 cv – número que, hoje em dia, virou algo quase banal. Mas na virada dos anos 2000, antes de o Bugatti Veyron abrir os portões, potência de quatro dígitos era algo que só se via mesmo nos projetos mais absurdos e em carros de competição. Ainda mais porque o acesso à Internet ainda era raro por aqui.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até três carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Estou falando de Gran Turismo 2, claro. Eu era bem novo e não entendia muito as coisas, então estranhei bastante. Mas também não iria reclamar: depois de uma semana bem sofrida tentando desbloquear todas as licenças (até a Super License!) do Gran Turismo 2 e acumular grana o bastante para comprar o Suzuki Escudo Pikes Peak, ganhei de presente do jogo um carro cujo nome jamais vou esquecer: HKS R33 Drag GT-R R33. Também não vou esquecer como ele era: pintura escura, quase preta, com detalhes em turquesa, roxo, e vermelho; uma asa traseira plana, como uma extensão da tampa do porta-malas; os pneus traseiros eram enormes e faróis apenas decorativos, com uma lente preta que não acendia de verdade.

Foi o bastante para que o Dalmo de 12 anos de idade pensasse ter encontrado seu novo carro favorito. Mas a ilusão durou pouco: o carro em questão era uma bela porcaria.

Na obrigatória primeira volta no oval de testes (aquela para onde você ia quando queria ver qual era a velocidade máxima do Suzuki Escudo, claro), eu descobri que aquele Skyline era simplesmente incapaz de fazer curvas. Ele até mudava de direção, mas muito pouco – frustrante.

 

Ainda que os efeitos sonoros dos menus fossem bem relaxantes

Irritado, e pensando no desperdício que era toda aquela potência, vendi o carro. O Unisia Jecs Skyline era bem melhor. Outra coisa que eu não sabia, na época: a versão japonesa de GT2 incluía uma pista de arrancada. Na versão americana, que era a que eu tinha, não. Então aquele carro não fazia sentido algum pois, mesmo que eu soubesse como fazer todos os ajustes que o game permitia, não teria como usá-lo.

Acontece que eu não sabia que aquilo era um carro de arrancada. E menos ainda que era um dos Skyline R33 de competição mais lendários do planeta.

Na época eu não sabia que “drag race” significa “corrida de arrancada”, e não era simples pesquisar na Internet – já faz tempo

A HKS é uma das maiores fabricantes de componentes de performance do planeta e, como qualquer outra, inevitavelmente também atua como preparadora – afinal, é preciso testar turbocompressores, coletores e outras peças de alto desempenho para garantir que funcionem com eficiência e segurança. E também, óbvio, mostrar ao público o que estes componentes são capazes de fazer.

 

A empresa foi fundada em 1973 por um ex-engenheiro da Yamaha chamado Hiroyuki Hasegawa, e começou preparando motores a gasolina. A Yamaha é famosa por seus instrumentos musicais, motocicletas, motores e projetos como o lendário Toyota 2000GT e o inacreditável supercarro OX99-11, então ele provavelmente sabia uma ou duas coisinhas sobre preparação de motores. Seu parceiro na empreitada foi Goichi Kitagawa, e o capital inicial foi fornecido por uma empresa chamada Sigma Automotive – a mesma que, em 1989, tornou-se Sigma Advanced Racing Development, ou SARD, e passou a ser a equipe de fábrica da Toyota no Campeonato Japonês de Turismo. Por isto o nome: HKS.

Ao pé do Monte Fuji

Já no ano seguinte, 1974, Hasegawa projetou e colocou em produção o primeiro kit turbo disponível comercialmente no Japão. O que só mostra, mais uma vez, como a década de 1970 foi mesmo um marco a história dos turbocompressores: em 1973, a BMW lançou o incrível 2002 turbo e, naquele mesmo 1974, a Porsche começou a vender o Porsche 930.

 

O pioneirismo compensou: o sucesso dos kits da HKS foi rápido e certeiro e, a partir dali, os turbos passaram a ser o principal foco da empresa – aliás, foi a HKS que desenvolveu um dos primeiros controladores de pressão do mercado. Mas não foi só isto: em décadas de atividade, a HKS especializou-se em todo tipo de componente de alto desempenho: pistões, bielas, comandos de válvula, virabrequins, intercoolers, sistemas de escape e centrais eletrônicas. Além disso, a companhia também possui um departamento dedicado a fabricar componentes de fibra de carbono.

Quer mais? A HKS tabém fabrica o 700E, um motor aeronáutico de dois cilindros opostos 680 cm³ que é muito usado em ultraleves. E, claro, os Nissan sempre foram muito bem tratados por eles, que se tornaram referência a qualquer um que pense em preparar um carro da marca. Não por acaso, boa parte dos Nissan GT-R que correm na Formula Drift – competição que coloca bastante stress sobre os componentes mecânicos de um carro – usam componentes HKS. Isso quando caras como Daigo Saito não assinam contratos e usam peças da HKS em tudo.

Quando o HKS R33 Drag GT-R tornou-se o Skyline mais veloz do mundo no quarto de milha, virando 7,67 segundos, foi como o auge de toda esta experiência. E olhe que falo de uma empresa já já competiu em diversas categorias desde a década de 1980, incluindo a Fórmula 3, o Campeonato Japonês de Turismo, a Fórmula Drift e, claro, as arrancadas.

Boa sorte procurando imagens em alta resolução desse carro (fora as belas imagens do Speedhunters)

 

O início de seu desenvolvimento começou em 1999, quando o GT-R R33 substituiu o R32. Como você deve saber, o R33 não foi tão emblemático quanto o R32 ou o R34, mas também era um grande carro – até porque, bem, tinha praticamente o mesmo powertrain. E, convenhamos, ele era bem estiloso, embora os mais ligados na linhagem o considerem meio “inchado” demais.

A HKS levou muito tempo para revelar os detalhes do que foi feito no motor, o que na época levou muita gente a achar que o seis-em-linha queimava nitrometano – o que nunca foi verdade. Hoje, porém, sabe-se que um kit stroker foi usado para ampliar o deslocamento para 2,8 litros, usando novas bielas do tipo H-Section, um virabrequim forjado de 77,7 mm e novos pistões (um conjunto tão bem acertado que serviu como base para o kit “RB28” vendido até hoje pela HKS).

Foto: Dino Dalle Carbonare

 

 

Além disso, dois turbos HKS GT3240, operando juntos (e não de forma sequencial) a 2,4 bar de pressão, ajudavam o seis-em-linha a respirar melhor. Intercooler, dutos e coletores de admissão e escape foram feitos sob medida pela preparadora, que evidentemente também fuçou com a ECU – muito antes de o “tuning computadorizado” se tornasse corriqueiro – e instalou um sistema de cárter seco. O resultado: cerca de 1.300 cv a 9.000 rpm no motor, que se traduziam em pouco mais de 1.000 cv nas rodas, acompanhados de 110 kgfm de torque a 6.500 rpm. Para segurar tudo, o câmbio era sequencial com acionador pneumático e uma embreagem experimental de quatro discos.

 

A carroceria é outro espetáculo: espiando por alguns pontos da pintura é possível ver a fina trama da fibra de carbono que compõe as partes da carroceria. Abrindo a porta, além de mais fibra de carbono, é possível ver o painel minimalista, a gaiola de proteção integral, o solitário banco concha do lado direito (é um carro japonês, afinal) e o cinto de competição Sabelt. O aspecto home made do interior nos lembra de que, apesar de ter ficado famoso nos games há 20 anos, o HKS R33 Drag GT-R é um project car de verdade, feito para andar mesmo, e não algum tipo de entidade sobrenatural. Embora pareça.

 

O barulho feito pelo R33 da HKS foi meteórico: em 2002, o carro foi aposentado prematuramente – talvez porque a empresa soubesse que ele já havia se tornado um ícone e deveria ser preservado.

O carro até ensaiou uma volta às pistas, disputando corridas de arrancada para carros históricos, em 2007. Mas foi apenas uma pequena “turnê” de volta: logo depois, a HKS achou por bem aposentá-lo de vez, percebendo a estrutura estava enfraquecida pela idade e que não seria seguro competir com o carro sem refazê-lo completamente. Algo assim demandaria muito tempo e dinheiro – e, considerando que o status do HKS R33 é lendário e não precisa provar mais nada.

É por isso hoje em dia o carro permanece na sede geral da HKS, que fica ao pé do Monte Fuji. O que é bacana: apesar de ter escritórios em diversas partes do planeta, o lugar é exatamente o mesmo onde a companhia foi fundada em 1973. E algo me diz que o pessoal lá no Japão ainda dá umas esticadas nele às escondidas. Eu faria o mesmo.

Matérias relacionadas

Esta perua Saab na verdade é um Dodge Viper disfarçado

Dalmo Hernandes

Morre Keith Flint, do The Prodigy, ícone da música eletrônica – e dos games de corrida

Dalmo Hernandes

O que significa o emblema “HF” nos clássicos da Lancia? E o elefante?

Dalmo Hernandes