A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #227

Iniciando a revisão do meu Citroën Xsara VTS turbo, o Project Cars #227

Salve, galera! Cá estou pra continuar a história do Citroën Xsara VTS turbo, que inicialmente seria somente para track day, mas acabou virando carro de rua e pista. Como relatei no post anterior, quando comprei o carro ele estava completamente longe do que eu esperava: motor falhando, luzes acesas no painel, estouros saindo pelo escapamento, trancos, barulhos… uma verdadeira “m”.

Tive a loucura de buscar o carro em Fortaleza/CE, sem ter a mínima noção de como estava elétrica e mecânica. Arrisquei, encarei os 250km até Sobral/CE de madrugada morrendo de medo de o carro estragar e eu acabar no meio do “deserto” sozinho e muitas vezes sem nem sinal pro celular. Uma mistura de ousadia e burrice.

Cheguei em Sobral pelas 3:00, desanimado com o carro e pensando na besteira que eu havia feito. Mas como já estava no inferno, melhor abraçar o capeta. Vamos reerguer esse carro!

Primeiro vou descrever o que o carro tinha, as modificações que o proprietário anterior fez no carro para brincar na rua e em arrancadas: injeção Fuel Tech Pro 1FI, Spark Pro 4, Fire 4s. Também tem catch tank no porta-malas, com uma bomba de Astra flex dentro do tanque original. Depois do catch tank havia duas bombas externas de GTI, e bicos Ford Racing de 160 Lbs.

O motor 2.0 16v, o conhecido XURS no mundo PSA, utiliza pistões forjados Iapel de 87mm, bielas forjadas TFC Engineering. Alívio Godspeed GT series 60mm, prioridade HKS, turbina HX-40, coletor de escape em inox deslocado (uma obra de arte), escape completo de três polegadas de inox, intercooler SPA turbo.

Na suspensão conta com as molas originais, traseira levemente levantada e amortecedores Fênix com 40% a mais de carga. Freios originais.

Como podem ver, as especificações do carro eram boas, o que complicou é que a elétrica e os acabamentos foram muito mal feitos, adaptações sem necessidade, gambiarras nível MacGyver, elétrica básica mal feita. Graças a Deus a mecânica foi bem feita.

Bom, chega de enrolação e vamos ao que realmente interessa: corrigir o básico e botar essa jaca pra andar.

De inicio, fazer uma revisão básica, começando pelos bicos. De cara apareceu um travado fechado e três com a vazão incorreta pois havia muita sujeira no combustível. Consegui contato com o ex-proprietário e ele mencionou que o carro havia ficado quase três anos parado (coisas que o vendedor não mencionou em momento algum, mas deixa pra lá), então vi que a parte do combustível teria que ser toda limpa e algumas coisas refeitas.

Pra minha surpresa, o carro não possuía nenhum filtro de combustível. Daí já imaginem o estado que tanques, bombas, bicos, flauta, mangueiras estavam…

Removi tanque, catch tank, bicos, flauta, dosador, bombas e substitui algumas mangueiras que estavam ressecadas do tempo… (infelizmente acabei não tirando fotos desse processo).  Os bicos injetores enviei pra SP para uma revisão, voltaram perfeitos.

foto 17 (Copy)

Na minha cabeça o problema do carro era somente isso, e assim eu poderia pelo menos dar uma volta com o carro funcionando normalmente, pra depois cuidar da estética dele. Até cheguei a dar umas voltinhas nele, mas muitas falhas e erros… queria deixar ele andando pra posteriormente ir arrumando as coisas aos poucos, nem lavar o coitado eu não lavava, queria ver ele andando.. pobre ilusão!

Após essa passagem drástica de achar que era só arrumar algo e andar (uns três meses), tive que me conformar de que tinha uma encrenca das boas na mão e parar o carro, desapegar e refazer tudo… ou jogar álcool e tacar fogo de vez!

 

foto 27 (Copy)

Primeiro de tudo, arranca tudo que não precisa, limpar, lavar…

Decidi trocar a injeção, a Fuel Tech era antiga, poucos ajustes e os quatro bicos de 160lbs pulsando juntos da pra imaginar o consumo do carro. Para o antigo dono que usava somente pra acelerar, creio eu que atendia as expectativas, mas pra usar na rua, viajar e pista estava inviável. Até porque muitos erros estavam ocorrendo nela devido instalação incorreta.

Após um período em SP que passei fazendo alguns cursos automotivos e de preparação, decidi fazer o curso da Injepro que estava tendo no mesmo local, até porque eu ganharia uma injeção após a conclusão do curso e ela se encaixaria perfeitamente no que eu precisava.

Pra dar uma graça, troquei os faróis antigos por outros com projetores, que pro meu gosto ficou bem melhor.

Como minha pretensão de potência é algo na casa de 280-320cv, os gigantes Ford Racing foram substituídos por Siemens deka 80lbs, que usando a pressão atual do turbo de 0,8bar alimenta perfeitamente.

foto 37 (Copy)

Após meses de “briga” com teoria e prática no carro… ele ligou!

Agora é ir ajeitando os mapas, cuidar um pouco da estética e outros detalhes… coisas pro próximo post. Até lá!

Por Renan da Silva, Project Cars #227

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #491: Pequenas decepções, um belo upgrade e a conclusão do meu Renault Twingo

Leonardo Contesini

Project Cars #508: a história do Gol CL 1994 de meu bisavô

Project Cars

Puma GTB/S2: elétrica, tapeçaria e as dificuldades de um Project Cars

Leonardo Contesini