A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Automobilismo História

Laranja celeste: a história da Gulf Oil no automobilismo

Após a proibição da publicidade tabagista no automobilismo e com o recente fim da Martini Racing em 2018, não foram muitos os patrocinadores icônicos que resistiram às mudanças culturais (e legais). Entre as sobreviventes está a Gulf Oil. Seu esquema de pintura azul e laranja resistiu não apenas a todas as mudanças do automobilismo, mas também ao declínio da própria empresa nos anos 1980. A Gulf Oil original deixou de existir em março de 1985, ao ser incorporada pela Standard Oil depois de ver despencar o valor de suas ações. No ano seguinte, a Gulf voltou ao mercado agora como  uma marca da Standard que persiste até hoje. Parece difícil de acreditar que uma companhia petrolífera possa perder seu valor de mercado (a menos que você seja a PDVSA), mas foi o que aconteceu com a Gulf Oil depois de crescer mais do que deveria. Como tantas outras petrolíferas, a Gulf foi fundada no início do século XX, em 1907, depois que várias empresas menores que exploravam petróleo no Golfo do M

Matérias relacionadas

Autocars Sabra, o simpático esportivo fabricado em Israel | Lasanhas Sem Fronteiras

Dalmo Hernandes

Diablo: o supercarro que salvou a Lamborghini e se tornou um ícone da década de 90

Dalmo Hernandes

Uma breve história de (quase) todos os hot hatches da Opel/Vauxhall – parte 1

Dalmo Hernandes