A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

McLaren irá usar motores Renault, BMW voltará a fazer modelos CSL, Bugatti Chiron pode ter chegado aos 440 km/h e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

McLaren fecha acordo com Renault para a Fórmula 1

15044716226651

Depois de três temporadas andando como uma equipe pobre e pequena, a McLaren finalmente rompeu o contrato com a Honda e fechou um acordo com a Renault para usar os motores franceses a partir de 2018.

Segundo o site Autosport, o contrato entre McLaren e Renault se estenderá por três temporadas, encerrando ao final de 2020, quando a categoria adotará novas regras para os motores. Ainda de acordo com as fontes do Autosport, a McLaren receberá unidades de força com as mesmas especificações e potência das equipes Renault e Red Bull.

A Toro Rosso, que era a terceira equipe com os motores Renault, passará a usar os motores Honda a partir de 2018. Especula-se ainda que parte do acordo com a Toro Rosso inclui a transferência do piloto Carlos Sainz Jr. para o encerramento prematuro do contrato com os franceses.

 

Será que o Bugatti Chiron chegou aos 440 km/h em teste?

Na segunda-feira (11) vimos o Bugatti Chiron quebrando o recorde de aceleração/frenagem de zero a 400 km/h e depois a zero de novo com Juan Pablo Montoya ao volante. Na ocasião a fabricante teuto-francesa divulgou apenas os números do recorde, uma galeria de fotos e oficializou a intenção de quebrar o recorde de velocidade.

Mas havia uma outra informação que deixou muito claro que eles não foram ao circuito apenas para testar a frenagem do Chiron: o recorde pessoal de Montoya. Antes do teste com o Chiron, o colombiano tinha como recorde pessoal de velocidade os 407 km/h atingidos com um monoposto da Indy, mas após a empreitada da Bugatti seu novo recorde subiu para 420 km/h — 1 km/h a menos que a velocidade máxima limitada do Chiron, atualmente.

Agora, eles divulgaram o vídeo do recorde, que é bem impressionante, mas chama a atenção mesmo por sua cena final: o ponteiro do Chiron chegando perto dos 450 km/h após os dizeres “To be continued…”

Captura de Tela 2017-09-13 às 13.21.43

Sendo um close-up do velocímetro, a cena pode muito bem ser gravada com um mecanismo desmontado ou simplesmente computação gráfica. Mas também pode ser que a fábrica reprogramou o limitador do carro para que ele pudesse realmente passar dos 420 km/h e dar uma palhinha do seu desempenho real.

Atualmente o recorde de velocidade está com o Veyron SuperSport, que chegou aos 431,1 km/h. O ponteiro do vídeo já passou a marca dos 430 km/h e está alinhado com o traço dos 440 km/h quando a edição corta a cena. Será que o Chiron já se tornou o carro mais rápido do mundo e a Bugatti está apenas escondendo o jogo? Será que 440 km/h é a meta da fabricante francesa? Ou será que o “to be continued” significa que ele irá além dos 440 km/h e chegará aos 460 km/h estimados pelas simulações da Bugatti?

 

BMW trará de volta a linhagem CSL

bmw_m3_csl_coupe_6

 

Depois de trazer de volta os modelos CS, com o M4 CS e o futuro M2 CS, a BMW M está prestes a trazer de volta a linhagem CSL, reservada aos seus modelos mais esportivos, como o 3.0 CSL “Batmóvel” e o M3 CSL. É o que disse o chefe da divisão M, Frank Van Meel, no Salão de Frankfurt.

Segundo o executivo, a sigla CSL irá substituir os modelos GTS na linhagem esportiva da marca, que terá quatro níveis de potência/acerto diferentes:  a versão básica, o Competition Pack, o modelo CS e, no topo, o CSL.

bmw_3.0_csl_with_racing_kit_22

Apesar de emprestar o emblema do M tricolor para seus SUVs, a BMW será sensata o bastante para não adotar essa hierarquia nos utilitários. Ela será limitada aos cupês e, talvez, aos sedãs esportivos da marca Embora Van Meel não tenha revelado qual será o primeiro modelo a ganhar uma versão CSL, a imprensa europeia acredita que será o M2 – o que pode fazer algum sentido, uma vez que o modelo foi a base para o conceito 3.0 CLS Hommage, de 2016.

 

Cintos do Kwid: Renault diz que montagem está correta

Recall_Renautl_Kwid_3-770x433

Também na segunda-feira (11) vimos que uma apuração do camarada Gustavo Henrique Ruffo, do Motor Chase, revelou que o Renault Kwid pode estar saindo de fábrica com as travas dos cintos de segurança traseiros instalados em posição errada, o que forçaria os ocupantes a usá-los cruzados, uma vez que os cintos só se encaixam em sua trava correspondente.

Ruffo questionou a Renault sobre o provável defeito, e a fabricante publicou a seguinte resposta: “A  Renault afirma que não há nada de errado com os cintos traseiros do Kwid. O posicionamento foi definido de forma a proporcionar a melhor ergonomia para cada ocupante”.

 

Falha humana e limitações do Autopilot foram a causa de acidente fatal com Tesla

Tesla-Autopilot-Driver-Error-Crash-NTSB-1-

O Conselho Nacional de Segurança de Transportes dos EUA (NTSB) concluiu sua investigação sobre aquele acidente fatal envolvendo um Tesla Model S com o sistema semi-autônomo Auto Pilot, ocorrido em maio de 2016. Segundo os resultados, o acidente foi causado por falha humana combinada a limitações do sistema da Tesla.

A investigação levou mais de um ano para ser concluída, e determinou que o Autopilot teve “um papel importante” no acidente que vitimou o dono do Tesla, Joshua Brown. De acordo com o relatório, a tecnologia carece de recursos que assegurem que ela seja usada corretamente, e que por isso Brown pôde usá-la em uma rodovia onde ela não deveria ser ativada.

“A Tesla permitiu que o motorista usasse o sistema fora do ambiente para o qual ele foi projetado, e o sistema deixa muita margem para que o motorista se distraia”, disse o presidente do Conselho, Robert Sumwalt. Ainda de acordo com a investigação, o sistema Autopilot funcionou como deveria, mas falhou em garantir que o motorista prestasse a devida atenção à estrada.

A culpa do acidente também foi atribuída à falta de atenção do motorista, seu excesso de confiança no sistema semi-autônomo da Tesla, e ao erro do motorista do caminhão em não dar a preferencial a Brown.

Em resposta à investigação, a Tesla declarou que continuará alertando seus clientes de que o sistema Autopilot não é 100% autônomo. O Conselho, contudo, recomendou que os fabricantes de carros — não apenas a Tesla — criem formas de monitorar a atenção do motorista em veículos autônomos e semi-autônomos.

Em uma investigação anterior do Instituto de Segurança Viária dos EUA (NHTSA), a conclusão foi de que o Autopilot falhou ao não perceber o caminhão atravessado na pista. Como já dissemos anteriormente, veículos autônomos e semi-autônomos demandam a atenção do motorista exatamente devido a casos como este, em que o sistema falha em detectar obstáculos ou não funciona corretamente.

Matérias relacionadas

Novo Audi R8 V10 Plus aparece durante gravação, Ford patenteia câmbio de 11 marchas, motociclista morre ao ser atingido por roda solta no DF e mais!

Leonardo Contesini

Renault anuncia recall do Kwid, Aston Martin mostra o novo Vantage com motor V8 AMG, Fusca deixa de ser vendido (de novo) no Brasil e mais!

Leonardo Contesini

Novo BMW Série 1 flagrado em testes, Chery terá marca de luxo no Brasil, SP e RJ disputam o GP do Brasil e mais!

Leonardo Contesini