A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Mini GP no Brasil, Toyota Hilux de cara nova, mudanças no Código de Trânsito e mais!

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Dodge Challenger ACR pode ser apenas um boato

No início da semana vimos que a Dodge estava supostamente preparando uma versão ACR para o Challenger, algo que poderia muito bem ser uma despedida em grande estilo para o modelo que já está em seu décimo-terceiro ano. Contudo, o pessoal do site Autoweek diz que ouviu de um porta-voz da Dodge — não identificado — que o carro não está nos planos da marca.

A negativa discreta, digamos, é um tanto intrigante, porque os rumores traziam detalhes demais para ser apenas um rumor infundado. Lembre-se que as informações falavam em duas opções de motorização, freios maiores, aerodinâmica avançada e até uma meta de peso de 4.000 libras (1.815 kg), algo ousado para uma plataforma antiga e destinada originalmente a sedãs de luxo.

Contudo, a Dodge já atingiu a marca das 4.300 libras (1.920 kg) com o Dodge Demon, que nem precisou da custosa fibra de carbono para isso. Além disso, o Challenger ACR seria um rival para o Shelby GT500 e o Camaro ZL1 1LE, dois carros igualmente pesados — o Chevrolet tem 1.750 kg e o Ford 1.915 kg. Com a mesma dieta do Demon, somada a rodas de liga super leve (ou mesmo de fibra de carbono) e um pouco de fibra de carbono na carroceria, a Dodge certamente conseguiria chegar muito próximo da meta de 1.820 kg — considere uma redução de 10 kg a 15 kg nas rodas e entre 60 e 70 kg usando painéis de fibra de carbono na carroceria e temos uma redução de entre 70 e 80 kg neste hipotético ACR, o que o tornaria ainda mais leve que o Shelby GT500.

Infelizmente, por ora tudo isso é apenas especulação — e muito provavelmente apenas isso. Será possível que a Dodge vai deixar o Challenger partir sem uma versão de despedida para representar seu auge? (Leo Contesini)

 

Mudanças no Código de Trânsito terão prioridade na Câmara

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (3) um requerimento de urgência para o projeto de lei que altera o Código de Trânsito Brasileiro. Com isso, a tramitação do projeto será acelerada, permitindo que ele seja colocado em pauta no plenário mesmo sem aprovação das comissões. Embora não haja data para a votação, fala-se que ela poderá acontecer na próxima semana.

A proposta foi entregue pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Infraestrutura e Transportes, Tarcísio de Freitas, e visa modificar o sistema de pontuação e suspensão da CNH, além de prever advertência em vez de multa para os condutores que transportarem crianças com menos de 10 anos sem assentos adequados.

O projeto original previa a ampliação do sistema de pontuação de 20 para 40 pontos — um a proposta da qual o FlatOut discorda, conforme explicado anteriormente neste post. A justificativa para a ampliação é que o uso de radares ocultos faz com que os caminhoneiros sejam mais facilmente multados e, com isso, estejam mais sujeitos a atingir o limite de pontos. Contudo, como a Polícia Rodoviária Federal já racionalizou a fiscalização nos últimos meses, focando apenas nos pontos críticos e nas lombadas eletrônicas, tal medida é desnecessária.

Além disso, a proposta foi modificada pelo relator da proposta, o deputado Juscelino Filho, que propõe que o limite de pontos seja de 40 pontos somente se o motorista não tiver nenhuma infração gravíssima em 12 meses, 30 pontos se ele tiver somente uma infração gravíssima, e 20 pontos se tiver duas infrações gravíssimas. Uma mudança ainda desnecessária e permissiva demais, em nosso ponto de vista.

Quanto às cadeirinhas, atualmente ocorre a chamada “insegurança jurídica”. O Código de Trânsito Brasileiro prevê o uso do equipamento adequado às crianças menores de 10 anos, porém não regulamente o uso nem a punição aos infratores. Em 2010 tivemos a chamada “lei das cadeirinhas”, que era, na verdade, uma resolução do Contran para regulamentar a utilização e a punição.

Contudo, legalmente a imposição de penalidade não pode ser regulamentada por uma resolução; apenas por força de lei —  o que torna a cobrança de multa inconstitucional. Com a alteração, a previsão de penalidade será incluída no Código de Trânsito, porém a proposta original prevê apenas a advertência por escrito, que isenta do pagamento da multa, mas mantém a pontuação na CNH. (Leo Contesini)

 

Próxima geração do BMW M5 deverá ser híbrida plug-in

 

A BMW deve apresentar o M5 reestilizado nas próximas semanas, mas já começaram a circular informações sobre a próxima geração, que deve chegar em 2024. E o que se fala é algo que a gente já espera: ele deverá ser um híbrido plug-in.

De acordo com os britânicos da Car Magazine, a nova geração do Série 5 deverá ter o código G60 e estrear em 2023. Um ano depois será a vez do M5 – que, de acordo com as famigeradas “fontes ligadas à marca”, será definitivamente eletrificado. Daí, há duas opções: um M5 híbrido plug-in, mais provável, ou um M5 totalmente elétrico.

No primeiro caso, a publicação fala em um V8 biturbo ligado a dois motores elétricos, em um conjunto compartilhado com um hipotético BMW X8M. A potência ficaria na casa dos 750 cv, um aumento generoso se comparado ao 625 cv do atual BMW M5 Competition.

No segundo caso, a Car cita um conjunto ousado, com dois motores elétricos – um para cada eixo –, uma bateria de 135 kWh e autonomia de até 700 km. Tudo isto com potência equivalente a 1.000 cv. E mais: eles dizem que a BMW pode muito bem oferecer os dois conjuntos em paralelo.

Nossos 2 cents: se a migração para um conjunto híbrido plug-in na próxima geração do M5 soa até óbvia, a segunda parece um tanto exagerada. O M5 é uma instituição da BMW, um carro de enorme importância para a imagem da marca junto aos entusiastas e com uma carga histórica gigantesca. É o tipo de produto que pede por mudanças graduais, e a adoção de tecnologia híbrida é perfeitamente alinhada com esta visão. Um M5 elétrico… nem tanto.

Embora acreditemos que seja perfeitamente possível para a BMW fazer um super-sedã elétrico, achamos improvável que um carro assim carregue o nome M5. A BMW já tem sua linha i para isto, e faz muito mais sentido criar um super sedã elétrico equivalente ao Série 8, em termos de posicionamento no mercado. Como acontecerá, aliás, com o futudo BMW i4 Gran Coupé. (Dalmo Hernandes)

 

Mini Jonn Cooper Works GP será vendido no Brasil

A Mini confirmou ontem (3) a chegada do Mini John Cooper Works GP ao mercado brasileiro ainda neste ano. O hot hatch chega no quarto trimestre, em uma série limitada a 25 unidades. Esta é a terceira geração do Mini JCW GP, que é inspirado pelas vitórias do Mini clássico no Rali Monte Carlo e tem um total de 3.000 exemplares numerados.

Além do visual ousado, com para-lamas bem mais largos em fibra de carbono e asa traseira dupla, ele é equipado com um motor 2.0 turbo de 306 cv e 45,7 kgfm de torque – é o Mini produzido em série mais potente da história. Ele vai de zero a 100 km/h em 5,2 segundos, com velocidade máxima de 265 km/h. Só é uma pena que ele não tenha câmbio manual, ficando limitado a uma caixa automática de oito marchas. Por outro lado, ele vem sem o banco traseiro para reduzir peso (uma barra transversal é instalada em seu lugar), tem bancos dianteiros do tipo concha revestidos de Alcantara, tem suspensão 10 mm mais baixa que o Mini JCW comum, e é equipado com rodas de 18 polegadas.

O Mini JCW GP também é o único da família a virar uma volta em Nürburgring Nordschleife em menos de oito minutos – mais precisamente, em 7min56s69, cerca de 30 segundos a menos que a geração anterior. Aliás, com certeza ele é a mais radical das três gerações – falamos sobre todas elas neste post. E o Juliano Barata já andou protótipo no fim de 2019 – se ainda não conferiu o vídeo no canal, corre lá!

O preço ainda não foi divulgado, mas não deve ficar abaixo dos R$ 300.000 (rumores sugerem R$ 350.000) – o Mini JCW normal parte de R$ 221.990 no Brasil. (Dalmo Hernandes)

 

Toyota Hilux reestilizada é apresentada na Tailândia e deve chegar ao Brasil neste ano

A Toyota Hilux acaba de ganhar seu segundo facelift nesta geração. As mudanças concentram-se na dianteira, com uma nova grade maior, que lembra bastante a Toyota Tacoma. Mas as lanternas traseiras também mudaram – elas mantém o mesmo contorno, mas agora seus elementos internos são mais retilíneos.

O desenho do interior permanece praticamente o mesmo, mas agora o painel de instrumentos tem uma nova central multimídia, com integração com smartphones Android e iOS e botões físicos para ligar/desligar e controlar o volume.

A parte mecânica traz como destaque um novo motor 2.8 turbodiesel, agora com 204 cv e 51 kgfm de torque – o motor usado até agora dispunha de 177 cv e 45,9 kgfm de torque. Mas a Toyota diz que também fez ajustes na geometria da suspensão, com amortecedores recalibrados e novas molas e buchas. Como de praxe, a fabricante diz que as mudanças melhoram o conforto ao rodar sem reduzir a capacidade de enfrentar terrenos difíceis.

O novo visual da picape foi apresentado na Tailândia, mas não deve levar muito tempo para que ela seja atualizada em outros mercados – no Brasil, por exemplo, ela pode estrear ainda em 2020. Ou no início de 2021, se os planos da Toyota forem adiados por causa da pandemia. (Dalmo Hernandes)

Matérias relacionadas

Bugatti Veyron ganha (mais uma) edição especial, Toyota FT-1 em GT Vision de Gran Turismo, um carro autônomo chinês e mais!

Leonardo Contesini

Jaguar F-Pace SVR no Brasil, Volkswagen confirma SUV compacto, Tesla quebra recorde em Laguna Seca e mais!

Ruf SCR 2018: o novo “super 911” de fibra de carbono e inox com motor de 510 cv dá as caras em Genebra

Dalmo Hernandes