A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Motores lendários: o cinco-cilindros da Audi

A história de hoje começa, como tantas outras, com a visão de uma só pessoa. Por mais que hoje as corporações tentem manter sua imagem externa de trabalho em time, continua essencial para criar algo memorável que alguém com uma visão única, trabalhando com alguma liberdade. Trabalhar com liberdade sempre foi natural para Ferdinand Piëch. Como neto de Ferdinand Porsche, antes de chegar à idade adulta já era riquíssimo: herdeiro não somente da Porsche, mas também do imenso fluxo de royalties vindo da VW, e da empresa de distribuição da VW para a Áustria, tocada por sua mãe Louise Piëch (Porsche antes do casamento). Mas também tinha todas as características de um cientista maluco de filme de James Bond: inteligentíssimo tecnicamente, orgulhoso disso, e implacável com aqueles cujo intelecto julgava inferior ao seu próprio. O que significava todo resto da raça humana. Como um clássico vilão, também tinha sérias dificuldades de relacionamento pessoal, zero empatia com seus seme

Matérias relacionadas

Nutz: um filme para mostrar o universo e a paixão por carros dos gearheads brasileiros

Leonardo Contesini

A Batalha Aerodinâmica: Alfa Romeo contra os Ingleses

Milton Rubinho

Este Porsche tem um motor V6 turbo de Fórmula 1 no lugar do flat-6 – e é simplesmente insano

Dalmo Hernandes