FlatOut!
Image default
Car Culture

Muito antes do VW Taigo: os carros brasileiros que ganharam o mundo

Apesar de termos carros montados no Brasil desde o início do século 20, foi somente a partir de 1956 que eles começaram a ser fabricados por aqui. Nos primeiros anos eles eram todos modelos estrangeiros produzidos sob licença por fabricantes nacionais como a FNM, a Romi e a Vemag, o que era perfeitamente normal para a época, vide a história da Lada, SEAT e Dacia. Mas nascida como modo de equilibrar nossa balança comercial, a indústria automobilística sempre foi mais voltada ao mercado interno — especialmente porque a verdadeira abertura aos importados só aconteceu em 1990; antes disso tivemos um período de sobretaxação e outro de proibição completa.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. Acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

As restrições comerciais com outros países mantiveram nosso mercado fechado e bastante limitado em termos de desenvolvimento de modelos. Nos anos 1960 e 1970, os modelos locais eram, em sua maioria, variações sutis de projetos estrangeiros. O Corcel, por exemplo, era um Renault 12 com visual próprio. O Opala era o Opel Rekord com inspiração americana. O Karmann-Ghia TC era baseado no TL que era nossa versão para o VW Typ 3. Chevette, Passat e Galaxie eram modelos estrangeiros quase sem alterações estéticas ou mecânicas, e o Fiat 147 era um Fiat 127 reestilizado. Nessa época apenas Brasilia e SP1/SP2 foram desenvolvidos localmente, embora usassem o mesmo conjunto mecânico da “plataforma” Typ 3 alemã.

Agora, meio século depois, já estamos acostumados com a ideia de carros desenvolvidos no Brasil e rodando no exterior. O exemplo mais recente é o Volkswagen Taigo – que nada mais é que o Nivus, crossover que a VW faz questão de lembrar que foi 100% desenvolvido no Brasil. Claro, a plataforma MQB sobre o qual ele é construído é global e deriva da versão encontrada sob o Polo, cujo principal mercado é a Europa. Mas o estilo do carro, seu interior e até mesmo o sistema de infotainment são fruto do esforço de engenheiros brasileiros.

A versão europeia do Taigo, apresentada por completo nessa semana, beneficia-se integralmente da modularidade da plataforma MQB – ele oferece motores, câmbios e equipamentos que não são vendidos no Brasil não por questões técnicas, mas sim econômicas. O motor 1.0 TSI de 95 cv é um exemplo: na Europa, onde o Taigo será o segundo ou terceiro carro de muitas famílias, menos de 100 cv darão conta do recado perfeitamente. No Brasil, seria pouco aceito. Já a versão R-Line, mais potente, usa o novo motor 1.5 TSI de 150 cv que ainda não foi adotado em nenhum modelo no nosso mercado, e que pode ser acoplado a um câmbio DSG de sete marchas – no Brasil, tal conjunto elevaria demais o preço do Nivus.

O Volkswagen Taigo também tem para-choques exclusivos e uma paleta de cores mais variada, com mais tons vibrantes – algo que também não daria muito certo no Brasil, onde cores discretas imperam e pinturas mais ousadas acabam relegadas a versões especiais.

 

Gol do Brasil

vw-pointer-mexico-2003

A Volkswagen do Brasil, aliás, é pioneira no desenvolvimento de projetos que acabam indo para fora.

O Gol foi um dos primeiros modelos desenvolvidos do zero para o mercado brasileiro. Embora usasse uma versão modificada da plataforma B1 da Volkswagen, o desenvolvimento desta variação, batizada BX, também foi feito no Brasil, bem como a estilização da carroceria, influenciada pelo Scirocco e a bizarra combinação da plataforma B com o motor boxer arrefecido a ar instalado na dianteira.

1987-1024x474 Volkswagen-Fox (4)

Em suas três gerações o Gol foi (e ainda é) exportado para toda a América Latina, e seus derivados Voyage e Parati ganharam o Green Card nos anos 1980 e foram para os EUA como Volkswagen Fox e Volkswagen Fox Wagon — e até ajudaram a encher as ruas de Gotham City em “Batman – O Retorno”. A partir dos aos 1990 e 2000 os argentinos e mexicanos também passaram a receber a Saveiro e a Parati de segunda geração. Na Argentina o Gol e a Parati mantiveram o mesmo nome, mas o Voyage foi chamado de Gacel nos anos 1980 e Senda nos anos 1990.

6799978859_e8de43b1fa_b

No México o Gol chegou como Pointer, a Parati como Pointer Wagon e a Saveiro como Pointer Pickup. Depois do fim da Parati, com a chegada da terceira geração do modelo, ele passou a se chamar Gol, o Voyage se tornou o Gol Sedan e a Pointer Pickup também adotou seu nome de batismo, Saveiro.

 

Lazaroni Brasiliano, Fiat Brasiliana

Nos anos 1980 a Fiat também resolveu exportar a Elba, a versão perua do Uno que só existiu no Brasil e Argentina. O modelo foi para a Europa em duas versões: um furgão de carga com dois lugares chamado Fiat Penny; e a Duna Weekend, a versão de quatro portas da perua que foi oferecida na Europa continental.

5930050175_e4f6688130_b

O Fiat Penny foi oferecido entre 1986 e 1991 na Europa, no Reino Unido, na Irlanda e na Nova Zelândia. As versões com o volante na direita eram chamadas de Citivan. Tanto na versão com o volante na direita, quanto nas versões com o volante no lado esquerdo, o motor era o Fiasa 1.1 de 56 cv.

fiat duna weekend

Já a Duna Weekend foi oferecida nas versões 60 e 70 — a primeira com o motor 1.1 de 56 cv e a segunda com um 1.3 de 67 cv. Havia ainda o Duna Weekend DS equipado com um motor diesel 1.7 de 60 cv.

6040Elba-A

Em 1990 a Fiat assumiu o controle da Innocenti e passou a vender a Elba como Innocenti Elba até 1996, quando a perua deixou de ser produzida. Nesta fase a Elba passou a ser equipada com um motor 1.4 i.e. (monoponto) de 69 cv e com o nosso conhecido 1.6 MPI, porém com apenas 75 cv.

Innocenti_Mille_3door

O Mille também embarcou para a Itália para se tornar o Innocenti Mille, e foi vendido até 1997, quando a marca finalmente foi descontinuada.

 

Vem ni mim, Fiat Ram

Captura de Tela 2018-03-13 às 21.01.14

Diferentemente da primeira geração, o atual Fiat Uno foi desenvolvido no Brasil, bem como sua irmã trabalhadora, a Fiorino. Com a aquisição da Chrysler pela Fiat e a formação da Fiat Chrysler Automobiles, a marca Ram foi “promovida” a divisão de veículos comerciais e utilitários do grupo na América do Norte, onde o nome Fiat não quer dizer muita coisa. E foi assim que nossa pequena Fiorino foi parar no lado de cima do Equador, onde é vendida exatamente como a brasileira — com o motor 1.4 Evo, 650 kg de capacidade de carga — porém com um nome mais interessante: Ram Promaster Rapid.

Captura de Tela 2018-03-13 às 21.00.58

Quem também foi desenvolvida aqui e migrou para os Estados Unidos Mexicanos foi a picape Strada, que lá é oferecida como Ram 700 — uma referência à sua capacidade de carga em quilos.

Já a Fiat Toro é vendida na Colômbia, no Chile, no Panamá e na Costa Rica desde 2019 como Ram 1000, nome que segue a mesma lógica. E ela até adota a nomenclatura tradicional da Ram: a versão básica se chama Big Horn, enquanto a variante de topo é a Laramie. O motor é sempre o 1.8 EtorQ de 130 cv.

 

Great News! The Dacia Sandero… is half Brazilian

 

Depois que a Renault emplacou o Dacia Logan no Brasil, apesar do design racional e suas linhas retas, a marca francesa decidiu usar a mesma plataforma para produzir um modelo mais inspirado, com mais apelo emocional, voltado aos mercados emergentes. Foi por isso que o pessoal do Technocentre de Paris atribuiu parte do desenvolvimento à engenharia da Renault no Brasil e na Romênia. O modelo, aliás, é tão brasileiro que foi o primeiro Renault da história a fazer sua estreia oficial fora da França — ele foi apresentado em dezembro de 2007 em Florianópolis.

Depois do Brasil o carro foi lançado no restante da América Latina e na Europa, incluindo o Reino Unido — para delírio de James May. No exterior a primeira geração teve motores 1.2 16v de 75 cv, 1.4 8v de 75 cv, 1.6 8v de 85 cv e 1.6 16v de 105 cv. Já a segunda geração usa um 0.9 turbo de 90 cv e 1.2 16v de 70 cv.

 

Logística reversa

b40eb52a2d316ad079e0e56b568b1d75

Nos anos 1990 a linha brasileira da Chevrolet era toda composta por modelos Opel, mas isso começou a mudar com o lançamento do Celta em 2000, produzido sobre a plataforma do Corsa B. Foi nessa época que surgiu a Meriva, que fez o caminho inverso dos seus companheiros de showroom: em vez de vir da Europa e ser rebatizada como Chevrolet, ela saiu do Brasil e foi para a Europa ser rebatizada como Opel.

A primeira geração da Meriva (a única que tivemos por aqui) era baseada na plataforma do Corsa C, e foi desenvolvida pela GM do Brasil em parceria com o Centro de Desenvolvimento da Opel em Rüsselsheim, Enquanto nós brasileiros tivemos que nos contentar com os motores 1.4 8v e 1.8 com oito e 16 válvulas, na Europa ele foi lançado com motores 1.6 8v de 87 cv, 1.6 16v Ecotec de 101 cv e 1.8 Ecotec de 125 cv. Em 2005 ele passou por um facelift que trouxe o motor 1.4 Ecotec de 90 cv, o 1.6 Twinport de 105 cv e o 1.6 Ecotec turbo de 180 cv (sim, 180 cv) para a versão esportiva OPC. O 1.8 de 125 cv foi mantido até o fim de sua produção, em 2009.

Com o fim da era Opel e a adoção de projetos de origem asiática, para países emergentes, a GM do Brasil exportou outros modelos desenvolvidos por aqui. O Chevrolet Cobalt, por exemplo: apesar de ter o nome de um cupê americano, ele foi desenvolvido no Brasil e lançado em 2011 como um sedã compacto de maior porte, posicionado entre o antigo Prisma e o Cruze.

Sua plataforma é uma versão simplificada da Gamma que, derivada do Corsa C e empregada no Chevrolet Sonic. O Cobalt chegou a ser produzido no Uzbequistão, onde abastecia o mercado local e países próximos (como a Rússia), e também na Colômbia. Ele foi vendido na Rússia até 2020, como Ravon R4.

O Chevrolet Onix de primeira geração, apresentado no Salão do Automóvel de 2012, seguiu um caminho parecido. Ele também é construído sobre a plataforma Gamma modificada para ficar mais simples e barata. Além de ser vendido no Paraguai, no Uruguai e na Argentina, ele foi exportado para a Colômbia e para o México, sendo que neste último foi batizado como Chevrolet Aveo. A atual geração, por outro lado, já nasceu global, com participação brasileira e chinesa em seu desenvolvimento. E foi apresentada na China em 2019 antes de ser revelada por aqui.

 

Fordlândia

EcoSport 7

A primeira geração do EcoSport foi desenvolvida no Brasil como uma versão local do Ford Fusion europeu, que era mais um MPV do que um SUV urbano compacto como o nosso. Quem tem boa memória sabe: o EcoSport se tornou um sucesso instantâneo, criou um segmento e o liderou mesmo após a chegada do Renault Duster.

Quando o EcoSport estava prestes a ganhar sua segunda geração, a Ford decidiu adotar como estratégia a oferta de todos os seus modelos em todos os mercados em que participa. Foi assim que o Mustang acabou anunciado oficialmente pela primeira vez no Brasil, e foi assim que nosso EcoSport de segunda geração foi parar nos EUA e na Europa, além da Índia, Tailândia, Japão, China e Austrália. Lá fora ele é oferecido com os motores 1.0 EcoBoost de 101 cv e 125 cv, bem como os Sigma 1.5 de 110 cv e 1.6 de 122 cv, e o Duratec 2.0 de 178 cv.

Ford-EcoSport

Quem também acabou entrando nessa volta ao mundo foi a terceira geração do Ka. O modelo também foi desenvolvido pela Ford do Brasil e atualmente é oferecido no México, na Europa e na Índia. Lá fora ele é equipado com um motor 1.2 de 70 cv ou 85 cv, bem como o 1.5 de 105 cv, além de um motor diesel 1.5 de 100 cv.

 

Fox on the run

Volkswagen-Fox_2005_Hecbeks_15112644345_5

Originalmente o modelo de entrada da Volkswagen na Europa é o Polo. Mas nos anos 1990 a marca precisou de uma resposta aos modelos subcompactos de seus rivais, e criou o Lupo como seu novo modelo de entrada. Nessa mesma época a Volkswagen estava desenvolvendo o projeto Tupi, um compacto brasileiro (daí o nome do projeto) que deveria substituir o Gol a partir de 2003. O problema é que por ser um projeto mais moderno, a Volkswagen não conseguiu torná-lo acessível o bastante para posicioná-lo como modelo de entrada, e foi assim que o Fox acabou lançado como compacto intermediário entre o Gol e o Polo.

E foi justamente por isso que ele acabou ganhando sua passagem de ida para a Europa. Quando o Lupo saiu de linha, em 2005, a Volkswagen exportou o Fox para substituí-lo. Os modelos vendidos na Europa eram basicamente os mesmos daqui, porém com motores 1.2 de 56  cv e 1.4 de 76 cv no lugar dos 1.0 e 1.6 oferecidos no Brasil. Ele também tinha um motor turbodiesel de 1,4 litro e 71 cv. Apesar das dimensões adequadas ao gosto europeu, sua qualidade de construção e acabamento foi criticada pela imprensa alemã, bem como seu desempenho. Em 2012 o Fox acabou substituído pelo Up!, que acabou fazendo o caminho reverso e veio para o Brasil com algumas modificações.

361-ar-nuevosuran

Sua versão perua também foi desenvolvida no Brasil e vendida fora daqui. O SpaceFox é vendido na Argentina, Chile e Uruguai como Suran, Peru como SpaceFox, México como SportVan e Argélia como Fox Plus.