A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Zero a 300

Nissan Autech Zagato Stelvio AZ1: o que acontece quando os italianos desenham um esportivo japonês

Se me perguntarem qual é meu país de origem favorito quando se trata de automóveis, não terei dúvidas em responder: a Itália. Talvez porque o primeiro carro que tive na vida foi um Fiat Uno que, embora fabricado no Brasil, tinha design assinado por Giorgetto Giugiaro. E sim, a estética de um carro é um fator bastante importante para mim na hora de decidir se gosto ou não de determinado modelo de automóvel.

O design dos carros italianos, aliás, é algo que tem muito apelo sobre a minha pessoa. Não faltam exemplos de carros italianos que têm reputações ruins, como os Alfa Romeo ou os Maserati da década de 80, e mesmo alguns modelos da Fiat – problemas com corrosão, manutenção complicada, alta desvalorização, por exemplo –, mas que são belíssimos e adorados por entusiastas no mundo todo justamente por seu design e pelo modo como andam (quando andam). Mas o que realmente me atrai são os carros italianos com desenho ousado, que podem não ser considerados bonitos no sentido tradicional e socialmente aceito da palavra, mas me agradam pela ousadia e pelo exotismo. Carros como o Alfa Romeo SZ, por exemplo – um cupê projetado pelo estúdio Zagato e construído sobre o Alfa Romeo 75. Este tem a peculiaridade de ser o último Alfa com o câmbio acoplado ao eixo traseiro (transeixo), de modo a melhorar a distribuição de massas – o que contribui para o equilíbrio dinâmico nas curvas.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Fabricado entre 1989 e 1991, o Alfa Romeo SZ (de Sprint Zagato) não é um carro que todos acham bonito – ele tem proporções curiosas, com uma traseira curta e elevada, capô baixo, três pequenos faróis quadrados e uma lanterna traseira baixa que tem a mesma largura do carro. Mas é justamente seu desenho pouco usual que me atrai nele.

alfa_romeo_s.z._25 Alfa-Romeo-SZ_ECC-070C_Original-20 Alfa-Romeo-SZ_ECC-070C_Original-5

Dito isto, a Zagato colaborou com outra companhia naquela época: a Autech, que em 1987 queria colocar no mercado japonês um grand tourer exclusivo, com desenho que se destacasse na multidão. O resultado foi o curioso e interessantíssimo Autech Zagato Stelvio AZ1 – um carro japonês, com plataforma e conjunto mecânico Nissan, porém com todo o charme exótico de um GT italiano da época.

A Autech é uma subsidiária da Nissan fundada em 1986 exatamente para cuidar dos projetos especiais da marca, como edições limitadas, conceitos e modelos experimentais. Foi a Autech, por exemplo, que em 1998 fez o Skyline GT-R Autech Version 40th Anniversary Edition – um Skyline R33 sedã com o mesmo conjunto mecânico da versão GT-R, criado para comemorar os 40 anos do primeiro Skyline.

 

nissan_skyline_gt-r_autech_version_5 nissan_skyline_gt-r_autech_version_4

O Zagato Stelvio AZ1, por sua vez, foi o primeiro projeto da Autech. Ele era feito com base no Nissan Leopard F31, um cupê grand tourer que dividia sua plataforma com o Skyline R31 e era movido por um motor VG30DET – V6 de três litros turbo com comando duplo no cabeçote que, além do Leopard, também aparecia no Nissan 300ZX das gerações Z31 e Z32. Geralmente ele entregava 255 cv e bons 39,1 mkgf de torque. No caso do Stelvio AZ1, porém, eram 320 cv e 40,9 mkgf de torque – embora, por conta do acordo de cavalheiros entre as fabricantes japonesas que estava em vigor naquela época, a potência declarada fosse de 280 cv.

zagato_autech_stelvio_4 zagato_autech_stelvio_55 zagato_autech_stelvio_44

Mencionei o Alfa Romeo SZ mais acima porque é evidente a ligação estética entre ele e o Autech Zagato Stelvio AZ1. E era examente esta a ideia: oferecer um carro com a mecânica confiável da Nissan, porém com o design ousado típico dos carros italianos.

zagato_autech_stelvio_958_000002d4068304d1 zagato_autech_stelvio_338_03ae01bd05c70460 zagato_autech_stelvio_15_00ce002b08380614

As proporções do carro lembram o Alfa Romeo SZ – o capô relativamente longo e baixo, a traseira alta e relativamente curta, a área envidraçada generosa e o caimento suave do teto estão presentes, bem como a postura imponente e “musculosa”. Isto posto, não podemos dizer que o Stelvio AZ1 é uma cópia: ele tem personalidade própria e elementos de design que não seriam vistos em nenhum outro carro.

zagato_autech_stelvio_383_0080000008940683 zagato_autech_stelvio_29 zagato_autech_stelvio_71

Em especial, a fenda em forma de ferradura sobre o emblema da Autech na dianteira e as “abas” integradas ao capô, que serviam como coberturas – que, respeitando a tradição dos automóveis japoneses, ficavam nos para-lamas dianteiros.

zagato_autech_stelvio_31 zagato_autech_stelvio_12

Elas também tinham outras funções: ao lado dos retrovisores ficavam respiros que escoavam o ar quente de dentro do cofre e o direcionavam por sobre a carroceria. Além de ajudar a resfriar a área do motor, elas contribuíam para a eficiência aerodinâmica do carro em movimento.

O interior, por sua vez, era praticamente idêntico ao do Nissan Leopard, exceto pelo acabamento em couro e imitação de nogueira instalado pela Zagato e pelo volante Momo.

zagato_autech_stelvio_86 zagato_autech_stelvio_7 zagato_autech_stelvio_777 zagato_autech_stelvio_77

Embora seja um carro indiscutivelmente datado em termos de visual, o Nissan Autech Zagato Stelvio AZ1 era mais do que decente quando levado para uma estrada sinuosa – não foi por acaso que a fabricante resolveu batizá-lo com o nome de uma das estradas mais famosas da Europa, o Passo Stelvio, considerado um dos melhores trechos do planeta para quem gosta de curvas. Vale lembrar que, coincidentemente, foi o nome que a Alfa escolheu para seu primeiro SUV – se me perguntarem, porém, direi que prefiro o Nissan antes do Alfa…

Feito para viajar, o Zagato Stelvio tinha um bom porta-malas e câmbio automático de quatro marchas da ZF, mas também era potente o bastante para ir de zero a 100 km/h na casa dos seis segundos e seguir acelerando até os 248 km/h. Ele também tinha ar-condicionado, freios ABS e overdrive acionado por um botão.

A Autech e a Zagato fizeram 104 exemplares do Stelvio AZ1, fazendo dele um automóvel bastante raro e desconhecido por boa parte dos entusiastas. O que, claro, faz com que eu goste dele ainda mais.

zagato_autech_stelvio_72 zagato_autech_stelvio_70 zagato_autech_stelvio_772 zagato_autech_stelvio_9

Matérias relacionadas

Rali Dakar 2018: o guia para você não perder nem um minuto

Dalmo Hernandes

Ferrari terá versão especial limitada da 812 Superfast, Corvette C8.R é flagrado com motor central-traseiro, Mustang chega às 10 milhões de unidades e mais!

Leonardo Contesini

Governo aumenta valor das multas para bloqueios de caminhoneiros, Audi A3 nacional é lançado com homenagem a Senna, um Hennessey de 1.000 cv e mais!

Leonardo Contesini