FlatOut!
Image default
Zero a 300

Novo BMW Série 2 cupê é revelado, Lamborghini apresenta série final do Aventador, Renault Captur 2022 é lançado com motor 1.3 turbo TCe e mais


Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco!

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Novo BMW Série 2 cupê é revelado

Apesar da quebra de clímax que foi o vazamento das imagens de ontem, eis o novo BMW Série 2 cupê, código G42. E não há como começar sem falar do visual.

As fotos com boa qualidade não melhoram a percepção que temos do carro. A dianteira, como prometido pela BMW, não recebeu uma grade gigantesca – ao contrário: ela ficou mais horizontal e mais larga em relação à anterior. Mas a grade é o menor dos problemas, porque todo o restante do carro perdeu muito da harmonia da geração passada. Os faróis, antes horizontais, agora são peças mais triangulares, com uma extensão que aponta para a grade, e posicionados mais acima na face do carro.

 

A traseira sofre de um mal parecido – as lanternas são muito pequenas e afastadas, e instaladas bem abaixo da linha do porta-malas. Isso resulta em proporções estranhas e desarmônicas, com uma grande “testa”. E o fato de a traseira ter uma inclinação acentuada não ajuda. Torcemos para que o estilo seja melhor digerido com o passar do tempo, e também pessoalmente.

Mas sejamos justos: visto de perfil, o carro lembra bastante a geração anterior, ainda que com um capô relativamente mais longo. E há algo que gostamos: o vinco que percorre toda a lateral do carro, que faz falta no Série 4, se faz presente aqui. Como dissemos na época do lançamento do Série 4, o vinco era uma característica importante nos cupês anteriores – ou seja, é como se o Série 2 fosse o verdadeiro herdeiro de carros como o Série 3 E46 ou mesmo o E90.

Um último comentário: a BMW diz que a inspiração para o novo Série 2 foi o cupê 2002 dos anos 60 e 70 – as referências estão nos elementos internos dos faróis e na silhueta, segundo a marca.

O interior do carro não é novo – assim como na geração passada, o painel é praticamente uma cópia do que se vê no Série 3/4. Isto inclui o sistema de infotainment de 10,25 polegadas, o quadro de instrumentos digital de 12,3 polegadas e todos os recursos vistos no irmão maior. Os revestimentos de porta, por outro lado, são exclusivos.

 

Não é uma surpresa, porque o novo Série 2 é construído sobre a plataforma CLAR usada pelo Série 3. Suas dimensões são bem mais contidas: com 4,55 metros de comprimento, ele é 16,5 cm mais curto que o Série 3,  porém 1 cm mais largo, e tem entre-eixos 11 cm menor. Entre os componentes compartilhados estão elementos da suspensão, tanto na dianteira quanto na traseira, os recursos eletrônicos e, claro, o motor.

Por ora, a BMW revelou apenas duas variantes a gasolina: o modelo de entrada 220i, com motor quatro-cilindros 2.0 de 184 cv e 30,6 kgfm de torque; e o M240i xDrive, versão de topo posicionada abaixo do eventual M2, que tem o mesmo seis-em-linha usado pelo Série 3/4, com 374 cv e 50,9 kgfm de torque. Ambos usam o câmbio automático Steptronic de oito marchas, mas o 220i tem tração traseira e o M240i, tração integral – que, de acordo com a BMW, prioriza o eixo traseiro.

O novo BMW Série 2 deve chegar às lojas na Europa até o fim deste ano ou, na pior das hipóteses, no começo de 2022. No Brasil, o lançamento deve acontecer meses depois.

 

Lamborghini Aventador LP-780 Ultimae: série de despedida do supercarro é revelada

Faz pouco mais de dez anos que o Lamborghini Aventador é o modelo de topo da marca – ele foi lançado em fevereiro de 2011. Ou seja: o supercarro com V12 aspirado está no fim de seu ciclo de vida.

Para selar a despedida, a Lamborghini apresentou hoje o Aventador LP-780 Ultimae – e o nome já entrega que ele tem mesmo 780 cv, que aparecem a 8.500 rpm. O torque é de 73,4 kgfm a 6.750 rpm, exatamente como no Aventador SVJ. Já “Ultimae”, como você deve ter suspeitado, quer dizer “último” em latim.

O Aventador Ultimae pesa 1.550 kg – 25 kg a menos que o Aventador S. No departamento visual, ele traz as mesmas saias laterais alongadas do Aventador SVJ, mas dispensa a chamativa asa traseira e, em seu lugar, adota um spoiler mais discreto, ajustável em três posições. O difusor traseiro também segue o estilo do SVJ e, da mesma forma, as duas saídas de escape ficam acima dele. As rodas são de 20 polegadas na dianteira e 21 polegadas na traseira, sempre com pneus Pirelli P Zero Corsa.

Segundo a Lamborghini, o Aventador Ultimae vai de zero a 100 km/h em 2,8 segundos, de zero a 200 km/h em 8,7 segundos, e segue acelerando até os 355 km/h – números dignos do Lamborghini não-híbrido mais potente da história.

Serão feitos 600 exemplares do Aventador Ultimae, sendo 350 da versão fechada e 250 do roadster. O carro será apresentado publicamente neste fim de semana, durante o Goodwood Festival of Speed, no Reino Unido.

 

Renault Captur 2022 é lançado e estreia motor 1.3 turbo TCe

O Renault Captur 2022 acaba de ser revelado – e, como previsto, chega com o novo motor 1.3 turbo TCe, de origem Mercedes-Benz. Trata-se da única opção de motor para o Captur, que custa entre R$ 124.490 e R$ 138.490.

Com 170 cv e 27,5 kgfm de torque (que a Renault diz ser o maior do segmento) o motor leva o crossover de zero a 100 km/h em 9,2 segundos, com máxima de 190 km/h. Mas esses são os números com etanol: abastecido com gasolina, o Renault Captur 1.3 turbo tem 162 cv – o torque não muda – e vai de zero a 100 km/h em 9,5 segundos. O câmbio é sempre o CVT de oito marchas simuladas.

 

Além do novo motor, o Captur 2022 recebeu um leve facelift, com para-choque redesenhado, grade um pouco maior, e faróis full-LED nas versões mais caras, além de novas rodas de 17 polegadas. A traseira quase não muda – apenas a moldura onde fica o nome do carro passou a ser pintada na cor do carro, em vez de cromada.

De qualquer forma, o exterior do Captur não precisava mesmo de grandes mudanças. Por outro lado, o interior era criticado pela qualidade de construção e acabamento. E a Renault deu um jeito nisso: o painel ganhou acabamento soft touch, detalhes em preto brilhante e também cromados e console central totalmente remodelado (com descansa-braço embutido). Fora isso, agora há duas portas USB para os ocupantes do banco traseiro, uma nova central multimídia com tela de 8 polegadas e conexão com smartphones (Apple CarPlay e Android Auto) e, nas versões de topo, quatro câmeras externas. O volante também é novo, e incprpora os comandos do cruise control.

Em equipamentos, o novo Renault Captur traz partida à distância (incluindo a possibilidade de climatizar o habitáculo com antecedência), sensor de ponto cego nos retrovisores e, no Captur Iconic – a versão mais cara –, sistema de som Bose com seis alto-falantes mais subwoofer no porta-malas.

Confira, a seguir, as versões, preços e equipamentos do Renault Captur 2022.

Captur Zen 1.3 TCe (R$ 124.490): central multimídia Easylink 8” com integração de smartphones (Android Auto e Apple Carplay), volante multifuncional com ajustes de profundidade e altura, quatro airbags (dois dianteiros e dois laterais), câmera e sensores de estacionamento traseiros, controle de estabilidade (ESP), controle de tração (ASR), assistente de partida em rampa, DRLs de LED, sensor de pressão dos pneus, chave-cartão, sistema start-stop e cruise control.

Captur Intense 1.3 TCe (R$ 129.490): mesmos itens do Zen, mais ar-condicionado automático, faróis de neblina em LED, sensor crepuscular, sensor de chuva, duas saídas USB para o banco traseiro, e faróis com função follow-me-home.

Captur Iconic 1.3 TCe (R$ 138.490): mesmos itens da versão Intense, mais faróis full-LED, som premium BOSE com seis alto-falantes, subwoofer no porta-malas, sensor de ponto cego, sistema Multiview com quatro câmeras externas e partida remota.

Parece um conjunto interessante – o Renault Captur tinha visual agradável e bons equipamentos, mas faltavam-lhe um motor mais moderno e acabamento mais caprichado. Mas o que interessa mesmo é saber como a Renault vai aproveitar o novo motor 1.3 TCe no restante da linha. Algo nos diz que ele cabe direitinho embaixo do capô de um Sandero…

 

Volkswagen apresenta novo Golf R Variant

A Volkswagen acaba de apresentar na Europa mais um carro que adoraríamos ver por aqui: o Golf R Variant, perua, que junta o melhor dos dois mundos – o motor 2.0 turbo de 320 cv do hot hatch, e muito mais espaço para a bagagem. Não parece uma proposta mais interessante do que qualquer SUV?

O porta-malas do Golf R acomoda 611 litros de bagagem com o banco traseiro na posição normal, e vai para 1.642 litros com o banco traseiro rebatido. O porta-malas ainda tem tampa com abertura automática, pontos para prender ganchos, uma rede para guardar objetos menores e uma tomada de 230V.

No mais, o carro é mesmo idêntico ao Golf R hatchback – tem o mesmo visual mais descolado, as mesmas rodas, os mesmos freios, o mesmo motor de 320 cv e o mesmo câmbio de dupla embreagem e sete marchas com sistema de tração integral 4Motion. Por causa do peso extra, porém, ele leva 0,2 segundos a mais para chegar aos 100 km/h – ou seja, são 4,9 segundos. A velocidade máxima pode ser de 250 km/h, ou de 270 km/h com o pacote R Performance – que ainda troca as rodas de 18 polegadas por um jogo de 19 polegadas e acrescenta dois modos de condução: Special e Drift.

Não há sequer uma previsão da chegada do Golf Mk8 ao Brasil (diríamos que é improvável no momento), portanto não vamos sequer alimentar esperanças de ver o Golf R Variant por aqui. Fica a notícia, e também nosso lamento.

 

Rimac e Porsche criam joint-venture para controlar a Bugatti

Em uma manobra que pode ter passado por baixo do radar (especialmente de quem não se interessa muito por elétricos), a croata Rimac se juntou à Porsche para criar uma nova joint-venture. E essa nova empresa vai controlar nada menos que a Bugatti. Hipercarros elétricos estão a caminho, pode ter certeza.

Anunciada na última segunda-feira, a nova empresa se chama Rimac Group e é liderara por Maté Rimac, o fundador da fabricante que leva seu sobrenome.

Até agora, a Rimac teve notoriedade pelos hipercarros elétricos Concept_One, C_Two e Nevera – esse último apresentado há poucas semanas. Agora, porém, uma nova fabricante chamada Bugatti-Rimac vai atuar no segmento. A fábrica em Zagreb, na Croácia, começará a funcionar até o fim de 2021.

Embora a Porsche não apareça nominalmente, sua participação é importantíssima. Além de ser dona de 25% da Rimac Group, a fabricante alemã também responde por 45% da Bugatti-Rimac (o Rimac Group fica com os outros 55%). Além disso, dois membros do alto escalão da Porsche – o CEO Oliver Blume e o vice-presidente Lutz Meschke – também farão parte do conselho de supervisão.

Por ora, a Bugatti Rimac ficará responsável pela fabricação do Bugatti Chiron (que não vai abrir mão do motor W16 quadriturbo) e do Rimac Nevera. Mais adiante, porém, novos modelos das duas marcas devem compartilhar tecnologia e plataformas – incluindo conjuntos híbridos e puramente elétricos, sem dúvida.

 

Kia confirma chegada do SUV Stonic ao Brasil

A Kia parece mesmo disposta a recuperar espaço no Brasil. Depois de lançar no Brasil o hatchback Rio com alguns anos de atraso, a marca prepara uma novidade mais atual: o crossover Stonic, que usa a mesma plataforma, porém está mais adequado ao momento do mercado.

Importado da Coreia do Sul, o Stonic é um SUV compacto que parece feito sob medida para encarar Volkswagen T-Cross, Chevrolet Tracker e outros modelos no segmento. Para isso, ele conta com motor 1.0 turbo de 125 cv com sistema híbrido leve de 48V, mais câmbio de dupla embreagem e sete marchas. A Kia diz que o powertrain permite que o motor a combustão seja desligado automaticamente com o veículo rodando a até 125 km/h, ligando novamente assim que o motorista pisa no acelerador ou no freio.

O Kia Stonic vendido no Brasil será diferente do carro que a marca trouxe para o Salão do Automóvel em 2018, quando sua chegada ainda não era certa – ele trará a reestilização apresentada lá fora em agosto de 2020. A Kia não deu a data exata e nem o preço, mas garante que o Stonic será lançado no Brasil ainda em 2021, e que será o híbrido mais barato do País. Ou seja, deverá ficar abaixo dos R$ 158.290 que custa o Corolla Altis Hybrid.

Este Uno 1.5R pode ser seu!

Participe!

Clique aqui e veja como

Compartilhe agora