A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

O carro da capa: Chrysler Town & Country / The Black Keys – “El Camino” (2011)

Admita: se você foi um jovem apreciador de música dos anos 2000, provavelmente você já esnobou alguma banda ou artista só porque todo mundo estava ouvindo. Este é um pecado que eu cometo ainda hoje, e isto me faz descobrir muita música bacana “tarde demais” – aspas porque, bem, nunca é realmente tarde demais.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até três carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Isto me ocorreu com o The Black Keys, duo americano de garage rock formado por Dan Auerbach (guitarra e voz) e Patrick Carney (bateria). Mais especificamente com El Camino, álbum de 2011 que acabou se tornando seu maior sucesso. A primeira faixa, “Lonely Boy”, ficou absurdamente popular – foi o single mais bem sucedido da banda em vários países. E ganhou um dos clipes mais bizarramente divertidos já feitos.

Só fui dar a devida atenção a El Camino agora, dez anos depois. Foi o sétimo álbum do Black Keys, uma banda já veterana – foi formada em Akron, Ohio, no ano de 2001. O som sempre foi um rock de garagem feito à moda antiga, com raízes no blues, produção orgânica e canções construídas em volta dos riffs de guitarra. O fato de ser um duo é praticamente ilustrativo: Auerbach e Carney são os dois membros oficiais, mas em estúdio e nos palcos o The Black Keys contou com vários músicos de apoio ao longo dos anos.

 

No caso de El Camino, porém, a abordagem foi mais crua: apenas as guitarras e vocais de Auerbach, a bateria de Carney, e os teclados de Danger Mouse (nome artístico de Brian Burton, mais conhecido por formar o Gnarls Barkley ao lado de CeeLo Green no começo dos anos 2000), que também produziu o álbum. Apesar disto, a música é bastante densa, cheia de camadas e texturas, com uma boa dose de reverb, vozes “sujas”, interlúdios acústicos e seções instrumentais matadoras. Mesmo sem o baixo na cozinha.

Incidentalmente, El Camino também é um excelente álbum de estrada – especialmente nas faixas mais galopantes, como “Gold on the Ceiling” aí em cima. Não por acaso, também é muito lembrado nas listas de melhores álbuns com carros na capa e melhores capas de álbuns com carros que se costuma fazer por aí.

A capa, aliás, começa com um mindfuck para entusiastas: o nome do álbum é El Camino, mas o carro, evidentemente, não é um El Camino. Alguns acham graça, outros ficam incomodados, mas, afinal, por que esta divergência?

A inspiração para o título do álbum foi, de fato, o Chevrolet El Camino, que possivelmente é um dos carros mais rock and roll que existem no mundo – é uma picape com cara e motor de muscle car, cara!

SAMSUNG DIGITAL CAMERA

Feito com base no Chevrolet Chevelle, o El Camino podia vir até com o V8 396 do Chevelle SS, um monstro de 6,5 litros e 380 cv (brutos) que garantia menos de 15 segundos no quarto-de-milha sem quaisquer modificações. Opcionalmente era possível ter bancos individuais de tecido ou vinil, tapetes macios e conta-giros, transformando o El Camino, de fato, em um muscle car para curtir a dois.

Acontece que, por mais que a ideia seja tentadora, não há nenhuma inspiração poética para o nome do álbum, segundo o próprio Black Keys. Em uma entrevista ao site americano Nashville Scene, Patrick Carney explicou que a banda simplesmente viu um El Camino na estrada em 2010, durante a turnê do álbum anterior, Brothers.

“Bom, eu e o Dan estávamos em turnê no Canadá, tentando achar um nome para o álbum. Tínhamos várias ideias. Então, quando a gente estava passando de carro pelas Montanhas Rochosas, passamos por um El Camino (risos). Então pensamos em chamar o álbum de El Camino só de brincadeira.”

The Black Keys em 2011

Mais tarde, em outras entrevistas sobre o álbum, o duo chegou até a dizer que havia um significado mais profundo, já que o nome do Chevrolet El Camino quer dizer “o caminho” em português – dando ao título do álbum uma conotação mais profunda e filosófica. Mas, no fundo, era apenas uma piada.

Por que diabos, então, não há uma foto fodástica de um El Camino na capa? Esta ideia foi de Michael Carney, irmão do baterista e diretor de arte da banda.

“Eu contei ao meu irmão sobre a ideia e ele disse, ‘Sabe, se vocês chamarem o álbum de El Camino todo mundo vai pensar no carro’. E eu respondi: ‘Sim, exatamente. Essa é a ideia, c*ralho!’ E ele disse, ‘Beleza, mas então porque não colocar um carro na capa que não seja o El Camino?’ E eu disse ‘OK, mas que carro?’ E ele respondeu, ‘Sei lá, só coloquem o carro da primeira tour de vocês’. Então basicamente é isso. Uma bobeira.”

E então chegamos ao tal carro da capa: uma Chrysler Town & Country de primeira geração – modelo relativamente raro, fabricado apenas em 1989 e 1990, que deu lugar à segunda geração já em 1991. Obrigatoriamente, a minivan tinha as laterais revestidas com imitação de madeira. Não era exatamente a van na qual o duo fez sua primeira turnê – uma Plymouth Voyager 1994, versão rebatizada da Town & Country. Mas a estética era perfeita para um álbum de garage rock.

A banda sabia perfeitamente que o título do álbum causaria estranhamento, talvez até revolta, em qualquer um que soubesse que aquele carro não era um El Camino. E então, eles decidiram explorar um pouco mais a ideia. O encarte do álbum traz fotos de outras minivans antigas americanas – Ford, Chevrolet, Dodge – e rolou até um vídeo promocional com Bob Odenkirk (o Saul Goodman de Breaking BadBetter Call Saul) interpretando um vendedor de carros usados que tenta convencer o público de que a minivan Chrysler da capa é um El Camino.

A ideia divertida foi bem recebida pelos fãs – mas a qualidade da música foi a verdadeira responsável pelo sucesso de El Camino, que chegou ao número 2 nas paradas da Billboard. E, com isto, a escolha do nome e da capa acabou mesmo ganhando um significado mais profundo: El Camino também pode ser traduzido como “a estrada” – e, quando o The Black Keys caiu na estrada pela primeira vez, foi em uma minivan velha “com o interior fedendo a urina”, segundo a própria banda já comentou em entrevistas.

Minha sugestão: agora, eles precisam fazer um álbum chamado Town & Country com um Chevrolet El Camino na capa. Vai ser um sucesso!

Matérias relacionadas

Sobre o carro autônomo da Uber que matou a pedestre: eis os detalhes – e nossa opinião a respeito

Leonardo Contesini

A história da HKS e seu incrível Nissan Skyline GT-R R33 de 1.500 cv

Dalmo Hernandes

GT4 Stinger: um cupê esportivo de tração traseira feito pela… Kia!

Leonardo Contesini