A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Zero a 300

O fim da gasolina mais barata do mundo?

Imagine como seria encostar no posto de combustível, encher o tanque, entregar meia-dúzia de moedas e seguir viagem. Gasolina quase gratuita é uma ideia tão absurda que soa infantil, mas é a realidade da Venezuela.

Situada sobre a maior reserva mundial de petróleo, a Bacia de Maracaibo, a Venezuela tem a gasolina mais barata do mundo. Um litro do combustível custa apenas 6 bolívares, valor equivalente a R$ 0,000029. Para facilitar a conta R$ 1 compra 34.950 bolívares, que compram 5.825 litros de gasolina. Na prática, a gasolina sai de graça. E esse é o preço da gasolina premium, de alta octanagem. A gasolina comum custa 1 bolívar. Sim: R$ 1 compra 34.950 litros de gasolina. E sem álcool!

Isso gera algumas situações bizarras, como por exemplo, o fato de os frentistas ganharem mais em gorjetas do que a PDVSA — a petrolífera estatal da Venezuela — ganha vendendo a gasolina que os frentistas despejam no tanque dos clientes.

venezuela-contrabando-gasolina

Com vizinhos comercializando o petróleo e os combustíveis a preços internacionais, a Venezuela se tornou um alvo fácil para contrabandistas, que enchem tanques e caminhões por valores ridiculamente baixos e levam o combustível embora ilegalmente, em sua maioria para a Colômbia e para o Caribe. Com preços tão baixos, o negócio é mais lucrativo que o narcotráfico colombiano — imagine comprar 140.000 litros de gasolina por US$ 1 e revender pela metade do preço de mercado.

É por isso que a prática atrai cada vez mais venezuelanos — especialmente com a alta do desemprego nos últimos anos. Apesar de ter criado um sistema de cadastro nacional para impedir que os motoristas abasteçam mais de uma vez por dia, a prática é tão lucrativa que, mesmo com a propina paga aos frentistas e aos agentes aduaneiros, ainda é possível faturar US$ 20 por dia contrabandeando 100 litros de gasolina com uma simples motocicleta.

Segundo o governo venezuelano, esta prática faz o país perder US$ 18 bilhões por ano e, por isso, Nicolás Maduro decidiu que é hora de acabar com essa história. Como? Ele irá começar a praticar preços de mercado, que devem ocasionar um aumento de aproximadamente 10.000% a partir da próxima segunda-feira (20). E isso deverá afetar ainda mais a população venezuelana, que é altamente dependente do automóvel.

 

Como a gasolina venezuelana é tão barata?

Os preços da gasolina na Venezuela são tão baixos devido à sua reserva de petróleo gigantesca, claro, mas também devido aos subsídios do governo e à política de preços, que ficaram sem reajustes entre 1996 e 2014. Desde então ela é subsidiada e mantida artificialmente baixa — apesar de a inflação estar prevista para 1.000.000% em 2018.

gasolinavenezuela

Apesar do reajuste soar como um lapso de bom-senso de Maduro, analistas como o venezuelano Luis Vicente Leon, acreditam que a medida é uma forma de aumentar a arrecadação do Estado em meio à crise.

Maduro pretende manter os preços baixos para os cidadãos portadores do Carnê Nacional, algo como o Cartão do Cidadão brasileiro, porém o programa se estende apenas às classes mais baixas, que normalmente não usam transporte particular.

Para piorar, devido à abundância de petróleo, o preço da gasolina na Venezuela se tornou um tabu depois que, em 1989, o então presidente Carlos Andrés Perez tentou aumentar os preços e acabou desencadeando uma rebelião popular sangrenta conhecida como Caracazo. Em uma semana de protestos, que foram reprimidos pelas forças armadas, centenas de pessoas morreram ou desapareceram. Enfraquecido, o governo acabou derrubado.

Maduro, contudo, promete reverter o aumento da arrecadação para o cumprimento dos programas sociais do governo — a mesma promessa feita em 2014 quando foi feito o último reajuste. Considerando a atual situação da Venezuela, a medida não parece ter funcionado como esperado.

 

Agora… se o limite de um reabastecimento diário é facilmente burlado por uma gorjeta mais generosa paga aos frentistas, por que os preços mais elevados para os não-portadores do carnê nacional impediriam que se abastecesse pelo preço subsidiado?

Será mesmo o fim da gasolina mais barata do mundo?

 


carrossel-civic-generations-1140x448

Matérias relacionadas

Rádio-controlados: grandes pilotos e seus modelos de controle remoto

Leonardo Contesini

8.000 km em 45 anos: eis o Plymouth Road Runner 1970 menos rodado do mundo

Dalmo Hernandes

Além do A110: a história e os outros carros da Alpine

Dalmo Hernandes