A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

O insano processo de extração do titânio

Nos últimos 20 anos a cultura automobilística foi profundamente afetada pela interação global possibilitada pela internet. Quem tem mais de 30 anos certamente vai lembrar da dificuldade que tínhamos em encontrar informações confiáveis ou mesmo de conhecer carros, categorias de automobilismo, autódromos ou roteiros entusiastas de outros países sem entrar em um avião e descobrir tudo pessoalmente. A cultura automobilística ainda era muito regionalizada ou fortemente influenciada por elementos regionais. Mas aí veio a internet e nos colocou em contato direto com nossos semelhantes de outras partes do mundo. Nos permitiu ver o que estava acontecendo com os carros e com os entusiastas nos EUA, na Europa, no Japão, na Austrália e na África. Importamos vertentes culturais diversas, como o "euro style", que era apenas "style" para os europeus. É meio como a piada de que, na Rússia, a montanha-russa se chama somente "montanha". Uma boa analogia são os clubes de futebol. Há 100 anos, você tor

Matérias relacionadas

A primeira Ferrari com câmbio semi-automático era do Sultão de Brunei – e você nunca ouviu falar dela

Dalmo Hernandes

Qual foi o primeiro carro com vidros elétricos? E travas elétricas?

Dalmo Hernandes

16 cilindros, dez litros, 600 cv e peças de Fusca: conheça o Isdera Autobahnkurier 116i

Dalmo Hernandes