FlatOut!
Image default
Zero a 300

O novo Jeep Commander, Fórmula 1 terá Sprint Race em Interlagos, Glickenhaus supera Toyota em Le Mans e mais!


Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.


O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!


 

Este é o novo Jeep Commander, o “Compass de sete lugares”

Nunca tivemos tantos carros de sete lugares a venda no Brasil — são 20 modelos que inspiraram uma série de guias de compra com as melhores opções de R$ 100.000 a R$ 600.000. Agora, a Jeep apresenta sua aposta neste nicho que está em alta ultimamente: o Commander.

Apesar do nome, que até agora era usado por um modelo maior que o Grand Cherokee, o novo Commander é baseado no Compass (antes da confirmação do nome ele era chamado informalmente de “Compass de sete lugares), o que significa que ele não deverá (nem poderá) se distanciar muito do irmão de plataforma em termos de motorização e transmissão. Apesar de a Jeep não ter confirmado os dados, é certo que ele terá uma versão 2.0 diesel e o novo 1.3 turbo já adotados na linha Compass — resta saber como será a calibragem dos motores em termos de potência e torque. Nos dois casos o câmbio será automático, porém com nove marchas na versão diesel e seis marchas na versão turbo flex.

Quanto ao visual, acho que a Jeep conseguiu manter as referências dos Commander anteriores, embora em alguns ângulos as bitolas/largura das rodas entregue a origem compacta do modelo. Apesar disso, o acabamento apresentado no vídeo — tanto externamente quanto internamente — é esmerado, em especial os materiais usados no painel, que passam uma impressão de refinamento que falta ao Compass mesmo em suas versões superiores.

Note, por exemplo, o emblema com o nome do carro na lateral, o friso cromado que ele compartilha com o Compass ou o tecido na parte frontal do painel, e você verá o refinamento ao qual me refiro.

O vídeo ainda mostra que o conjunto óptico é de LED, e que há sensores e o não-muito-discreto protetor do radar, que é usado para o sistema de cruise control adaptativo — algo que pode ser notado também pelos comandos no volante. Ali dentro, bancos e painel combinam couro e camurça, o quadro de instrumentos é digital, e se nota também os botões do sistema de assistência de permanência em faixa de rodagem, estacionamento autônomo e, claro, o seletor dos modos de condução, presente nos modelos 4×4 da marca.

O modelo será lançado oficialmente no dia 26 de agosto, e será produzido na fábrica da Jeep em Goiana/PE, que abastecerá o mercado brasileiro e outros países da América Latina. Ainda não há preços, mas considerando que a Jeep irá posicioná-lo entre o Grand Cherokee e o Compass, e que seus rivais diretos custam entre R$ 230.000 e R$ 290.000, é bem provável que o novo Commander comece na faixa dos R$ 250.000 e chegue aos R$ 320.000.

 

Fórmula 1 em SP terá 100% da capacidade de Interlagos e Sprint Race para classificação

Outrora colocado em dúvida devido às restrições da pandemia, o GP do Brasil em Interlagos não apenas está confirmado para novembro, como também terá 100% de sua capacidade de público liberada e terá sua classificação por meio de uma Sprint Race.

O anúncio foi feito nesta última segunda-feira (16) pelo governador do estado, João Dória. Segundo Dória, o atual estágio das vacinações permitiu a liberação da capacidade total de público no Grande Prêmio. A prova, aliás, mudou de nome: ela deixa de ser Grande Prêmio do Brasil para se chamar Grande Prêmio de São Paulo.

A data ainda não está confirmada, mas o governo estadual e a prefeitura da capital trabalham para realizar a corrida no final de semana dos dias 13 e 14 de novembro, visando aproveitar o feriado da Proclamação da República, que neste ano cai numa segunda-feira.

 

Toyota deixa de oferecer Camry e Prius no Brasil

Reparou que o número de Toyota Prius nas ruas diminuiu muito depois que a atual geração do Corolla foi lançado? Pois é… estava na cara que isso aconteceria, afinal, os dois carros têm praticamente o mesmo powertrain e não faria sentido a Toyota oferecer um modelo menos popular e muito mais “controverso” como o Prius enquanto o Corolla pode oferecer o mesmo, porém com uma cara que sempre gostamos.

Perdido no mercado e com as vendas em queda, o Prius deixou de ser vendido no Brasil “por questões estratégicas comerciais”, segundo a Toyota. Além dele, o Camry, que andou apagado no mercado nestes últimos anos e já beirava os R$ 320.000, também deixou de ser importado por questões estratégicas. Coincidência ou não, o anúncio foi feito logo após do lançamento do Accord Hybrid no Brasil por R$ 299.900.

Segundo a Toyota, a importação foi suspensa apenas temporariamente, e a retomada está sendo avaliada para o início de 2022. Na prática, é possível que o Camry retorne em uma configuração híbrida para competir com o Accord, mas não esperaríamos pelo retorno do Prius com RAV4, Corolla Cross e o próprio Corolla oferecendo powertrains híbridos e com bom desempenho de vendas.

 

Scuderia Glickenhaus lidera tempos no test day de Le Mans

Quando Jim Glickenhaus anunciou que estaria na 24 Horas de Le Mans de 2021, a primeira coisa que nos veio à mente é que, finalmente, a Toyota teria um competidor à sua altura. Os japoneses continuam os favoritos, mas a concorrência neste ano poderá ser mais forte. Isso, porque o único rival da Toyota na categoria Hypercar, a Scuderia Cameron Glickenhaus, liderou os tempos no test day deste ano.

Com o carro #708, Oliver Pla cravou 3:29,115, e ficou 0,2 segundo à frente do Toyota GR010 #7 de Mike Conway. Kazuki Nakajima foi o terceiro no Toyota #08, seguido por Nicolas Lapierre no Alpine A480 com 3.30,111.

O Alpine, apesar de ser um LMP1, foi incluído na Hypercar pelo Automobile Club de l’Ouest. Já o SCG 007 foi construído do zero para atender às regras da categoria Hypercar, e é equipado com um V8 biturbo de 3,5 litros da Pipo Moteurs, com 670 cv.

A Toyota manteve o powertrain híbrido do TS-050 em seu “novo” hypercar: um 3.5 V6 com um conjunto elétrico no eixo dianteiro, também produzindo 670 cv, conforme o regulamento.

Apesar do bom desempenho da SCG no primeiro dia de testes, a Toyota tradicionalmente não explora todo o potencial do carro logo na primeira ida à pista em Le Mans, e normalmente parece mais lenta nos testes. Ainda assim, a 24 Horas de Le Mans não é apenas uma questão de velocidade pura, mas de regularidade e confiabilidade — um desafio para homens e máquinas ao longo do mais longo dos dias.

Ainda que a Toyota seja uma mega-corporação com orçamento praticamente infinito (quando comparada aos atuais rivais), dizem que Le Mans escolhe seus vencedores. Quem sabe não seja hora de ver uma nova surpresa em La Sarthe?

 

ESTE Gol GTS 1.8
PODE SER SEU!

Clique aqui e veja como