A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Automobilismo Top

Os acidentes não-fatais mais chocantes da história do automobilismo – parte 1

Há alguns dias, perguntamos aos leitores quais eram os acidentes não-fatais mais sinistros que eles já haviam visto. Não faltam exemplos — afinal, o automobilismo é um esporte absurdamente perigoso, mas de vez em quando os pilotos têm sorte e saem andando daquilo que restou de seus casos. Outros, precisam de muita força de vontade para recuperar-se das sequelas, e às vezes até voltam a correr.

Nossa sugestão foi o insano acidente de Martin Donnelly na Fórmula 1, definitivamente um dos acidentes mais chocantes que já aconteceram. Mas as sugestões de vocês definitivamente não ficam atrás. Vamos conferir, então, a primeira parte da lista!

 

Robert Kubica, GP de Montreal, 2007

O acidente do polonês Robert Kubica foi um dos mais impressionantes na história recente da Fórmula 1. Na 29ª volta do Grande Prêmio do Canadá, Kubica foi contornar uma hairpin e atingiu o carro de Jarno Trulli, que na época pilotava pela Toyota, e acabou passsando por cima de uma saliência na grama. Com isto, o carro levantou voo e Kubica não conseguiu frear ou mudar de direção, acertando o muro a 300 km/h, causando um impacto de 75G.

kubica_ap2_1820023i

Com o safety car na pista, Kubica foi removido do carro e levado para o centro médico do circuito, onde teve sua condição declarada como estável. A princípio, acreditava-se que o piloto havia sofrido uma fratura na perna, mas depois foi constatado que ele hacia sofrido apenas uma concussão leve e uma torção no tornozelo. Ele passou a noite em observação e foi liberado no dia seguinte.

 

Stan Fox, Indianapolis, 1995

O mais lembrado de todos nos comentários foi o acidente do americano Stan Fox na Indy 500 de 1995. O acidente aconteceu no primeiro minuto, logo na primeira volta da corrida — Fox perdeu o controle do carro e acertou o muro do lado direito da pista. Seu carro partiu-se ao meio e todo o conjunto dianteiro se soltou, deixando as pernas do piloto desprotegidas. É um milagre que ele não as tenha perdido. Não foi à toa que escolhemos uma imagem do impacto para abrir este post.

indycar-indy-500-1995-stan-fox-suffers-a-huge-crash-with-eddie-cheever

Vários outros carros se envolveram no acidente, e destroços ficaram espalhados por toda a pista. Fox sofreu diversos ferimentos pelo corpo e ficou com um coágulo no cérebro, removido às pressas pouco depois da batida. Sua recuperação levou vários meses e, depois disso, Fox abandonou a carreira no automobilismo. Ele continuou envolvido com o esporte, porém, fundando a organização Friends of the Fox para dar apoio a pilotos que sofreram traumas na cabeça e ajudá-los a voltar a acelerar.

Dito isso, esta história tem um desfecho trágico: em 2000, Stan Fox morreu em um acidente de carro, quando bateu em um caminhão a caminho de um evento automotivo na Nova Zelândia.

 

Jeremy Foley, Pikes Peak

Na edição de 2012 da Pikes Peak International Hillclimb, a subida de montanha mais famosa do planeta, Jeremy Foley e o navegador Yuri Kouznetsov deixaram muita gente apreensiva ao cair da montanha. Não é preciso explicar muito: em uma curva de alta para a esquerda, o Lancer Evolution da dupla perdeu aderência e desceu rolando pelo penhasco.

A visão é assustadora — o carro capota várias vezes e, no processo, quase todos os painéis da carroceria se soltam, deixando a gaiola de proteção, piloto e navegador expostos. No vídeo acima, a dupla diz que a única coisa que conseguiam pensar era “vamos morrer agora”, e que “depois do segundo giro, você perde completamente o senso de direção e sente como se estivesse dentro de uma máquina de lavar. Incrivelmente, ambos saíram andando do acidente, e um deles sofreu apenas com um ombro deslocado. Detalhe: naquele ano, pela primeira vez a subida de montanha aconteceu em uma Pikes Peak completamente asfaltada.

 

Niki Lauda, Nürburgring Nordschleife, 1976

O acidente de Niki Lauda é, sem dúvida, um dos mais famosos da história da Fórmula 1 — não apenas pelo quanto foi impactante, mas também pelo contexto da época: Nürburgring Nordschleife, a rivalidade entre Lauda e James Hunt, e o fato de estamos falando da década de 1970, quando os carros definitivamente não eram seguros como hoje.

A corrida, décima da temporada, teve 14 voltas pelo circuito que, na época, tinha 22 km de extensão (hoje em dia são 20 km). A dupla da Ferrari largou na ponta, com Niki logo atrás de Hunt, e foi marcada por uma chuva repentina que ocasionou diversas trocas de posição na primeira volta, e levou diversos pilotos a iniciar a prova com pneus de chuva. Minutos depois, a chuva parou, e Lauda fez uma visita aos boxes para colocar pneus de pista seca. Na análise médica que fizemos em 2014, contamos a história em detalhes:

Entre aqueles que tinham feito a parada estava Niki, pressionado para voltar às primeiras posições. Seguido por Guy Edwards, ele passou a Exmühle e vinha em direção à Bergwerk atrás de Carlos Pace quando inexplicavelmente tocou a zebra interna da pequena curva cega à esquerda que a antecede. Segundo relatos a suspensão do seu carro se quebrou neste momento, fazendo com que Niki perdesse o controle do veículo a mais de 200km/h, para rodar e se chocar violentamente com o muro de pedras à direita. O carro voltaria para a pista já incendiado. Edwards conseguiu se desvencilhar dos destroços, mas Brett Lunger e Harald Ertl ainda colidiriam com Lauda.

Consciente e vendo sua Ferrari consumida por chamas cada vez maiores, Niki tinha perdido seu capacete já no primeiro choque e sentia a pele do seu rosto queimar enquanto lutava para sair do cockpit. Felizmente os dois pilotos envolvidos no acidente se juntaram a Arturo Merzario e Edwards na retirada de Niki das chamas, com o veículo de resgate chegando 40 segundos depois do evento. Lauda ainda conseguiu sair em pé do carro, mas logo perdeu a consciência e cinco minutos depois foi removido para o hospital de Mannheim.

download-1413917359835

Niki sofreu extensas queimaduras após a exposição ao fogo por cerca de 50 segundos, notadamente na sua face, com escalpo, lado direito, sobrancelhas e pálpebras como maiores alvos.

O mais impressionante é que Niki, que brigava pelo título, conseguiu voltar a correr apenas seis semanas depois do incidente, ainda com uma bandagem na cabeça e severas deformações no rosto. Hunt venceu no Nürburgring e ficou com o título, mas Lauda ainda garantiu o vice-campeonato. Sua história não virou filme por acaso.

 

Rubens Barrichello, Imola, 1994

Todos sabem que no GP de San Marino, no circuito de Imola, em 1994, o mundo perdeu Ayrton Senna. No entanto, outro brasileiro também sofreu um acidente terrível naquele fim de semana: Rubens Barrichello, durante os treinos da sexta-feira.

Barrichello, que vivia uma ótima fase na Jordan, estava confiante para aquela que seria a terceira corrida da temporada. Então, na segunda volta dos treinos, ao contornar a curva Variante Bassa do circuito de Imola, ele decidiu ir cerca de 15 km/h mais rápido que na volta anterior.

Aquele foi seu erro: o carro saiu da trajetória e acertou uma zebra relativamente alta, que funcionou como uma rampa e fez com que o Jordan 194 de Barrichello decolasse e acertasse o muro a 223 km/h. O carro, então, atingiu o chão com o bico e capotou, repousando de lado.

sid_watkins___rubens_barrichello__san_marino_1994__by_f1_history-d5eo12f

Os fiscais de prova e médicos correram até o local e encontraram Barrichello inconsciente no cockpit, respirando com dificuldade por causa do sangue que saía de um corte em seu rosto e foi rapidamente entubado — o que garantiu que, ao chegar ao centro médico, sua condição tivesse melhorado sensivelmente. Os treinos foram interrompidos e Eddie Jordan, temendo pela vida de seu piloto, aproveitou para ir conferir seu estado. Lá, ele encontrou Ayrton Senna, que foi o primeiro a ver Barrichello de volta à consciência. “Ele está bem”, disse. “Em estado de choque, claro, mas está bem”.

06b8f-barrichello-imola94

Como já dissemos, todos sabemos o que aconteceu depois. Infelizmente, o acidente de Senna dois dias depois não pode entrar nesta lista.

 

Kenny Bräck, Texas Motor Speedway, 2003

Em 2003, o piloto sueco Kenny Bräck pilotava na Indy Racing League. Ele vinha de uma carreira de dez anos iniciada na Fórmula Ford sueca e na Fórmula 3 britânica antes de partir para a Indy em 2000 mas, naquele ano, sofreu o acidente que acabou com sua carreira nos monopostos.

KennyK3

Depois de enroscar as rodas de seu carro com as de Tomas Scheckter, Bräck decolou e foi arremessado em direção ao alambrado do circuito. O carro se partiu ao meio, submetendo Bräck a uma desaceleração de 214 g — o número mais alto já registrado em um acidente na história do automobilismo.

Ele sofreu fraturas no osso esterno, no fêmur, esmagou uma vértebra e quebrou os tornozelos. A recuperação levou 18 meses e  embora ele tenha voltado a correr nas 500 Milhas de Indianápolis de 2005 e em algumas outras ocasiões, este acidente praticamente decretou o fim de sua carreira na Indy. De qualquer forma, só o fato de ter saído vivo foi questão de pura sorte.

 

Matérias relacionadas

Cortando custos: os sinais que indicam que você está em um carro barato

Dalmo Hernandes

Estes carros incríveis foram feitos usando madeira

Dalmo Hernandes

Os TVR mais sensacionais de todos os tempos

Dalmo Hernandes